Lógica Urbana

o aforamento da propriedade fundiária e a configuração do espaço urbano da cidade de Ribeirão Preto/SP

Autores

  • Dirceu Piccinato Junior Faculdade Meridional - IMED, Passo Fundo/RS
  • Ivone Salgado Pontifícia Universidade Católica de Campinas ”“ PUCCamp., Campinas

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n21.2018.02

Palavras-chave:

Enfiteuse, aforamento ou emprazamento, Terra urbana, Mecanismo de urbanização, Configuração urbana, Ribeirão Preto/SP

Resumo

A configuração territorial e dos espaços urbanos podem ser interpretadas a partir de mecanismos jurídicos. O objetivo deste artigo é analisar e esclarecer o instituto jurídico da enfiteuse como agente urbanizador e de conformação do território, com estudo de caso do papel do Bispado do Ribeirão Preto e a formação da cidade de Ribeirão Preto, interior do estado paulista, durante os séculos XIX e parte do XX. A enfiteuse ou aforamento é uma relação compartilhada entre proprietários de um determinado bem ou conjunto destes, para este estudo: a terra urbana. Esta relação acontece entre um titular perpétuo que detém o direito sobre uma propriedade e um segundo titular, o enfiteuta, que possui o direito de usufruir deste bem. No território paulista, a formação de núcleos urbanos ocorreu, em grande medida, com a constituição de um patrimônio religioso, extensão de terra destinada a um santo de devoção dos moradores. Como meio de rendimento foi usual a Igreja local aforar este patrimônio. As normas contidas neste instituto estabeleceram a morfologia urbana de muitas localidades, como aconteceu com a cidade de Ribeirão Preto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ABREU, M. de A. A apropriação do território no Brasil colonial. in: CASTRO, I. E. de; COSTA, P. C. da; CORRÊA, R. L. (orgs.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO. São Paulo: EDITORA RIDEEL, 1916.
DERNTL, M. F. Método e arte: urbanização e formação territorial na capitania de São Paulo, 1765 ”“ 1811. São Paulo: Alameda.
FARIA, R. S. de. Ribeirão Preto, uma cidade em construção (1895-1930): o moderno discurso da higiene, beleza e disciplina. Campinas, 2003 (Mestrado em História), Universidade Estadual de Campinas.
FREITAS, N. M. B. de. A criação da Diocese de Ribeirão Preto e o governo do primeiro Bispo: D. Alberto José Gonçalves. Franca, 2006 (Mestrado em História), Universidade Paulista ”“ “Júlio de Mesquita Filho”.
LUSTOSA, O. de F. A Presença da Igreja no Brasil. São Paulo: Editora Giro Ltda., 1977.
MONTEIRO, W. de B. Curso de Direito Civil. Direito das Coisas. São Paulo: Edição Saraiva, 1953.
MONTEIRO, C. O domínio da cidade. A propriedade à prova no Direito do Urbanismo. Lisboa: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, 2010.
PICCINATO JUNIOR, Dirceu. Em chão urbano, o senhorio é santo: urbanização e aforamento de terras no Bispado do Ribeirão Preto entre o Brasil Império e a Primeira República. Campinas, 2016 (Doutorado em Urbanismo), Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
ROCHA, M. A. C. da. Instituições de Direito Civil Portuguez. Coimbra: Livraria de J. Augusto Orcel, 1857.
VALADÃO, V. Memória Arquitetônica de Ribeirão Preto (Planejamento urbano e Política de preservação). Franca, 1997 (Mestrado em História), Universidade Estadual Paulista ”“ “Júlio de Mesquita Filho”.

Downloads

Publicado

2018-11-07

Como Citar

Piccinato Junior, D., & Salgado, I. (2018). Lógica Urbana: o aforamento da propriedade fundiária e a configuração do espaço urbano da cidade de Ribeirão Preto/SP. Paranoá, (21). https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n21.2018.02

Edição

Seção

Teoria, História e Crítica