Matripotência afro-latino-americana na encruzilhada: da violência obstétrica ao racismo obstétrico

Autores

Palavras-chave:

Violência obstétrica, Interseccionalidade, Matripotência, Racismo obstétrico

Resumo

À luz de Ìyá Nlá, o estudo objetiva desvelar as disparidades raciais da violência obstétrica à mãe afro-latino-americana. Adotando a interseccionalidade como teoria social e lente crítico-analítica, busca-se analisar a relação entre os eixos de subordinação gênero, raça e classe imbricados na violência obstétrica que, na encruzilhada, pode ser traduzida como racismo obstétrico. Valendo-se do método de pesquisa qualitativa crítica e da pesquisa bibliográfica como técnica, utilizou-se um referencial teórico feminista, amefricano, interseccional e fronteiriço. Concluiu-se, por uma perspectiva afrodiaspórica, o conceito de matripotência permite enfrentar a violência e o racismo obstétrico em suas plenitudes para alcançar uma justiça feminista e antirracista.

Biografia do Autor

Christian Douglas da Silva Costa, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil

Mestrando em Direitos Humanos e Democracia pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná. Bacharel em Direito pelo Centro Universitário Autônomo do Brasil - UniBrasil. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa “Direito Internacional Crítico” da Universidade Federal de Uberlândia.

Jacqueline Lopes Pereira, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil

Doutoranda e Mestra em Direito das Relações Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná. Especialista em Direito das Famílias e Sucessões pela Academia Brasileira de Direito Constitucional - ABDConst. Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Direito Civil Constitucional – Virada de Copérnico (UFPR). Servidora pública do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná

Referências

ABREU, Graziele Azevedo; SOUZA, Josinaldo Furtado de; AZEVEDO, Regina Lígia Wanderlei de; LIMA, Flávio Lúcio Almeida. Violência obstétrica e assistência perinatal na América Latina: uma revisão integrativa. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo, v. 13, n. 1, p. 212-229, 2021. Disponível em: bit.ly/3X7AdZ3. Acesso em: 16 jun. 2023.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro/Polén, 2019.

ANDERSEN, Margaret L.; COLLINS, Patricia Hill. Race, class & gender: an anthology. 9. ed. Cengage Learning: Boston, 2015.

ANDERSEN, Margaret L.; COLLINS, Patricia Hill. Systems of power and inequality. In: ANDERSEN, Margaret L.; COLLINS, Patricia Hill. Race, class & gender: an anthology. 9. ed. Cengage Learning: Boston, 2015, p. 51-73.

BANDEIRA, Lourdes Maria. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Sociedade e estado, Brasília, v. 19, n. 2, 2014. Disponível em: bit.ly/46j6RuX. Acesso em: 21 jun. 2023.

BARBOZA, Heloisa Helena. Violência obstétrica e os direitos da pessoa transexual gestante. In: CASTRO, Thamis Dalsenter Viveiros de. (Coord.). Violência obstétrica em debate: diálogos interdisciplinares. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019, p. 1-19.

BOWSER, Diana; HILL, Kathleen. Exploring evidence for disrespect and abuse in facility-based childbirth: report of a landscape analysis. Bethesda: USAID-TRAction Project; 2010.

BRASIL. Decreto nº 4.377, de 13 de setembro de 2002. Promulga a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, de 1979, e revoga o Decreto nº 89.460, de 20 de março de 1984. Brasília, 2002a. Disponível em: bit.ly/3jEGKLt. Acesso em: 16 jun. 2023.

BRASIL. Decreto nº 4.316, de 30 de julho de 2002. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher. Brasília, 2002b. Disponível em: bit.ly/3PDdQcd. Acesso em: 3 jul. 2023.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. PL 6567/2013 Árvore de Apensados e Outros Documentos da Matéria. Disponível em: bit.ly/43ENKK2. Acesso em: 14 jun. 2023.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser. São Paulo: Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Educação da Universidade de São Paulo, 2005.

CARSPECKEN, Phil Francis. Pesquisa qualitativa crítica: conceitos básicos. Educação & realidade, v. 36, n. 2, p. 395-424, 2011. Disponível em: bit.ly/3JIRbYi. Acesso em: 4 jul. 2023.

CASTRO, Thamis Dalsenter Viveiros de. Direito ao acompanhante, violência obstétrica e poder familiar. Pensar, Fortaleza, v. 25, n. 14, p. 1-12, 2020. Disponível em: bit.ly/3CvLhFA. Acesso em: 16 jun. 2023.

COLETIVO MARGARIDA ALVES. Violência obstétrica no abortamento. 2020. Disponível em: bit.ly/3SaCP61. Acesso em: 14 jun. 2023.

COLLINS, Patricia Hill. Bem mais que ideias: a interseccionalidade como teoria social crítica. São Paulo: Boitempo, 2022.

COLLINS, Patricia Hill. Interseccionalidade. São Paulo: Boitempo, 2020.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

COMISIÓN INTERAMERICANA DE DERECHOS HUMANOS (CIDH). Informe nº 46/15. Petición 315-01. Admisibilidad. Cristina Britez Arce. Argentina. 28 de julio de 2015. Disponível em: bit.ly/3XXWwjp. Acesso em: 13 jun. 2023.

COMISIÓN INTERAMERICANA DE DERECHOS HUMANOS (CIDH). Informe nº 236/19. Caso 13.002. Fondo. Cristina Britez Arce y familia. Argentina. 6 de diciembre de 2019. Disponível em: bit.ly/40nwBDi. Acesso em: 13 jun. 2023.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS (CIDH). Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher “Convenção de Belém do Pará”. Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no vigésimo quarto período ordinário de sessões da Assembleia Geral.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE (CEPAL). “Afrodescendentes e a matriz da desigualdade social na América Latina: desafios para a inclusão. Síntese”, Documentos de Projetos (LC/TS.2021/26), Santiago, 2021.

CORTE INTERAMERICANA DE DERECHOS HUMANOS. Caso Brítez Arce y otros vs. Argentina. Sentencia de 16 de noviembre de 2022. Disponível em: bit.ly/40kEJV2. Acesso em: 13 jun. 2023.

CRENSHAW, Kimberlé. Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. University of Chicago legal forum, v. 1989, n. 1, p. 139-167, 1989. Disponível em: bit.ly/3rB0mjZ. Acesso em: 23 jun. 2022.

CRENSHAW, Kimberlé. Mapping the margins: Intersectionality, identity politics and violence against women of color. Stanford law review, v. 43, n. 6, p. 1241-1299, 1991. Disponível em: bit.ly/3PonKfy. Acesso em: 23 jun. 2023.

CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo descolonial. In: VAREJÃO, Adriana et al. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 129-146.

DAVIS, Dána-Ain. Obstetric racism: the racial politics of pregnancy, labor and birthing. Medical anthropology: cross-cultural studies in health and illness, v. 38, i. 7, p. 560-573, 2018. Disponível em: bit.ly/3Nyc5Kz. Acesso em: 30 jun. 2023.

DE BECO, Gauthier. Protecting the invisible: an intersectional approach to international human rights law. Human rights law review, v. 17, n. 4, p. 633-663, 2017. Disponível em: bit.ly/3PpQNQ3. Acesso em: 22 jun. 2023.

DEPARTAMENTO DE ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA E VIGILÂNCIA DE DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS (DAENT). Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente. Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna. 2023. Disponível em: bit.ly/3trPnhm. Acesso em: 19 dez. 2023.

DINIZ, Simone Grilo; SALGADO, Heloisa de Oliveira; ANDREZZO, Halana Faria de Aguiar; CARVALHO, Paula Galdino Cardin de; CARVALHO, Priscila Cavalcanti Albuquerque; AGUIAR; Cláudia de Azevedo Aguiar; NIY, Denise Yoshie. Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. Journal of Human Growth and Development, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 377-384, 2015. Disponível em: bit.ly/43FiJWm. Acesso em: 14 jun. 2023.

ECONOMIC COMMISSION FOR LATIN AMERICA AND THE CARIBBEAN (ECLAC). COMISSIÓN ECONÓMICA PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE (CEPAL). Bringing an end to violence against women and girls and femicide or feminicide: a key challenge for building a care society. Santiago: UN, 2022. Disponível em: bit.ly/3qRGaNn. Acesso em: 16 jun. 2023.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GARAVITO, César Rodríguez et al. Raza y derechos humanos en Colombia: informe sobre discriminación racial y derechos de la población afrocolombiana. Bogotá: CIJUS, 2009.

GARGALLO, Francesca. Feminismos desde Abya Yala. Ideas y proposiciones de las mujeres de 607 pueblos en nuestra América. Cidade do México: Editorial Corte y Confección, 2014.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/93, p. 69-82, 1988.

HARAWAY, Donna. Situated knowledges: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist studies, v. 14, n. 3, p. 575-599, 1988.

HOOKS, Bell. Teoria feminista: da margem ao centro. São Paulo: Perspectiva, 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Características gerais dos domicílios e dos moradores 2022. Rio de Janeiro: IBGE, Coordenação de Pesquisas por Amostra de Domicílios, 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2022.

KALCKMANN, Suzana et al. Racismo institucional: um desafio para a equidade no SUS? Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 16, n. 2, 2007. Disponível em: bit.ly/3JF4V6h. Acesso em: 30 jun. 2023.

KATZ, Leila; AMORIM, Melania Maria; GIORDANO, Juliana Camargo; BASTOS, Maria Helena; BRILHANTE, Aline Veras Morais. Quem tem medo da violência obstétrica? Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 20, n. 2, p. 627-631, jun. 2020.

LAWAL, Babatunde. The gẹ̀lẹ̀dé spectacle: art, gender and social harmony in an African culture. Seattle: University of Washington Press, 1996.

LEAL, Maria do Carmo; GAMA, Silvana Granado Nogueira da; PEREIRA, Ana Paula Esteves; PACHECO, Vanessa Eufrauzino; CARMO, Cleber Nascimento do; SANTOS, Ricardo Ventura. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cadernos de saúde pública, Rio de Janeiro, v. 33, s. 1, 2017. Disponível em: bit.ly/3PsUaaF. Acesso em: 23 jun. 2023.

LERNER, Gerda. A criação do patriarcado: história da opressão das mulheres pelos homens. São Paulo: Cultrix, 2019.

LIMA, Telma Cristiane Sasso; MIOTO, Regina Célia Tamasso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, v. 10, p. 37-45, 2007. Disponível em: bit.ly/3BATA2X. Acesso em: 4 jul. 2023.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: VAREJÃO, Adriana et al. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 51-81.

MACHADO, Lia Zanotta. Feminismo em movimento. 2. ed. São Paulo: Francis, 2010.

MANFRINI, Daniele Beatriz; CIMA, Rosanna. Pesquisa encarnada e ‘partir de si’: a articulação teórico-metodológica na narrativa de mulheres sobre o Ato Público ‘Somos Todxs Adelir’ (Florianópolis, 2014). Revista de história regional, n. 21, v. 2, p. 459-484, 2016. Disponível em: bit.ly/3rgxGzS. Acesso em: 4 jul. 2023.

MIGNOLO, Walter. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010.

MIGNOLO, Walter. Local histories/global designs: coloniality, subaltern knowledges, and border thinking. Nova Jérsei: Princeton University Press, 2000.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Violência e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2006.

MITTELBACH, Juliana Chagas da Silva; ALBUQUERQUE, Guilherme Souza Cavalcanti de. O racismo obstétrico no Brasil. In DAVID, Décio Franco; MACCOPPI, Jaqueline Alexandra. Violência obstétrica: perspectivas multidisciplinares. Florianópolis: Habitus, 2022.

MOREIRA, Adilson José. Tratado de direito antidiscriminatório. São Paulo: Contratempo, 2020.

MOREIRA, Matheus; FRAGA, Érica; QUEIROLO, Gustavo. Com SUS, pretos e pardos se aproximam dos brancos em longevidade em 22 estados. Folha de São Paulo, 2022. Disponível em: bit.ly/3JJduga. Acesso em: 3 jul. 2023.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Relatório Alyne da Silva Pimentel Teixeira (deceased) v. Brazil. Tradução de Juliana Fontana Moyses. Comitê CEDAW, 2011.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Prevenção e eliminação de abusos, desrespeito e maus-tratos durante o parto em instituições de saúde. Genebra: OMS, 2014.

ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD (OPAS). La salud de la población afrodescendiente en América Latina. Washington: Organización Panamericana de la Salud; 2021.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceituando o gênero: os fundamentos eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. In: VAREJÃO, Adriana et al. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. p. 85-95.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. What gender is motherhood? Changing Yorùbá ideals of power, procreation, and identity in the age os modernity. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 2015.

PARKS, Letícia; ASSIS, Odete; CACAU, Carolina (Org.) Mulheres negras e marxismo. São Paulo: Associação Operário Olavo Hansen, 2021.

PIRES, Thula; STANCHI, Malu. Racismo institucional e violência obstétrica: dispositivo sistêmico de genocídio da população negra. CASTRO, Thamis Dalsenter Viveiros de (Coord.). Violência de gênero em debate: diálogos interdisciplinares. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019, p. 209-232.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos rumos, a. 17, n. 37, p. 4-28, 2002. Disponível em: bit.ly/46okOYp. Acesso em: 28 jun. 2023.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismos e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 117-142.

REDE PARTO DO PRINCÍPIO. Violência obstétrica “Parirás com dor”. Dossiê elaborado pela Rede Parto do Princípio para a CPMI da Violência Contra as Mulheres. Brasília, 2012. Disponível em: bit.ly/3X9ghEZ. Acesso em: 14 jun. 2023.

REPÚBLICA ARGENTINA. Ley n. 25.485 de 1º de abril de 2009. Disponível em: bit.ly/3YuqxYh. Acesso em: 14 jun. 2023.

REPÚBLICA BOLIVARIANA DE VENEZUELA. Ley n. 38.668 de 23 de abril de 2007. Disponível em: bit.ly/3K43crW. Acesso em: 14 jun. 2023.

SANTOS, Cecília Macdowell; PASINATO, Wânia Pasinato. Violência contra as mulheres e violência de gênero: notas sobre estudos feministas no Brasil. Estudios Interdisciplinários de America Latina y El Caribe, Israel, v. 16, n. 1, p. 147-164, 2005.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, 1995, p. 71-99.

SEGATO, Rita Laura. Raça é signo. Série antropologia, Brasília, n. 373, 2005.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

TEIXEIRA, Ana Carolina Brochado; LEAL, Livia Teixeira. O dever de informação na relação médico-gestante como forma de garantia da autonomia existencial no parto. In: CASTRO, Thamis Dalsenter Viveiros de. (Coord.). Violência obstétrica em debate: diálogos interdisciplinares. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019, p. 129-130.

TESSER, Charles Dalcanale; KNOBEL, Roxana; ANDREZZO, Halana Faria de Aguiar; DINIZ, Simone Grilo. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Revista Brasileira de Medicina e Família e Comunidade, Rio de Janeiro, v. 10, n. 35, p. 1-12, 2015. Disponível em: bit.ly/3JbqmLZ. Acesso em: 15 jun. 2023.

UNITED NATIONS (UN). A human rights-based approach to mistreatment and violence against women in reproductive health services with a focus on childbirth and obstetric violence. Report of the Special Rapporteur on violence against women, its causes and consequences on a human rights-based approach to mistreatment and violence against women in reproductive health services with a focus on childbirth and obstetric violence, Dubravka Šimonović, A/74/137. Nova Iorque: UN, 2019.

UNITED NATIONS (UN). Communication nº 17/2008: Committee on the Elimination of Discrimination against Women, 49th session, 11-29 July 2011: views. CEDAW/C/49/D/17/2008. Nova Iorque: UN, 2011. Disponível em: bit.ly/44aHWrM. Acesso em: 3 jul. 2023.

UNITED NATIONS (UN). Resolution adopted by the General Assembly 48/104. Declaration on the Elimination of Violence against Women. A/RES/48/104. Nova Iorque: UN, 1993.

VELOSO, Roberto Carvalho; SERRA, Maiane Cibele de Mesquita. Reflexos da responsabilidade civil e penal nos casos de violência obstétrica. Revista brasileira de direitos e garantias fundamentais, Brasília, v. 2, n. 1, p. 257-277, 2016.

WIEVIORKA, Michel. O novo paradigma da violência. Tempo social, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 5-41, 1997. Disponível em: bit.ly/43TUgMT. Acesso em: 22 jun. 2023.

ZEGARRA, Mónica Carrillo. Salud sexual y salud reproductiva en el pueblo afroperuano. Lima: LUNDU, 2013.

ZORZAM, Bianca. Direito das mulheres no parto: conversando com profissionais da saúde e do direito. São Paulo: Coletivo Feminista de Sexualidade e Saúde, 2016.

Downloads

Publicado

22.03.2024

Como Citar

COSTA, Christian Douglas da Silva; LOPES PEREIRA, Jacqueline. Matripotência afro-latino-americana na encruzilhada: da violência obstétrica ao racismo obstétrico. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, 2024. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/49652. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Em Defesa da Pesquisa

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.