JOGO DAS GRANDEZAS: UM RECURSO PARA O ENSINO DE FÍSICA

Autores

  • Everaldo dos Santos Araújo Universidade Federal do Acre
  • Bianca Martins Santos Universidade Federal do Acre

DOI:

https://doi.org/10.26512/rpf.v2i2.12079

Palavras-chave:

Ensino de Física. Jogo Educativo. Grandezas físicas. Lúdico. Recurso didático.

Resumo

O presente artigo propõe ao ambiente escolar um jogo educativo para o ensino de Física, sobre as grandezas físicas e seus significados, com intuito de alcançar a participação dos alunos no processo de ensino-aprendizagem. O jogo envolve os principais temas abordados em física durante o ensino médio: mecânica, ondulatória, óptica, termodinâmica, eletromagnetismo e física moderna; viabilizando o uso em salas de aula do terceiro do ensino médio ou em turmas dos cursos de nível superior em Física, para revisão dos conteúdos. A presente pesquisa, além de propor o “Jogo das Grandezas” como recurso didático, apresenta resultados para sua aplicação com alunos da graduação, concluintes do curso de Licenciatura em Física da Universidade Federal do Acre. Os resultados mostram que a dinâmica do jogo foi proveitosa, com grande aceitação por parte dos pesquisados, que demonstraram habilidades e segurança em relação aos conteúdos de Física, evidenciando instantes de descontração e seriedade durante a atividade. Verificou-se ainda que o jogo proposto é um instrumento promissor para o ensino de física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Everaldo dos Santos Araújo, Universidade Federal do Acre

Discente do curso de Licenciatura em Física da Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Biológicas e da Natureza, Universidade Federal do Acre,Campus Sede, Rodovia BR 364, Km 04, s/n, Distrito Industrial, Rio Branco, AC,CEP 69920-900.

Bianca Martins Santos, Universidade Federal do Acre

Atualmente é professora da Universidade Federal do Acre (UFAC), coordenadora do programa de pós-graduação do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física (MNPEF/ Polo UFAC) e docente vinculada ao Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática (MPECIM/UFAC). No momento, coordena o subprojeto de Física do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/Física UFAC). Possui Pós-Doutorado (2016), no Instituto de Física, na Universidade Federal Fluminense (I.F.U.F.F.), Doutorado (2015) em Física Nuclear Teórica pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Mestrado (2011) em Engenharia nuclear pelo Instituto Militar de Engenharia (IME) e graduação em Licenciatura em Física (2008) pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Desenvolve pesquisa na área de Ensino de Física e em Física Nuclear Teórica.

Referências

BEZERRA, D. P.; GOMES, E. C. S.; MELO, E. S. N.; SOUZA, T. C. A evolução do ensino da física ”“ perspectiva docente. Scientia Plena, v. 5 (2009): 094401-1 - 094401-8.

BRASIL. Ministério da Educação. PCN+ Ensino Médio, Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, Vol. 2. Brasília: MEC/SEF, 2002.

CARDOSO, L. R.; PARAÃSO, M. A., Álbum fotográfico: um mapa de cenários discursivos na produção acadêmica brasileira sobre aulas experimentais de Ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 20, n. 1 (2014): 83-115.

CARVALHO, A. M. P.; PÉREZ, D. G. Formação de Professores de Ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez Editora, 9 ed., 2011.

CASTELO BRANCO, A. R. M.; MOUTINHO, P. E. C., O lúdico no ensino de física: o uso de gincana envolvendo experimentos físicos como método de ensino. Caderno de Física da UEFS, v. 13, n. 2 (2015): 2601.1-2601.8.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GOMES, R. R.; FRIEDRICH, M., A Contribuição dos jogos didáticos na aprendizagem de conteúdos de Ciências e Biologia. In: EREBIO, Rio de Janeiro, v. 1 (2001): 389-392.

HECKLER, V.; SARAIVA, M. F. O.; FILHO, K. S. O. Uso de simuladores, imagens e animações como ferramentas auxiliares no ensino/aprendizagem de óptica. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 29, n. 2 (2007): 267-273.

MESSEDER NETO, H. S.; MORADILLO, E. F.; O jogo no ensino de química e a mobilização da atenção e da emoção na apropriação do conteúdo científico: aportes da psicologia histórico-cultural. Ciência & Educação, Bauru, v. 23, n. 2 (2017): 523-540.

MORAES, J. U. P., A visão dos alunos sobre o ensino de física: um estudo de caso. SCIENTIA PLENA, v. 5, n. 11 (2009): 114809-1 - 114809-7.

PEREIRA M. L. D’A. A.; OLIVEIRA, P. E. D. F., Física em Ação através de Tirinhas e Histórias em Quadrinhos. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 33, 896 n. 3, p. 896-926, dez. 2016.

PIASSI, L. P., A ficção científica e o estranhamento cognitivo no ensino de ciências: estudos críticos e propostas de sala de aula. Ciência & Educação, Bauru, v. 19, n. 1 (2013): 151-168.

PULOSKI, M. A. S.; Compreendendo Piaget: uma introdução ao desenvolvimento cognitivo da criança. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

REGO, T. C. Vygostsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

RICARDO, E. C.; FREIRE, J. C.A., A concepção dos alunos sobre a física do ensino médio: um estudo exploratório. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 29, n. 2 (2007): 251-266.

SCHNETZLER, R. P.; A pesquisa em ensino de química no Brasil: conquistas e perspectivas. Química Nova, Vol. 25, Supl. 1 (2002): 14-24.

SCHWARZ, V. R. K. Contribuição dos jogos educativos na qualificação do trabalho docente. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática) - Faculdade De Física, Pontifícia Universidade Católica Do Rio Grande Do Sul, Porto Alegre, 2006.

Downloads

Publicado

2018-08-22

Como Citar

ARAÚJO, E. dos S.; SANTOS, B. M. JOGO DAS GRANDEZAS: UM RECURSO PARA O ENSINO DE FÍSICA. Revista do Professor de Física, [S. l.], v. 2, n. 2, 2018. DOI: 10.26512/rpf.v2i2.12079. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rpf/article/view/12079. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)