Caminhos para uma Hermenêutica da Arquitetura

Análise da teoria de Lindsay Jones

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n25.2020.11

Palavras-chave:

Teoria; Hermenêutica; Arquitetura; Interpretação; Lindsay Jones.

Resumo

Embora a hermenêutica seja tradicionalmente conhecida como uma metodologia de interpretação textual, a hermenêutica moderna engloba questões que envolvem não somente o texto escrito, mas o processo interpretativo como um todo, incluindo formas verbais e não verbais de comunicação. Uma obra arquitetônica, cuja própria constituição apresenta interpretações históricas e culturais, não pode ser entendida como um objeto isolado do mundo e nem se limitar a uma interpretação individual. Este artigo pretende então analisar os conceitos da “hermenêutica da arquitetura sagrada” concebida por Lindsay Jones, procurando identificar as potencialidades desta teoria para a compreensão dos significados de obras arquitetônicas. Deduz-se que abordagem hermenêutica do autor ao focar nas interações e experiências do usuário com a edificação, e opor-se à apreensão exclusivamente estética da arquitetura, apresenta uma nova forma de interpretar os significados das edificações e fornece ferramentas importantes para assegurar o caráter democrático e heterogêneo da interpretação hermenêutica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATISTA, G. S. Hermenêutica, crítica da representação e arte: notas sobre Gadamer. Intuitio, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 132 ”“ 144, nov. 2013.
GADAMER, H. Verdade e Método: Traços Fundamentais de uma Hermenêutica Filosófica. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.
GRONDIN, J. Hermenêutica. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.
HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. (CD-ROM).
INGARDEN, R. Ontology of the work of art: the musical work, the picture, the architectural work, the film. Athens: Ohio University Press, 1989.
JONES, L. Eventfulness of Architecture: Teaching about Sacred Architecture is teaching about ritual. In: BELL, C. (ed.). Teaching Ritual. Oxford: Oxford University Press, 2007. p. 252 ”“ 272.
_________. Hermeneutical calisthenics: a morphology of ritual-architectural priorities. Vol. i.1, i.2, i.3, i.4. Chicago: Kazi Publications, 2016a. (The hermeneutics of sacred architecture: experience, interpretation, comparison).
_________. Monumental Occasions: reflections on the eventfulness of religion architecture. Vol. i.1, i.2, i.3, i.4. Chicago: Kazi Publications, 2016b. (The hermeneutics of sacred architecture: experience, interpretation, comparison).
KIDDER, P. Gadamer for architects. New York: Routledge, 2013.
NESBITT, K. Introdução. In: NESBITT, K. (ed.). Uma nova agenda para a arquitetura: antologia teórica (1965-1995). 2. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2013. p. 15 ”“ 87.
NORBERG-SCHULZ, C. Intentions in Architecture. Cambridge: MIT Press, 1965.
PALMER, R. E. Hermenêutica. Lisboa: Edições 70, 2006.
PÉREZ-GÓMEZ, A. Hermeneutics as Discourse in Design. Design Issues. v.15, n. 2, p.71-79, Summer 1999
RICOUER, P. The model of the text: meaningful action considered as a text. New Literary History, v. 5, n. 1, p. 91 ”“ 117, Autumn 1973.
SARAMAGO, L. Espaço e obra de arte nos pensamentos de Heidegger e Gadamer. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 1, p. 76 ”“ 93, jul 2006. Disponível em: <https://www:periodicos:ufop:br/pp/index:php/raf/article/view/797/752>. Acesso em: 04 fev. 2019.
SCHMIDT, L. K. Hermenêutica. Petrópolis: Vozes, 2012.
SNODGRASS, A; COYNE, R. Interpretation in Architecture: Design as a way of thinking. New York: Routledge, 2006.
________________________. Is Designing Hermeneutical? Architectural Theory Review, Sydney, v.1, n. 1, p. 65 - 97, 1997.
WAISMAN, M. O interior da história: historiografia arquitetônica para uso de latino-americanos. São Paulo: Perspectiva, 2013.
ZEVI, B. Saber ver a Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Downloads

Publicado

14-03-2020

Como Citar

Gaspar Souza, I., & Gonçaves de Almeida, J. (2020). Caminhos para uma Hermenêutica da Arquitetura: Análise da teoria de Lindsay Jones . Paranoá, 13(25), 147–159. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n25.2020.11

Edição

Seção

Dossiê de Teoria, História e Crítica

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.