A produção canavieira e o mito do progresso

agronegócio e agricultura familiar na microrregião de Ceres, Goiás, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/patryter.v2i3.15648

Palavras-chave:

producao canavieira, agricultura familiar, assentamento

Resumo

O Brasil é um grande agroexportador de produtos vinculados ao agronegócio. Dentre as principais produções, destaca-se a cana-de-açúcar que apresentou nas últimas décadas expansão em área plantada e produção de etanol e açúcar, voltados para o mercado interno e também internacional. Alguns estados brasileiros destacam-se nesse processo, como São Paulo, Goiás e Mato Grosso, e estão entre os maiores produtores. Objetiva-se portanto, compreender o processo de expansão canaviera para o estado de Goiás, dando ênfase à microrregião Ceres, uma das principais regiões canavieiras desse estado. Pôde-se concluir com essa pesquisa, que na região estudada há sérios efeitos socioespaciais fruto da atividade canavieira, bem como conflitos latentes, entre o agronegócio e a agricultura familiar, muitas vezes legitimados pelo discurso do desenvolvimento, que em verdade é incompleto, e pelo mito do progresso atrelado ao discurso do agronegócio brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lara Cristine Gomes Ferreira, Universidade Federal de Goiás, Brasil

Doutora na Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Socioambientais, UFG

Fernando Luiz Araújo Sobrinho, Universidade de Brasília, UnB, Brasil

Professor doutor do Departamento de Geografia da Universidade de Brasília, UnB

Referências

Abramovay, R. (1999). Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. In: Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária.v. 28 nºs 1, 2, 3 e 29, nº1.

Alentejano, P. R. R. (2000). O que há de novo no rural brasileiro? In: Terra Livre. São Paulo, n.15.

ANP. (2018). Agência Nacional do Petróleo. Publicada lei do RenovaBio. Publicado: Quarta, 27 de dezembro de 2017. Atualizado: Segunda, 08 de janeiro de 2018. Disponível em:<http://www.anp.gov.br/wwwanp/noticias/4226-publicada-lei-do-renovabio>. Araújo, T. B. (1999). de. Por uma Política Nacional de Desenvolvimento Regional. In: Revista Econômica do Nordeste. Fortaleza, v. 30, n. 2.

Barzun, J. (2002). Da alvorada à decadência: ahistória da cultura ocidental de 1500 aos nossos dias. Rio de Janeiro: Campus.

Brasil. (2006). Plano Nacional de Agroenergia 2006-2011. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria de Produção e Agroenergia. 2. ed. rev. -Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica.

DATALUTA. (2015). Banco de Dados da Luta pela Terra: Relatório Brasil. NERA -Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária ”“FCT/ UNESP: Presidente Prudente, São Paulo.

Dupas, G. (2006). O mito do progresso: ou progresso como ideologia. São Paulo, UNESP.

Elias, D. (2006) Ensaios Sobre os Espaços Agrícolas de Exclusão. Revista NERA.Unesp/Presidente Prudente, v. 1, n. 8.

Favareto, A. (2010). As políticasde desenvolvimento territorial rural no Brasil em perspectiva: uma década de experimentações. In: Revista Desenvolvimento em Debate.Rio de Janeiro, v.1, n.2.

Fernandes, B. M. (2015). Reforma Agrária no Brasil, para além de um projeto: uma luta permanente. In: Mitidiero, Junior, M. A.; Garcia, M. F.; Viana, P. C. G. (Orgs.). A Questão Agrária no Século XXI: escalas, dinâmicas e conflitos territoriais. São Paulo: Outras expressões.

Ferreira, L. C. G. (2010). A evolução do setor sucroalcooleiro na Microrregião Ceres (GO): Dinâmica Espacial e Impactos Socioeconômicos. Dissertação (mestrado em Geografia). Universidade Federal de Goiás: Goiânia, p. 136.

Ferreira, L. C. G. (2016). As paisagens regionais na microrregião Ceres(GO):das Colônias Agrícolas Nacionais ao Agronegócio Sucroenergético. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade de Brasília: Distrito Federal, p. 296.

Furtado, C. (1983). O mito de desenvolvimento econômico. 6. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Grisa, C. & Schneider, S. (2015). Três gerações de políticas públicas para a agricultura familiar e formas de interação entre sociedade e Estado no Brasil. In: Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Grisa, C.; Schneider, S (Orgs.). Porto Alegre: UFRGS.

Haesbaert, R. (2006). Concepções de território para entender a desterritorialização. In: Santos, M. et al. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: DP&A.

Hespanhol, A. N. (2008). Modernização da Agricultura e Desenvolvimento Territorial. In: 4º EncontroNacional de Grupos de Pesquisa. ENGRUP: São Paulo.

IMB / SEGPLAN. (2017). Instituto Mauro Borges / Secretaria de Estado de Gestão de Planejamento de Goiás. Goiás em Dados ”“2016. Goiânia: SEGPLAN.

Locatel, C. (2012). Tecnificação dos territórios rurais no Brasil: políticas públicas e pobreza.In: Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales.[En línea]. Barcelona: Universidad de Barcelona, vol.XVI, nº 418 (66).

MAPA. (2018). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em http://www.agricultura.gov.br/.

Marques, M. I. M. (2002). O Conceito de Espaço Rural em Questão. In: Revista Terra Livre(São Paulo) Ano 18, n. 19.

Mendonça, M. L. (2015). O Papel da Agricultura nas Relações Internacionais e a Construção do Conceito de Agronegócio. In: Revista Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, maio/agosto.

Oliveira, A. R. de.(2010). O associativismo na região do Pontal do Paranapanema-SP:limites e possibilidades para o desenvolvimento rural.Tese (Doutorado em Geografia) ”“Faculdade de Ciências e Tecnologia, Unesp/Presidente Prudente.

Oliveira, A, R.; Ferreira, L. C. G. & Garvey, B. (2018). A ocupação do Cerrado goiano pelo agronegócio canavieiro. In: Revista NERA. Presidente Prudente ”“SP. Ano 21, n. 43, pp. 79-100.

Oliveira, A. U. (2001). A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e Reforma Agrária. In: Revista Estudos Avançados.São Paulo, v. 15, n. 43.

PNUD (2018). Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Disponível em http://www.pnud.org.br/.

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder.Tradução Cecília França. São Paulo: Ática.

Sauer, S. & Pietrafesa, J. P. (2012). Cana de açúcar, financiamento público e produção de alimentos no Cerrado In: Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, v. 7, n. 14, p. 1-29, ago.

SIC GO. (2017). Secretaria de Indústria e Comércio de Goiás. Disponível em http://www.sic.goias.gov.br/.

Downloads

Publicado

08-02-2019

Como Citar

Ferreira, L. C. G., & Araújo Sobrinho, F. L. (2019). A produção canavieira e o mito do progresso: agronegócio e agricultura familiar na microrregião de Ceres, Goiás, Brasil. PatryTer, 2(3). https://doi.org/10.26512/patryter.v2i3.15648

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)