Saberes Indispensáveis a Práxis Educativas Antirracistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v8i1.40910

Palavras-chave:

Educação das Relações Étnico-raciais, Contribuições Freireanas, Antirracismo

Resumo

O presente artigo parte da reflexão sobre a matriz colonial do racismo e das resistências a partir da ressignificação da ideia de “raça” como elemento primordial para as lutas antirracistas. Em seguida, tomamos as contribuições de Paulo Freire (1996) para analisar as exigências indispensáveis à construção de uma práxis educativa antirracista. Percebemos que avançamos significativamente na caminhada rumo a uma sociedade mais justa e igualitária, o que nos faz esperançar que apesar de ainda não termos alcançado nosso objetivo estamos no rumo certo.

Referências

ARROYO, Miguel. Outros Sujeitos, Outras Pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei nº 9.394/96 – 24 de dez. 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1998. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm Acesso em: 10 jun. 2021.

CARDOSO, Lourenço. O branco “invisível”: um estudo sobre a emergência da branquitude nas pesquisas sobre as relações raciais no Brasil (Período: 1957-2007). [Dissertação de mestrado], Faculdade de Economia e Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, 2008.

FANON, Franz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné Bissau: Registros de uma Experiência em Processo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978b.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 22. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo. Políticas Docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011.

GROSFOGUEL, Ramon. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídio do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, Janeiro/Abril 2016.

KI-ZERBO, J. (Org.). História Geral da África, I-VIII. 2. ed. rev. Brasília: UNESCO, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder y Clasificacion Social. Journal of world-systems research, VI, 2, summer/fall 2000, p. 342-386.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais. Trad. Júlio César Casarin Barroso Silva. 3. ed. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Pesquisa e Luta por Reconhecimento e Cidadania. In: ABRAMOWICZ, Anete; SILVÉRIO, Valter Roberto. (Org.). Montando o quebra-cabeça da diversidade na escola. Campinas-SP: Papirus, 2005, p. 27-55.

WALSH, Catherine. Interculturalidad y Colonialidad del Poder: Un pensamiento y posicionamiento “otro” desde la diferencia colonial. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.). El Giro Decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p. 47-62.

Downloads

Publicado

31.01.2022

Como Citar

GUERREIRO FERREIRA, M. Saberes Indispensáveis a Práxis Educativas Antirracistas. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 8, n. 1, p. 133–146, 2022. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v8i1.40910. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/40910. Acesso em: 17 ago. 2022.