Presença e mobilidade Guarani no oeste paranaense: uma análise histórica

Autores

  • Paulo Humberto Porto Borges Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i27.14777

Palavras-chave:

território. migração. guarani.

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir as relações entre as atuais migrações de comunidades Guarani do oeste do Paraná e a questão religiosa. Na última década, somente nesta região do Paraná, ocorreram dezenas de deslocamentos indígenas Guarani, cada qual com sua característica própria, ainda que todos tenham sua origem no confinamento territorial de que este povo vem sendo vítima ”“ em especial ”“ a partir de meados do século passado. Nesse sentido, devido à completa impossibilidade de analisar de forma rigorosa cada um deles, este artigo analisará as três últimas migrações Guarani oriundas da aldeia de Ocoy, município de São Miguel do Iguaçu, sempre buscando relacionar a religiosidade Guarani e as migrações contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Rubem F. T. de. Relatório sobre a situação dos Guarani-Mbya do Rio Grande do Sul: questão de terras.Rio de Janeiro: Fundação Nacional do Ãndio, 1985 (datilografado).

ALVES, Pedro. Depoimento coletado durante o Projeto “Encontros de Cidadania: os povos indígenas e seus direitos” referente ao Programa Universidade Sem Fronteiras, elaborado e desenvolvido pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná em março de 2011 na comunidade Guarani Tekoa Vy’a Renda Potyno município de Santa Helena/PR.

BANDEIRA, Dione R. Ceramistas pré-coloniais da baía da Babitonga ”“Arqueologia e Etnicidade.1997. Tese (Programa de Pós-Graduação em Arqueologia no IFCH). Campinas: Universidade de Campinas, 1997.

BENITES, Onório.Entrevista concedida a Paulo Porto.Aldeia de Kurupa’y, município de Terra Roxa/PR, abril de 2004.

BOND, Rosana. História do caminho de Peabiru: Descobertas e segredos da rota indígena que ligava o Atlântico ao Pacífico. Aimberê:Florianópolis, 2009.

BRANCO. Fernando. Entrevista concedida a Paulo Porto.TI. Itariri. Peruíbe/SP, janeiro de 1994.

BRAND, Antonio. O confinamento e seu impacto sobre os Pãi/Kaiowá.1993. Dissertação. (Programa de Pós-Graduação em História). Porto Alegre:Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1993.

BRIGHENTI, Clovis A. Estrangeiros em sua própria terra: Presença Guarani e Estados Nacionais.Chapecó e Florianópolis: Argos/EdUFSC, 2012.

CABEZA DE VACA, Álvar N. Náufragos e comentários.Tradução: Eduardo Bueno. Porto Alegre: Col. L&PM Pocket, v.155, 1999.

CARVALHO, Edgar de Assis. Avá Guarani do Ocoí-Jacutinga, Parecer antropológico.São Paulo: Cimi Sul/CJPPR/ANAÃ-PR, 1981.

CICCARONE, Celeste. Drama e sensibilidade: migrações, xamanismo e mulheres mbya.Revista de Ãndias, v. LXIV, n. 230, p. 81-96, 2004.

CICCARONE, Celeste. A viagem anterior. In: Suplemento Antropológico, Asunção, 34, (2), p. 39-62, dez.1999.

CHAMORRO, Graciela. Os Guarani: sua trajetória e seu modo de ser. São Leopoldo: COMIM ”“Conselho de Missões entre os Ãndios, 1999.

CI -CARTAS DE INDIAS. “Cartas de Indias”.Madrid. Ed. facs. 3t. 1974 In. MELIÁ, Bartomeu. El guaraní conquistado y reducido.Asunção: Centro de Estudios Antropológicos, 1993.

CLASTRES, Helene. Terra Sem Mal: o profetismo Guarani.São Paulo: Brasiliense, 1978.

CLASTRES, Helene. Terra madura: Yvy Araguyje.Dourados: UFGD, 2008.

CONRADI, Carla Cristina. “O movimento dos Guaranide reocupação e recuperação de seus territórios no Oeste do Paraná”.In. Anais IV Congresso Internacional de História. Maringá: UEM, 2009.

CUNHA, Manuela Carneiro (org). História dos Ãndios do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

DARELLA, Maria Dorothea Post. Ore Roipota yvy Porã: Territorialização Guarani no litoral de Santa Catarina ”“Brasil. 2004. 405 f. Tese (Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais)”“São Paulo:Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2004.

FAUSTO, Carlos. “Fragmentos de história e cultura Tupinambá”. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos Ãndios no Brasil. São Paulo: FAPESP/SMC/Companhia das Letras, 1992. pp.381-396.

FRANZEN, Beatriz Vasconcelos. “As primeiras expedições portuguesas no litoral de Santa Catarina, séc. XVII (1605-1640)”. In: Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. Anais do Congresso de História e Geografia de Santa Catarina. Florianópolis: CAPES/MEC, 1997. pp. 313-322.

GARLET, Ivori. Mobilidade Mbya: história e significado. Dissertação, 1997. Programa de Pós-Graduação em História. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 1997.

GAZETA DO POVO. Jornal diário.Curitiba/PR, 2005. GAZETA DO POVO. Jornal diário.Curitiba/PR, 2008.

MELIÀ, Bartomeu. La tierra sin mal de los Guaraní: economía y profecía. Paraguay: Brasil, 1987. (mimeo.).

MELIÀ, Bartomeu. El guarani conquistado y reducido.Asunção: Centro de Estudos Antropológicos, 1993.

MELIÀ, Bartomeu. El guarani: experiência religiosa. Assunção: Cepag, 1991.

MELIÀ, Bartomeu. “A experiência religiosa guarani”. In: MARZAL, Manuel M. O Rosto Ãndio de Deus.Petrópolis: Vozes, 1989.

MONTOYA, A. R. Conquista espiritual hecha por los religiosos de la Compañía de Jesús en las provincias del Paraguay, Paraná, Urugauy y Tape. Madri. (2ª Ed. Bilbao, 1982). f.6r.tação, série VII, v. 1).

NIMUENDAJU UNKEL. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani.São Paulo: HUCITEC/EDUSP, 1987.

NOELLI, Francisco Silva. Curt Nimuendajú e Alfred Métraux: a invenção da busca da “terra sem mal”. Suplemento Antropológico, Asunção, 34, (2), p. 123-166, dez.1999.

NOELLI, Francisco Silva. A ocupação humana na região sul: arqueologia, debate e perspectivas 1872-2000.Revista USP, São Paulo (44), p. 218-269, dez/fev. 1999-2000.]

NOELLI, Francisco Silva. Por uma revisão das hipóteses sobre os centros de origem e rotas de expansão pré-históricas dos Tupi.Revista Ibero-Americana. Porto Alegre, 20 (1): 107-135, jun. 1994.

PISSOLATO, Elizabeth. Mobilidade, multilocalidade, organização social e cosmologia: a experiência dos grupos Mbya-Guarani no sudeste brasileiro. Campo Grande: Revista Tellus. nº 6, 2004.

POMPA, Maria Cristina. O profetismo Tupi-Guarani: a construção de um objeto antropológico. In: Revista de Ãndias, São Paulo: 2004.

PREZIA, Benedito. Terra a vista. São Paulo: Editora Moderna, 1992.

REVISTA VEJA. Made in Paraguai -A Funai tenta demarcar área de Santa Catarina para índios paraguaios, enquanto os do Brasil morrem de fome.Edição 1999, de 14/03/07. São Paulo: Editora Abril, 2007.

REVISTA VEJA. A farra da antropologia oportunista: Critérios frouxos para a delimitação de reservas indígenas e quilombos ajudam a engordar as contas de organizações não governamentais e diminuem ainda mais o território destinado aos brasileiros que querem produzir.05 de maio de 2010. São Paulo: Editora Abril, 2010.

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização.3aed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1974.

SCHMITZ, Pedro Ignácio; FERRASSO, Suliano. Caça, pesca e coleta de uma aldeia Guarani. In: CARBONERA, Mirian; SCHMITZ, Pedro Ignácio (Orgs.). Antes do Oeste Catarinense: arqueologia dos povos indígenas. Chapecó: Argos, 2011. p. 139-166.

SCHADEN, Egon. Aculturação Indígena. São Paulo: Pioneira Editora/EDUSP, 1969.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. 3. ed. São Paulo: EPU/Edusp, 1974.

SCHADEN, Egon. A mitologia heróica de tribos indígenas do Brasil. São Paulo: EDUSP, 1989.

SUSNIK, Branislava. Dispersión tupí-guaraní prehistórica.Ensayo analítico. Asunção: Museo Etnografico Andres Barbero, 1975

TAUNAY, Affonso de E. Em Santa Catarina Colonial.Capítulo da história do povoamento. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1930.

TIMÓTEO, Roque. Entrevista Concedida a Maria Dorothea PostDarella. Florianópolis, 2003.

TOMMASINO, Kimiye.Relatório de identificação e delimitação da Terra Indígena Guarani de Araçaí.Coordenadora e Antropóloga do Grupo Técnico constituído pela Portaria 928 ”“06/09/2000. Brasília/DF. Funai/MJ. 2001.

Downloads

Publicado

2016-04-01

Como Citar

BORGES, P. H. P. Presença e mobilidade Guarani no oeste paranaense: uma análise histórica. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 27, 2016. DOI: 10.26512/emtempos.v0i27.14777. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14777. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)