Patrimonialização e afirmação cultural no distrito de Olhos d’Água, Goiás, Brasil

Autores

  • Edilene Américo Silva Instituto Federal de Brasília/IFB.
  • Fernando Luiz Araújo Sobrinho Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.26512/patryter.v1i1.7121

Palavras-chave:

Feira do Troca, Olhos d’Água, Patrimônio material e imaterial

Resumo

Em 1960, o distrito de Olhos d’Água, no estado de Goiás (Brasil), perdeu a condição de Sede política para a recém-construída Alexânia, às margens da rodovia BR 060 de sua econômica e esvaziamento demográfico. Porém, a partir de 1974, por meio da Feira do Troca, Olhos d’Água conseguiu projetar-se como resistência cultural no contexto estadual. Tanto a Feira, que é considerada patrimônio imaterial local, quanto o povoado têm sido inseridos no turismo municipal e estadual por meio de um processo de patrimonialização resultante de lógicas locais de comércio, consumo e circulação que são produtos da nova dinâmica econômica global. A Feira, o sítio histórico, a produção artesanal e o modo de vida da comunidade são singularidades que atraem cada vez mais um número maior de visitantes. A pesquisa indicou que há um processo de turistificação em curso que coloca em discussão tanto a necessidade de fortalecimento local, quanto a de conservação do conjunto arquitetônico local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edilene Américo Silva, Instituto Federal de Brasília/IFB.

Doutora em Geografia pela Universidade de Brasília (UnB) e docente do c/IFB.

Fernando Luiz Araújo Sobrinho, Universidade de Brasília

Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e docente do Programa de Pós-Graduação
em Geografia/PPGEA, da Universidade de Brasília (UnB). Email: 

Referências

Abdallah, A. (2015). Alexânia: a cidade dos meus sonhos. Alexânia, Goiás, Brasil: Gráfica e Arte.

Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre, Brasil: Artmed.

Arjona, Marta. (1986). Patrimonio Cultural e Identidad. La Habana, Cuba: Editorial Letras Cubanas.

Araújo Sobrinho, F. L. (2008). Turismo e dinâmica territorial no eixo Brasília-Goiânia. (Tese de doutorado). Universidade Federal de Uberlândia/UFU. Uberlândia.

Castells, M. (2000). A sociedade em rede ”“ a era da Informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo, Brasil: Paz e Terra.

Castilho, D. (2009). Modernização territorial e redes técnicas em Goiás. (Tese de doutorado). Universidade Federal de Goiás/UFG. Goiânia.

Castriota, L. B. (2009). Patrimônio cultural: conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo, Brasil: Annablume.

Claval, Paul. (2008). Uma, ou algumas, abordagem(ns) cultural(is) na geografia humana. In: Serpa, A. (org.). Espaços culturais: vivências, imaginações e representações. Salvador, Brasil: EDUFBA.

Costa, E. B. (2010). A dialética da construção destrutiva na consagração do patrimônio mundial. São Paulo, Brasil: Humanitas/FAPESP.

Costa, E. B. (2015). Cidades da patrimonialização global: simultaneidade totalidade urbana ”“ totalidade mundo. São Paulo, Brasil: Humanitas/FAPESP.

Haesbaert, R. (2004) O mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro, Brasil: Bertrand Brasil.

Mohen, J. P. (1999). Les sciences du patrimoine: identifier, conserver, ressaurer. Paris, França: Éditions Odili Jacob.

Lima, L. N. M. (2014, 10/11). A apropriação da cultura pelo turismo, a revalorização e a ressignificação das identidades culturais. GEOgraphia, UFF. Recuperado de http://www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/view/387/306

Lima, L. N. M. (2014, 12/11). O turismo, a reinvenção e a espetacularização na Procissão do Fogaréu da Cidade de Goiás (GO). Revista Brasileira de Ecoturismo. Recuperado de http://www.sbecotur.org.br/rbecotur/seer/index.php/ecoturismo/article/view/390

Pelegrini, S. C. A. (2009). Patrimônio Cultural: consciência e preservação. São Paulo, Brasil: Brasiliense.

Sant’Anna, M. (2010). A cidade-atração: patrimonio e valorização de áreas centrais no Brasil dos anos 90. Cadernos PPG-AU/UFBA.

Santos, M. (2004). A natureza do espaço. São Paulo, Brasil: Hucitec.

Silva, E. A., & Araújo Sobrinho, F. L. (2015). A Escala Local como Objeto de Análise Geográfica: a influência do eixo Brasília-Goiânia na dinâmica territorial de Alexânia ”“ Goiás ”“ Brasil. In: II Congresso Internacional SETED-ANTE: Seminario Estado, Territorio e Desenvolvimento. O Goberno dos Territorios (pp. 1351-1362). Santiago de Compostela, Espanha. Universidade de Santiago de Compostela/USC.

Silva, E. A. (2016,10/10). A Feira do Troca na comunidade de Olhos d’Água (GO): da afirmação cultural a apropriação pelo turismo. Revista Brasileira de Ecoturismo. Recuperado de http://www.sbecotur.org.br/rbecotur/seer/index.php/ecoturismo/article/view/946

Silva, E. A. (2017) A reconfiguração territorial de Alexânia (Goiás) a partir do eixo Brasília-Goiânia. (Tese de doutorado). Universidade de Brasília/UnB. Brasília.

Sites Acessados

Portal de Olhos d’Água. (2014, 15/09). Recuperado de http://olhodogoias.blogspot.com.br/2009/02/primeira-casa.html

Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural. (2017, 18/05). Recuperado de http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Fortaleza%201997.pdf

Prefeitura de Alexânia. (2016, 13/01). Recuperado de http://www.alexania.go.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. (2016, 14/02). População e Indicadores Sociais. Recuperado de http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=520030

Instituto Mauro Borges, IMB. (2015, 02 de abril). PIB Trimestral do Estado de Goiás: 4º trimestre ”“ 2014. Recuperado de http://www.imb.go.gov.br/pub/pib/pibgotrimestral/pibgo4tri2014.pdf

Downloads

Publicado

09-03-2018

Como Citar

Silva, E. A., & Araújo Sobrinho, F. L. (2018). Patrimonialização e afirmação cultural no distrito de Olhos d’Água, Goiás, Brasil. PatryTer, 1(1), 57–67. https://doi.org/10.26512/patryter.v1i1.7121

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)