Racismo estrutural e violência institucional no campo da política

desafios emergentes

Autores

  • Eriane Pacheco UFRGS
  • Loiva Mara de Oliveira Machado UFRGS
  • Miriam Thais Guterres Dias UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.26512/insurgncia.v8i2.38579

Palavras-chave:

racismo estrutural; violência política; eleições municipais.

Resumo

O artigo visa refletir sobre as expressões do racismo estrutural na realidade brasileira, considerando o lócus do exercício da política, no âmbito do legislativo municipal, que para além disputa de projetos societários, vem evidenciando a violência sofrida por corpos negros/as e LGBTQIA+ que conflitam com o perfil inscrito no sistema de privilégios na forma de sociabilidade capitalista. Reconhecemos, a partir de uma abordagem crítica, inscrita no materialismo histórico dialético, a interseccionalidade na abordagem teórico-prática entre raça, classe e gênero. Sob essa perspectiva partimos da realidade de violência vivida por mulheres negras no Brasil, considerando seus agravos em tempos de pandemia da Covid-19. Na sequência buscamos elucidar o significado do racismo estrutural e da violência racial e suas repercussões no campo da política. Por fim, problematizamos algumas estratégias de enfrentamento a violência racial na política, com vistas a incidir numa pauta de lutas pela garantia de direitos humanos em tempos de barbárie.



Referências

AKOTIRENE, C. O que é Interseccionalidade? São Paulo: Pólen, 2018.

ALMEIDA, S. O que é Racismo Estrutural? Belo Horizonte: Editora Letramento, 2019.

ALMEIDA, M. S. Desumanização da população negra: genocídio como princípio tácito do capitalismo. In: Revista Em Pauta, n. 34, v. 12, p. 131- 154, 2o Semestre de 2014. Rio de Janeiro: 2014.

BRASIL, Tribunal Superior Eleitoral. Mais de 40% dos candidatos negros das Eleições Municipais 2020 foram eleitos. Disponivel em: https://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2020/Novembro/mais-de-40-dos-candidatos-negros-das-eleicoes-municipais-2020-foram-eleitos. Acesso em: 19 de jun. de 2021.

BRASIL. Lei 13.104, de 15 de março de 2015 que: Altera o art. 121 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm. Acesso em: 20 de jun. de 2021.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas. v.10 n.1, Florianópolis: jan. 2002.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

D'ÁVILA, M. Sempre foi sobre nós: relatos da violência política de gênero no Brasil. Instituto E Se Fosse Você, 2021.

DEMO, P. Política Social do Conhecimento: sobre futuros do combate à pobreza. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

HARVEY, D. Anticapitalismo em tempos de pandemia: Marxismo e ação coletiva. Boitempo, 2020.

GOES, E; RAMOS, D; FERREIRA, A. Desigualdades raciais em saúde e a pandemia de COVID-19. Trabalho, educação e saúde: mai. 2020.

HOOKS, B. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Atlas da Violência. Brasília: 2020. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=36488&Itemid=432. Acesso em: 20 de junho de 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Trabalho. 2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/27946-divulgacao-semanal-pnadcovid1.html?=&t=o-que-e. Acesso em 19/10/2020.

KILOMBA, G. Memórias da Plantação: Episódios do Racismo no Cotidiano. Trad. Jess Oliveira. 1. ed. 3ª reimp. Rio de Janeiro. Cobogó, 2020.

KONICZ, T. Crise do coronavírus: o colapso iminente. Blog da Boitempo. 26.03.2020. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2020/04/03/crise-do coronavirus-o-colapso-iminente/. Acesso em 24 de abril de 2020.

OLIVEIRA, D. Dilemas da luta contra o racismo no Brasil. In: ALMEIDA, Silvio; DEVULSKY, Alessandra; OLIVEIRA, Dennis de; Farias, Marcio; BORGES, Rosane. Marxismo e questão racial. Boitempo Editorial, 2021.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria da Segurança Pública. Observatório de Segurança Pública do RS. 2020. Disponível em: https://ssp.rs.gov.br/observatorio-de-seguranca-publica-do-estado-do-rio-grande-do-sul#:~:text=O%20Observat%C3%B3rio%20Estadual%20de%20Seguran%C3%A7a,as%20pol%C3%ADticas%20p%C3%BAblicas%20em%20desenvolvimento. Acesso em: 18/10/2020.

SAFFIOTI, I. B. S. Rearticulando gênero e classe social. In: COSTA, A. O.; BRUSCHINI, C. Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992.

Downloads

Publicado

31.07.2021

Como Citar

PACHECO, Eriane; MARA DE OLIVEIRA MACHADO, Loiva; THAIS GUTERRES DIAS, Miriam. Racismo estrutural e violência institucional no campo da política: desafios emergentes. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 7, n. 2, p. 207–223, 2021. DOI: 10.26512/insurgncia.v8i2.38579. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/38579. Acesso em: 30 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.