Os Impactos da Iniciação Científica para os Graduandos em Turismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revcenario.v10i1.36080

Palavras-chave:

Iniciação científica, Relato de experiência, Turismo, Estado do Rio de Janeiro

Resumo

O presente artigo tem como objetivo relatar a experiência obtida pelos autores, no âmbito das atividades do grupo de pesquisa CNPq Turismo, Gestão e Territórios, descrevendo os passos percorridos e as dificuldades encontradas ao decorrer do projeto. Metodologicamente, o artigo estrutura-se como um relato de experiência de iniciação científica dos autores, durante o curso de graduação em turismo de uma universidade pública, entre março de 2019 a junho de 2020. A partir dessas experiências foi possível vivenciar e compreender as diferentes metodologias e etapas de pesquisa dentro do processo de investigação científica. Como resultado, destaca-se a importância que abrange o conhecimento derivado da iniciação científica no processo de formação do bacharel em turismo, perceptível no saber e experiência adquiridos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Abramo, P. (1979). Pesquisa em ciências sociais. In: Hirano, Sedi. (org.) Pesquisa social: projeto e planejamento. São Paulo: T. A. Queiroz, p. 21-28.

Agência Brasil. (2019). Turismo gera quase 25 mil empregos formais em 12 meses. https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2019-12/turismo-gera-quase-25-mil-empregos-formais-em-12-meses#:~:text=Turismo%20gera%20quase%2025%20mil%20empregos%20formais%20em%2012%20meses%20%7C%20Ag%C3%AAncia%20Brasil.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Baptista, M. L. (2014). Cartografia de saberes na pesquisa em turismo: proposições metodológicas para uma ciência em mutação. Revista Rosa dos Ventos: Turismo e Hospitalidade, Caxias do Sul, 6(3), p.342-355. http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/view/2647/pdf_273

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo, SP: Editora Unesp. https://nepegeo.paginas.ufsc.br/files/2018/06/BOURDIEU-Pierre.-Os-usos-sociais-da-ci%C3%AAncia.pdf.

Carneiro, J.; Sant’anna, E. S. & Autor. (2019). Apresentação no III Seminário Nacional de Turismo e Cultura da Fundação Casa de Rui Barbosa, ago 2019.

CNPq (2006) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. O CNPq. Brasília. http://www.cnpq.br/view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/100352 .

Claro, M. M; Botomé, S. P. &Kubo, O. M. (2003). Condições de trabalho, vida e saúde de trabalhadores de comércio em shopping center. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, Florianópolis, 3(2), p. 63-90. https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/7232 .

Daltro, M. R, & Faria, A.A. (2019). Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 19(1), 223-237. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812019000100013&lng=pt&tlng=pt .

Leal, E. (2000). A pesquisa e seu significado. In: Ferri, C.; Leal, E.h J. M & Hostins, R. (orgs.) (2000). Pesquisa na Universidade: elaboração de projetos e relatórios. Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, p. 4-7.

Maldonado, L. (1998). Iniciação científica na graduação em nutrição: autonomia do pensar e do fazer na visão dos pesquisadores/orientadores. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Marconi M. & Lakatos, E.. (2010). Fundamentos da Pesquisa Científica. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Massi, L., & Queiroz, S. L. (2015). A perspectiva brasileira da iniciação científica: desenvolvimento e abrangência dos programas nacionais e pesquisas acadêmicas sobre a temática. In Iniciação científica [recurso eletrônico]: aspectos históricos, organizacionais e formativos da atividade no ensino superior brasileiro. São Paulo: Editora Unesp Digital.

Morin, E. (1990). Ciência com consciência. 2. ed. Portugal: Publicações Europa-América. Organizações e Trabalho, 3(2), 63-90. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572003000200004&lng=pt&tlng=pt.

Morin, E. (2021). Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/EdgarMorin.pdf.

Pimentel, T. D., & Paula, S. C. de. (2014). A inserção profissional no mercado de trabalho face às habilidades adquiridas na formação superior em turismo. Revista De Turismo Contemporâneo, 2(1). https://periodicos.ufrn.br/turismocontemporaneo/article/view/5474.

Rejowski, M. (1996). Turismo e pesquisa científica: pensamento internacional x situação brasileira. (7a ed.). Campinas, SP: Papirus.

Santos, João. (2009). Turismo: Ciência ou Técnica. Revista do Turismo. 2009. http://www.revistaturismo.com.br/artigos/cienciatecnica.html.102

Silva, L. F. (2012). Iniciação científica – contexto e aspectos práticos. Revista De Medicina, 91(2), 128-136. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v91i2p128-136.

Tenório M.D.P. & Beraldi G. (2010). Iniciação científica no Brasil e nos cursos de medicina. Revista da Associação Médica Brasileira, 56(4): 390-3. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302010000400007.

Werneck, V. R. (2006). Sobre o processo de construção do conhecimento: O papel do ensino e da pesquisa. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, 14(51), p. 173-196, abr./jun. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-40362006000200003.

Downloads

Publicado

16-09-2022

Como Citar

de Oliveira Moreira, K., Silva Amaro, L., Maduro Rosa, S., & Geovú Esposito, V. H. (2022). Os Impactos da Iniciação Científica para os Graduandos em Turismo. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 10(1), 102–113. https://doi.org/10.26512/revcenario.v10i1.36080