UMA PROPOSTA DE ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AULAS EXPOSITIVAS E ABORDAGENS INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE FÍSICA

Autores

  • Candice Nóbrega Bernardino Instituto Federal do Rio Grande do Norte - Campus Natal Central
  • Antonio Marques dos Santos Instituto Federal do Rio Grande do Norte https://orcid.org/0000-0003-2822-0710

DOI:

https://doi.org/10.26512/rpf.v7i2.50411

Palavras-chave:

ensino de Física, aulas expositivas, abordagens investigativas, aprendizado, metodologia.

Resumo

        Este artigo apresenta uma proposta de estudo comparativo entre as abordagens expositiva e investigativa no ensino de física. O objetivo do estudo é analisar a eficácia dessas duas abordagens no processo de aprendizagem dos alunos e identificar as vantagens e desvantagens de cada uma. A metodologia proposta consiste na realização de um experimento controlado com dois grupos de alunos. Um grupo receberá uma palestra tradicional onde o professor apresenta os conceitos teóricos da física de forma linear e os alunos recebem o conhecimento de forma passiva. Outro grupo é incentivado a participar de aulas com abordagem investigativa para investigar, questionar e apurar fenômenos físicos por meio de atividades práticas, experimentos e resolução de problemas. Ao longo do estudo, dados quantitativos e qualitativos são coletados por meio de testes de conhecimento, pesquisas de satisfação do aluno e observações em sala de aula. Esses dados foram analisados usando métodos estatísticos para determinar diferenças significativas entre os dois grupos. Espera-se que os resultados deste estudo forneçam informações sobre a eficácia de uma abordagem exploratória em comparação com as aulas de física. Pretende-se ainda apurar as preferências dos alunos em relação aos métodos de ensino utilizados, e verificar se uma abordagem exploratória contribui para uma melhor compreensão dos conceitos físicos e motivação para a aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira, G. B., & Fonseca, J. G. (2018). Investigação experimental no ensino de física: uma análise do impacto nas concepções e motivação dos estudantes. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 9(3), 49-70.

Santos, W. L. P., & Mortimer, E. F. (2001). Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem CTS (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 3(2), 1-15.

Carvalho, A. M. P., & Gil-Perez, D. (1998). Formação de professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez.

Manassero, M. A. (2006). Investigação em ensino de ciências. São Paulo: Escrituras Editora.

Zanella, L. M. C., & Caldeira, A. M. A. (2012). Aulas práticas de física no ensino médio: uma abordagem com experimentos investigativos. Investigações em Ensino de Ciências, 17(2), 189-207.

Rocha, F. S., & Nascimento, G. C. (2017). O uso de estratégias de ensino investigativas no ensino de física: uma revisão sistemática. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 19(3), 91-109.

Downloads

Publicado

2023-11-06

Como Citar

NÓBREGA BERNARDINO, Candice; SANTOS, Antonio Marques dos. UMA PROPOSTA DE ESTUDO COMPARATIVO ENTRE AULAS EXPOSITIVAS E ABORDAGENS INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE FÍSICA. Revista do Professor de Física, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 62–77, 2023. DOI: 10.26512/rpf.v7i2.50411. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rpf/article/view/50411. Acesso em: 23 abr. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)