Cinema e memória urbana

documentário Estrutural e as narrativas sobre a consolidação da Cidade Estrutural ”“ DF

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i37.34235

Palavras-chave:

Memória. Território. História de Brasília.

Resumo

A aproximadamente sete quilômetros do Plano Piloto de Brasília, margeando uma das principais vias de ligação entre este e outras cidades do Distrito Federal (DF), se encontra a Cidade Estrutural. Sua história remete aos primeiros anos de existência da nova capital, quando alguns catadoras(es), enxergando na reciclagem uma forma de sustento, se estabeleceram na região. Seu processo de consolidação como cidade foi longo e complexo. O documentário Estrutural, dirigido por Webson Dias e lançado em 2016, utiliza-se de diversas fontes (fotografias, vídeos, depoimentos, peças publicitárias) para tentar entender e narrar a história dessa cidade. O presente artigo tem o intuito de tecer narrativas possíveis sobre a formação da Cidade Estrutural a partir do diálogo entre o filme de Dias e parte da produção acadêmica sobre essa ocupação urbana. Para tanto, será proposta uma articulação entre os conceitos de território, experiência e memória, entendendo como, nas intersecções desses conceitos, torna-se possível compreender as disputas políticas e territoriais representadas no documentário Estrutural e as imagens de cidade que emergem a partir dessas representações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BIANCHI, Julia. Mapa do eixo sudoeste do DF. In: Cartografia da Covid-19 e as mulheres: seguindo o rastro do vírus no DF (no prelo). Observatório amar.é.linha. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, 2020.

BOSI, Eclea. O tempo vivo da memória: Ensaios de Psicologia Social. São Paulo: Ateliê editorial, 2003.

CAMARGO, Marcella. Além do jornal: Representações fotográficas da Cidade Estrutural. (Trabalho de Conclusão de Curso). Faculdade de Comunicação ”“ Departamento de Jornalismo, Universidade de Brasília, 2013. Disponível em: https://bdm.unb.br/handle/10483/7273?mode=full Último acesso em: 21 de outubro de 2020.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: a arte de fazer. 17.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

DAVIS, Mike. Planeta Favela. São Paulo: Boitempo, 2006.

DISTRITO FEDERAL. Companhia de Planejamento do Distrito Federal. Pesquisa Distrital Por Amostras de Domicílios SCIA / Estrutural ”“ 2018. Brasília: 2019. Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2020/06/SCIA-Estrutural.pdf Último acesso em: 21 de outubro de 2020.

ESTRUTURAL. Direção de Webson Dias. Independente. Distrito Federal, 2016. (89 minutos). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=QZC5tjXxVsE Último acesso em: 15 de setembro de 2020.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: Do “fim dos territórios” Ã multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HARVEY, David. Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

HOLSTON, James. A cidade modernista: uma crítica de Brasília e sua utopia. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: PUC-Rio, 2006.

LINGUAGEM inclusiva de gênero em trabalho acadêmico. 17 de agosto de 2013. Disponível em: https://www.geledes.org.br/linguagem-inclusiva-de-genero-em-trabalho-academico Último acesso em: 21 de outubro de 2020.

MADALENA, Camila. Avaliação do Projeto Integrado Vila Estrutural ”“ PIVE. (Monografia). Departamento de Administração, Universidade de Brasília, 2012. Disponível em: https://bdm.unb.br/bitstream/10483/4091/1/2012_CamilaMagalhaesMadalena.pdf Último acesso em: 15 de setembro de 2020.

MIRANDA, Jéssica. Infraestrutura e qualidade de vida: o caso da Chácara Santa Luzia ”“ Cidade Estrutural ”“ DF. (Monografia). Departamento de Geografia, Universidade de Brasília, 2016.

ORREGO, Juan Fernando. Vila Estrutural: Uma abordagem sobre ocupação e a produção do espaço. (Dissertação de mestrado) ”“ Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, 2013. Disponível em: https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/13910/1/2013_JuanFernandoMunetonOrrego.pdf Último acesso em: 15 de setembro de 2020.

POLLICE, Fábio. O papel da identidade territorial nos processos de desenvolvimento local. In: Espaço e cultura. n.27. jan/jun 2010. Rio de Janeiro: UERJ. pp.7-23. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/espacoecultura/article/view/3539/2461 Último acesso em: 15 de setembro de 2020.]

PONTO DE MEMÓRIA DA ESTRUTURAL. Luta, resistência e conquista: uma experiência museal na Cidade Estrutural. In. Cadernos do Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina ”“ CEOM. Ano 27. n. 41 - Museologia Social. Unochapecó, 2014. pp. 373-388.

ROUSSO, Henry. A memória não é mais o que era. In: Usos & abusos da história oral. FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaina (Orgs.). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. pp. 93-101.

SANTOS, Caroline. Área de risco ou área de rico: Teorias sobre política, direito e respeito na Cidade Estrutural. 2013. (Tese de doutorado) ”“ Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília. Disponível em: https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/16674/1/2014_CarolineSoaresSantos.pdf Último acesso em: 15 de setembro de 2020.

WISNIK, Guilherme. Apresentação. In: BRAGA, Milton. O concurso de Brasília: Sete projetos para uma capital. São Paulo: Cosac Naify, 2010. pp. 06-27.

ZUKIN, Sharon. Paisagens do século XXI: notas sobre a mudança social e o espaço urbano. In: O espaço da diferença. ARANTES, Antonio (Org.). Campinas ”“ SP: Papirus, 2000. pp.104-115.

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

SAADS, L. Cinema e memória urbana: documentário Estrutural e as narrativas sobre a consolidação da Cidade Estrutural ”“ DF. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 37, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i37.34235. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/34235. Acesso em: 1 dez. 2022.