O Inventário como ferramenta de reconhecimento e preservação do patrimônio cultural das comunidades rurais de Santo Antônoi do Palma/RS, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.01

Palavras-chave:

Patrimônio cultural; imigração italiana; imigração polonesa; saber-fazer; inventário patrimonial

Resumo

O patrimônio cultural é objeto de interesse de diversos mecanismos e ferramentas que visam o seu registro, reconhecimento, preservação, bem como sua promoção, entre esses mecanismos, o inventário é um dos recursos comumente utilizados para se atingir esses fins. Assim, este artigo tem por objetivo inventariar e debater acerca da atual condição do patrimônio material e imaterial, sobretudo, do saber-fazer, presente nas comunidades rurais de descendentes de imigrantes italianos e poloneses no município de Santo Antônio do Palma, Rio Grande do Sul, Brasil. A metodologia adotada para a pesquisa constituiu-se a partir de uma abordagem conceitual bibliográfica e a estruturação de uma ficha de inventário do patrimônio material e imaterial, a qual foi preenchida com os dados coletados durante as pesquisas de campo. A partir da coleta dos dados e da realização das fichas foi possível obter um panorama do atual cenário cultural do município supracitado, onde avaliou-se como relevante os esforços que vem sendo feito pelos atores locais nos últimos anos, a fim de manter vivas as memórias, as histórias, assim como o saber-fazer herdados de seus antepassados. São empenhos que contribuem para a manutenção da identidade local, bem como podem contribuir para o desenvolvimento cultural dessas comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adilson Giglioli, Faculdade Meridional, Escola Politécnica, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo

Arquiteto e Urbanista pela Universidade de Passo Fundo – UPF (2018), Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade Meridional – IMED (2021), discente do programa de Pós-Graduação Lato Sensu em Docência para o ensino superior pela Universidade de Caxias do Sul – UCS (2021 – em andamento). Pesquisador na área de ecomuseus, patrimônio cultural, desenvolvimento local e regional. Atua como arquiteto autônomo e arquiteto consultor da Associação de Turismo da Serra Nordeste Uva e Vinho – ATUASERRA.

Dirceu Piccinato Junior, Faculdade Meridional, Escola Politécnica, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo

Possui Graduação em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário Moura Lacerda (CUML-2001) e em Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR-2008), mestrado em Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas-2012), doutorado em Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas-2016) com estágio de pesquisa na Universidade do Algarve (UAlg, Portugal-2015). Atualmente é Docente dos Programas de Graduação e Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo da IMED (IMED-PPGARQ); Bolsista de Produtividade da Fundação Meridional (2018-2021) e Pesquisador integrante do Grupo de Pesquisa Teoria e História da Habitação e da Cidade (THAC-IMED). Atua nas áreas de Planejamento Urbano e Regional e Projeto em Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo e Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo.

Henrique Aniceto Kujawa, Faculdade Meridional, Escola Politécnica, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Arquitetura e Urbanismo

Doutor em Ciências Sociais pela UNISINOS (2014), Mestrado em História pela Universidade de Passo Fundo (2000), graduação em História pela Universidade de Passo Fundo (1994). Docente do Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo da IMED, desde 2017. Docente da Graduação dos Cursos de Direito, Psicologia e Arquitetura e Urbanismo na IMED, desde 2005. Docente Universidade de Chapecó- UNOCHAPECÓ (2001-2017). Bolsista produtividade de Pesquisa da Fundação Meridional, desde 2017. Membro do Grupo de Pesquisa Teoria e História da Habitação e da Cidade (THAC-IMED) e do Centro Brasileiro de Pesquisa sobre a Teoria da Justiça de Amartya Sen. Tem experiência na área de História e Ciências Sociais, atuando principalmente nos seguintes temas: direito humano à saúde, movimentos sociais, território e territorialidade, políticas habitacionais, patrimônio cultural e desenvolvimento, tramas sociais e constituição de espaços urbanos.

Referências

ARAUJO, F. G. de. HAESBAERT, R. (Org.). Identidade territórios: questões e olhares contemporâneos. Rio de Janeiro: Access, 2007, pp. 33-56.

ASSMANN, Jas. Collective Memory and Cultural Identity. In: New German Critique. n. 65, Cultural History/Cultural Studies, (Spring-Summer, 1995), p. 125-133. Apud WEBER, Regina; MALTA, Elenita. Halbwachs e a Memória: contribuição à história cultural. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 3, n. 1, p. 104-126, 2010.

AZEVEDO, Paulo Ormindo de. Inventário como Instrumento de Proteção: A Experiência Pioneira do IPAC-BAHIA. In: MOTTA, Lia; SILVA, Maria Beatriz Rezende (Org.). Inventários de Identificação: Um Panorama da Experiência Brasileira. Rio de Janeiro, RJ: Editora IPHAN, Ministério da Cultura, 1998.

BATISTA, Claudio Magalhães. Memória e Identidade: Aspectos relevantes para o desenvolvimento do turismo cultural. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 5, p.27-33, mar. 2005.

CANANI, Aline Sapiezinskas Krás Borges. Herança, Sacralidade e Poder: Sobre as diferentes categorias do Patrimônio Histórico e Cultural no Brasil. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 11, n. 23, p.163-178, jan/jun 2005.

CASTRIOTA, Leonardo Barci. Patrimônio Cultural: Conceitos, Políticas, Instrumentos. São Paulo: Annablume, 2009. 380 p.

EDELWEISS, Roberta Krahe. Cidade Contemporânea, memória e preservação patrimonial: uma interpretação a partir das preexistências culturais. Oculum Ensaios: Revista de Arquitetura e Urbanismo, Campinas, v. 1, n. 13, p.153-162, 08 set. 2016.

FERRÃO, André Munhoz de Argollo. Arquitetura Rural e o espaço não-urbano. Revista Labor & Engenho, Campinas, v. 1, p.89-112, 2007.

FIGUEIREDO, Lauro Cesar. Perspectivas de análise geográfica do patrimônio cultural: algumas reflexões. Geografia Ensino & Pesquisa, [S.l.], p. 55 -70, fev. 2013. ISSN 2236-4994.

FILIPPON, Maria Isabel. A Casa do Imigrante Italiano, a Linguagem do Espaço de Habitar. 2007. 153f. Dissertação (Mestrado em Letras e Cultura Regional) – Faculdade de Letras. Universidade de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul.

FLORÊNCIO, S. R. R (et al). Educação Patrimonial: inventários participativos. Brasília: IPHAN, 2016.

GELATTI, Roque. Casca - Ontem e Hoje. Passo Fundo: Instituto Social P. Berthier, 1985.

GONÇALVES J. O patrimônio como categoria de pensamento. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mario (Org.). Memória e patrimônio. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 21-29.

Inventário nacional de referências culturais: manual de aplicação. Apresentação de Célia Maria Corsino. Introdução de Antônio Augusto Arantes Neto. – Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2000.

LEMOS, Carlos A. C. História da Casa Brasileira. São Paulo: Contexto, 1996.

LEMOS, Carlos A. C. O que é patrimônio histórico. São Paulo: Brasiliense, 2013. Coleção Primeiros Passos; 51.

MANFROI, Olívio. (1975). Emigração e identificação cultural a colonização italiana no rio grande do sul. Estudos Ibero-Americanos, 1, 1975, p. 227-274.

MARADEI, Giovanna. Conheça Zalipie, cidade onde todas as casas têm flores pintadas à mão. 2017. Disponível em: <https://casavogue.globo.com/Arquitetura/Cidade/noticia/2017/02/conheca-zalipie-cidadeonde-todas-casas-sao-pintadas-mao.html>. Acesso em: 28 abr. 2021.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de. A cidade como bem cultural. In: V. H. Mori, M. C. de Souza, R. Bastos, H. Gallo (orgs). Patrimônio: atualizando o debate. São Paulo: 9SR/IPHAN, 2006, p. 34-53.

NORA, Pierre; AUN KHOURY, Tradução: Yara. ENTRE MEMÓRIA E HISTÓRIA: A problemática dos lugares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, [S.l.], v. 10, out. 2012. ISSN 2176-2767.

PEIXOTO, Paulo. Tudo que é Sólido se Sublima no Ar: Políticas Públicas e Gestão do Patrimônio. In: CYMBALISTA, Renato; FELDMAN, Sarah; KÜHL, Beatriz M. (Org.). Patrimônio Cultural: Memória e Intervenções Urbanas. São Paulo: Annablume, 2017. P. 17.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e Silêncio. In. Estudos Históricos. 1989/3. São Paulo. Cpdoc/FGV.

RINDOS, Irena. WYCINANKI: prduction of a non-photorealistic rendered short film. 2012. 37 f. Monografia (Especialização) - Curso de Master Degree Of Fine Arts Digital Production Arts, Clemson University, Clemson, 2012.

SANTOS, Roselys I. Correa & ANTONINI, Bianca Oliveira. LA GASTRONOMIA TÍPICA DE LA ISLA DE SANTA CATARINA – Brasil: Su identidade como atrativo para el turismo cultura. In. Estudios y Perspectivas en turismo. Vol.13. Números 1 y 2 2004. Centro de investigaciones y Estudios Turísticos. Buenos Aires. Argentina.

SCHNEIDER, Luiz Carlos; FIALHO, Daniela Marzola. Identidade, Território e Paisagem no Contexto do Ordenamento Territorial. In: VII SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, 2015, Santa Cruz do Sul. Anais do VII Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul.

TEDESCO, João Carlos; BALBINOT, Giovani. Carretas e carreteiros na Colônia Guaporé, nordeste do RS, no período de 1892-1960. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 19, p.408-436, 2014.

UNESCO. Convenção para Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial. Paris: Unesco, 2003.

VARINE. Hugues de. As raízes do futuro: O patrimônio a serviço do desenvolvimento local. Tradução de Maria de Lourdes Perreiras Horta. Porto Alegre: Medianiz, 2012.

WEBER, Regina; MALTA, Elenita. Halbwachs e a Memória: contribuição à história cultural. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 3, n. 1, p. 104-126, 2010.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

2022-01-14

Como Citar

Giglioli, A., Piccinato Junior, D. ., & Aniceto Kujawa, H. (2022). O Inventário como ferramenta de reconhecimento e preservação do patrimônio cultural das comunidades rurais de Santo Antônoi do Palma/RS, Brasil. Paranoá, (32), 1–21. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n32.2022.01