Trens Turísticos em São Paulo: reflexões teóricas sobre o papel da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF)

Autores

  • Ewerton Henrique Moraes Universidade Estadual Paulista
  • Eduardo Romero Oliveira Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v5i9.19428

Palavras-chave:

Patrimônio. Trens Turísticos. Transporte. Turismo. ABPF.

Resumo

Atualmente, o Estado de São Paulo conta com seis trens turísticos ativos. Entre estes, a Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF) é responsável pela operação de quatro serviços. Além da operação ferroviária, o grupo tem sido mencionado em ações relacionadas à preservação e implantação de novos projetos. Desta forma, o objetivo é compreender o papel da Associação na preservação e usos atuais do patrimônio ferroviário, especificamente, na operação de trens turísticos em São Paulo. Para isso, utilizamos fontes bibliográficas e documentais, em especial, as publicações da ABPF na Revista Ferrovia. Entre os resultados, destacamos a aproximação entre a proposta original da ABPF e os trens turísticos atuais, além da elaboração do mapa dos trens turísticos em São Paulo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ewerton Henrique Moraes, Universidade Estadual Paulista

Professor Substituto da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Mestre em Arquitetura e Urbanismo e Bacharel em Turismo. Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual Paulista - UNESP na linha Teoria, História e Projeto. Bacharel em Turismo pela mesma universidade. Desde a graduação (iniciação científica) desenvolve pesquisas sobre patrimônio e preservação de bens ferroviários. Possui experiências internacionais, em destaque o estágio de pesquisa realizado na Escuela Técnica Superior de Arquitectura (ETSA) da Universidad de Sevilla (US), Espanha. Atualmente, é professor substituto do curso de Turismo da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Eduardo Romero Oliveira, Universidade de São Paulo

Professor Assistente Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Doutorado em Filosofia pela USP.

Referências

ALLIS, T.; BRAMBATTI, L. E.. Trens e turismo. Caxias do Sul: Meridiano, 2010.

ALLIS, T. Turismo, patrimônio cultural e transporte ferroviário: um estudo sobre as ferrovias turísticas no Brasil e na Argentina. 2006. 232f. Dissertação (Mestrado) ”“ Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina, Universidade de São Paulo, 2006.

ANDREAZZA, M. D. Perspectivas para os transportes. Rio de Janeiro: S.-G. M.T. 1974

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS OPERADORAS DE TRENS TURÃSTICOS E CULTURAIS (ABOTTC) (Brasil). Trem Cultural dos Ingleses. Disponível em: <http://www.abottc.com.br/cultural-train-of-thebritish/?lang=es>. Acesso em: 01 set. 2017.

ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS DA ESTRADA DE FERRO SANTOS A JUNDIAÃ (São Paulo). Revista Ferrovia: Sobre a Revista. Disponível em: <http://www.aeefsj.org.br/site/?page_id=6723>. Acesso em: 06 dez. 2015.

BRASIL. AGENCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT). Trens Turísticos e Comemorativos. Resolução nº 359, de 26/11/2003, por meio da qual estabeleceu procedimentos relativos à operação dos trens turísticos, histórico-culturais, e comemorativos. Disponível em:

<http://www.antt.gov.br/>. Acesso em: 30 jan. 2014a.

BRASIL. AGENCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT).Trens turísticos e comemorativos. 2015. Trens Turísticos e Culturais autorizados no período de 2004 a 2015. Disponível em: <http://www.antt.gov.br/passageiros/Trens_turisticos_e_comemorativos.html>. Acesso em: 01

set. 2017.

BRASIL. INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÃSTICO NACIONAL (IPHAN). Patrimônio Ferroviário. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2014.

BRASIL. INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÃSTICO NACIONAL (IPHAN). Cartas patrimoniais. Rio de Janeiro: IPHAN, 1995

BRASIL. MINISTÉRIO DO TURISMO. (Org.). Cartilha de Orientação para Proposição Projetos de Trens

Turísticos e Culturais. 2010. Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_pu

blicacoes/cartilha-final-b.pdf>. Acesso em: 30 jan. 2014.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. (Org.). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1969.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. (Org.). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1972.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. (Org.). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1975.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. (Org.). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1978.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. (Org.). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1981.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. (Org.). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1984.

BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA. (Org.). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1987

COOPER, M. Brazilian Railway Culture. Cambridge Scholars, 2011.

CONDEPHAAT. Lista de Bens Tombados por Município. Disponível em: http://www.cultura.sp.gov.br/SEC/Condephaat/Bens%20Tombados/lista_set.13_BensTombOrdMunic%C3%ADpios_Site.pdf. Acesso em: 30 jan. 2014.

DEL BIANCO, A. H. Aos amigos ferroviários. Revista Ferrovia, São Paulo, v.69, n. 1, p. 22, novembro 1979. Bimestral.

DOLLINGER, P. Associação Brasileira de Preservação Ferroviária. Revista Ferrovia, São Paulo, n. 71, p.34-34, mar. 1980. Bimestral. Órgão da Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Santos à Jundiaí.

ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO (São Paulo). Secretaria dos Transportes Metropolitanos. Apresentação.Disponível em: <http://www.efcj.sp.gov.br/>. Acesso em: 01 set. 2017.

FRAGA, C. C. I. ; FERNANDES, E. M. R.; CASTRO, R. T. Transporte. 2. ed. Rio de Janeiro: Cecierj, 2012.

INSTITUTO DE FERROVIAS E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL (Brasil). Projeto a volta do trem das onze: visita ao eco-museu com passeio de maria-fumaça e muito mais. Disponível em: <http://efperuspirapora.blogspot.com.br/>. Acesso em: 01 set. 2017.

KARABACHIN, A. Agenda: Precioso Acervo da Estradinha, Ameaçado (Jornal da Tarde SP ”“ 16/09/1981). Revista Ferrovia, São Paulo, v. 1, n. 80, p.53, set. 1981a. Bimestral.

KARABACHIN, A.. Agenda: A velha dama, despertando paixões como antigamente (Jornal da Tarde ”“ 28/09/1981). Revista Ferrovia, São Paulo, v. 1, n. 80, p.53, set. 1981b. Bimestral.

KARABACHIN, A. Agenda: no velho trem de ferro 700 passageiros e muita saudade (Jornal da Tarde ”“ SP ”“ 19/07/1982). Revista Ferrovia, São Paulo, v. 1, n. 85, p.35 set. 1982. Bimestral.

LOHMANN, Guilherme; FRAGA, Carla; CASTRO, Rafael. Transportes e destinos turísticos: planejamento e gestão. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

MATOS, L. F. Estação Memória: um estudo das entidades de preservação ferroviária do Estado do Rio de Janeiro. CEDOC. Fundação Getulio Vargas, 2010.

MORAES, E. H. Os bens ferroviários nos tombamentos do Estado de São Paulo (1969 ”“ 1984). 2016. 191 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Arquitetura e Urbanismo, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (FAAC), Universidade Estadual Paulista (UNESP), Bauru, 2016.

Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2017.

MORAES, J.E.C.D. Porque Preservar o Patrimônio Histórico Ferroviário. In: Revista Ferrovia. São Paulo: Associação dos Engenheiros da E. F. Santos a Jundiaí, v. 72, maio 1980. Bimestral.

MRS LOGÃSTICA. Guararema agora tem trem de passageiros. 2015. Disponível em: <https://www.mrs.com.br/post-newsletter/trem-de-passageiro-faz-viagem-inaugural-emguararema/>. Acesso em: 01 set. 2017.

OLIVEIRA, E. R. Patrimônio Ferroviário do Estado de São Paulo: As condições de preservação e uso dos bens culturais. Projeto História (PUCSP), v. 40, p. 179-203, 2010.

PALHARES, G. L.. Transportes Turísticos. 2 ed. São Paulo: Aleph, 2006.

PAOLILLO, A. M. ; REJOWSKI, M. Transportes. 3. ed. São Paulo: Aleph, 2006.

PREFEITURA DE BAURU (Bauru). Projeto Ferrovia para Todos. Página fora do ar.. Disponível em:

<http://www.bauru.sp.gov.br/secretarias/sec_cultura/patrimonio.aspx>. Acesso em: 04 abr. 2015.

REVISTA FERROVIA. São Paulo: Associação dos Engenheiros da E. F. Santos a Jundiaí, v. 84, maio 1982. Bimestral.

RIBEIRO, S. B. Na Linha da Preservação: o leito ferroviário Campinas - Jaguariúna. Campinas: Tratore Livros, 2007.

RONÁ, R. D. Transportes no Turismo. Barueri: Manole, 2002.

SÃO PAULO (Estado). CONSELHO DE DEFESA DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO, ARQUEOLÓGICO, ARTÃSTICO E TURISTÃSTICO (CONDEPHAAT). Processo de tombamento 21273/80. Acervo da Estrada de Ferro Perus-Pirapora-Cajamar. CONDEPHAAT, 1980

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (Brasil). Trens Turísticos e Culturais do Brasil. Brasilia: Sebrae, 2016. Disponível em:

<http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/1e1cfdcbdf6b1a45ce04e7999efad58a/$File/7250.pdf>. Acesso em: 01 set. 2017.

Downloads

Publicado

20-11-2018

Como Citar

Moraes, E. H., & Oliveira, E. R. (2018). Trens Turísticos em São Paulo: reflexões teóricas sobre o papel da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF). Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território , 5(9), 23–39. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v5i9.19428

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.