Análise tradutória de textos acadêmicos produzidos por estudantes surdos a partir da perspectiva dos diferentes níveis linguísticos categorizados pelo QCER

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v10.n1.2021.32872

Palavras-chave:

Tradução de textos acadêmicos de autores surdos. Tradução Libras – Português escrito. Pós-graduandos surdos.

Resumo

O trabalho ora proposto traz, como tema central, os processos de tradução da Língua Brasileira de Sinais - Libras ”“”“ para a Língua Portuguesa. Tem como objeto de análise textos acadêmicos escritos por pós-graduandos surdos. Busca-se apresentar e discutir as diferentes formas de registro desses textos, bem como a tradução do material. Foram analisados quatro processos de tradução de trabalhos de pós-graduação, sendo três Dissertações e uma Tese. Este estudo realizou análise de excertos, retirados dos textos produzidos por esses sujeitos, categorizados a partir do Quadro Comum Europeu de Referência para Línguas, não para comparar os sujeitos, mas, para classificar os textos dentro de diferentes níveis linguísticos de aquisição de uma segunda língua. No que tange ao suporte teórico, este estudo alicerça-se em estudos já propostos por Rigo (2016, 2018); Segala (2010) e Segala e Quadros (2015), entre outros nomes de referência para a área da surdez e da tradução. Percebeu-se que, para cada nível de produção linguística, foi necessário organizar uma estratégia diferente de tradução/adaptação linguística. Ou seja, os textos produzidos pelos usuários de Língua Portuguesa classificados como C requereram apenas adaptação linguística; já para os classificados como B foi utilizada uma combinação de adaptação linguística e tradução. Finalmente, o classificado como nível A teve necessidade de uma tradução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Penteado De David, Pesquisadora Autônoma

Mestre em Letras (2015) pela Universidade Federal de Pelotas. Especialista em Educação de Surdos (2019), Graduada em Pedagogia (2019) e Graduada em Letras Português/Espanhol (2013) pela mesma instituição. Pesquisadora Autônoma. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Tatiana Bolivar Lebedeff, Universidade Federal de Pelotas

Professora da Universidade Federal de Pelotas. Doutora em Psicologia (2002) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Educação (1993) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Especialista em Formação de Professores em Educação (2002) pela Universidade Federal do Paraná. Graduada em Educação Especial habilitação em Deficientes Auditivos. Realizou pesquisa de pós-doutorado na University College London (2015), Inglaterra, e no Montgomery County Community College (2007), EUA. Universidade Federal de Pelotas, Unidades e Cursos de Graduação, Centro de Letras e Comunicação. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. 

Referências

Almeida, D. L., Santos, G. F. D., & Lacerda, C. B. F. (2015, set./dez.). O ensino do Português como segunda língua para surdos: estratégias didáticas. Revista Reflexão e Ação, 23(3), 30-57.

Dechandt, S. B. (2006). A apropriação da escrita por crianças surdas. In R. M. Quadros. (Org.), Estudos Surdos I. Arara Azul.

Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. (2005, 23 dezembro). Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm

Fernandes, C. L., & Rosa, F. S. (2014). Tradução Acadêmica da Língua de Sinais para o Português Escrito: a urgência e emergência desse trabalho. Anais do IV Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa. Florianópolis.

Gancho, C. V. (2006). Como Analisar Narrativas (Série Princípios, 9 ed.). Ática.

Jakobson, R. (1959). On Linguistic Aspects of Translation. In R. A. Brower (Ed.), On Translation. Harvard University Press.

Klamt, M. M. (2014). Tradução Comentada do poema em Língua Brasileira de sinais: “Voo sobre o Rio”. Revista Belas Infiéis, 3(2), 107-123. https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v3.n2.2014.11285

Krusser, R. S. (2017). Design Editorial na Tradução de Português para Libras [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repositório Institucional da UFSC. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/177595

Lacerda, C. B. F. (2009). Intérprete de Libras em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. Editora Mediação.

Lebedeff, T. B. (2006). O que lembram os surdos de sua escola: discussão das marcas criadas pelo processo de escolarização. In A. da S. Thoma & M. C. Lopes. (Orgs.), A Invenção da Surdez II (1. ed., pp. 47-61). Edunisc.

Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. (2000, 20 dezembro). Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10098.htm

Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. (2002, 25 abril). Reconhece a Língua Brasileira de Sinais – Libras como meio de comunicação e expressão das comunidades surdas brasileiras. Presidência da República. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm

Marques, R. R. (2014). Os Vídeo-Registros e suas Implicações na área de Tradução em Língua de Sinais. Anais do IV Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa. Florianópolis.

MEC/GARI – Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas. Disponível em: https://www.google.com/search?sxsrf=ALeKk02yED165w87RjZEbLSk0Lf9Ff5L_w:1625411859132&source=univ&tbm=isch&q=MEC/GARI,2020+quadro+comum+europeu&sa=X&ved=2ahUKEwiYpeiD28nxAhXaHrkGHbu1DvMQjJkEegQIExAC&biw=1093&bih=526#imgrc=IA2VB0w2uz9DAM

Moita Lopes, L. P. da. (2003). Oficina de linguística aplicada. A natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas (pp. 113-124). Mercado de Letras.

Mozzillo, I. (2003, julho). Aspectos da Conversação Bilíngue Reinterpretados a partir do Princípio da Relevância. Revista ABRALIN, II(1), 51-85.

Nicoloso, S. (2010). Traduzindo Poesia em Língua de Sinais: uma experiência fascinante de verter gestos em palavras [Tradução e Interpretação de Língua de Sinais]. Cadernos de Tradução, 2(26), 307-332.

Nord, C. (2016). Análise textual em tradução: bases teóricas, métodos e aplicação didática (M. E. Zipser, Coord. de Trad. e Adaptação; Coleção Transtextos, v.1). São Paulo.

Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas – Aprendizagem, ensino, avaliação. (2001). Edições ASA. https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Basico/Documentos/quadro_europeu_comum_referencia.pdf

Quadros, R. M. (2004). O tradutor e intérprete de língua de sinais brasileira e língua portuguesa. Secretaria de Educação Especial/Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos. MEC/SEESP.

Rigo, N. S. (2015). Tradução de Libras para Português de Textos Acadêmicos: considerações sobre a prática [Estudos da Tradução e da Interpretação de Língua de Sinais]. Cadernos de Tradução, 35(2), 428-478. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p458

Rigo, N. S. (2018, junho). Tradução de Textos Acadêmicos de Português para a Língua Brasileira de Sinais: O Emprego de Elementos do Design Editorial como Soluções Tradutórias. Translatio, (15), 173-196.

Rodrigues, C. H. (2018). Translation and Signed Language: highlighting the visual-gestural modality . Cadernos de Tradução, 38(2), 94-319. http://dx.doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n2p294

Santos, L. A. dos. (2005). Considerações sobre o ensino de português como segunda língua a partir da experiência com professores Wajãpi. Cadernos de educação escolar indígena, 4(1), 149-164.

Segala, R. R. (2010). Tradução Intermodal e Intersemiótica/Interlingual: português brasileiro escrito para língua brasileira de sinais [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repositório Institucional da UFSC. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/94582

Segala, R. R., & Quadros, R. M. (2015). Tradução intermodal, intersemiótica e interlinguística de textos escritos em Português para a Libras oral [Estudos da Tradução e da Interpretação de Língua de Sinais]. Cadernos de Tradução, 35(2), 354-386. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p354

Selinker, L. (1972). Interlanguage. International Review of Applied Linguistics, 10, 209-231.

Silva, R. C. (2013). Indicadores de Formalidade no Gênero Monológico em Libras [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repositório Institucional da UFSC. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/122823

Silva, R. C. (2017, jan./jun.). Produções acadêmicas em Libras como ferramentas de política linguística das comunidades surdas brasileiras. Revista Leitura, 1(58), 107-123. https://doi.org/10.28998/2317-9945.2017v1n58p107-123

Sobral, A. (2008). Posfácio. In I. C. Benedetti & A. Sobral (Orgs.), Conversas com tradutores: balanços e perspectivas da tradução (pp. 201-214). Parábola.

Souza, S. X. (2010). Performances de Tradução para a Língua Brasileira de Sinais Observadas no Curso de Letras-Libras [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Repositório Institucional da UFSC. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/94642

Taveira, C., Rosado, A., Lemos, G. S., Furriel, M.S. (2015). Novas tecnologias na produção de monografias em Libras com alunos do INES: língua de sinais, performance surda e o uso do vídeo digital. In L. A. S. Rosado & G. M. S. Ferreira (Org.), Educação e tecnologia: parcerias (Vol. 4, p. 142-186). Editora Universidade Estácio de Sá.

Viana, J. M. (2019). Adaptação do Shape Coding para o ensino de Língua Portuguesa para surdos do sexto ano do Ensino Fundamental [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pelotas]. Repositório Institucional da UFPel. http://guaiaca.ufpel.edu.br/bitstream/prefix/4478/1/Dissertacao_Joseane_Maciel_Viana.pdf

Weininger, M. J.; Spence-Sutton, R.; Machado, F. Rigo, N.; Souza, S.X.; Heinzelmann, R. (2014). Quando Múltiplos Olhares Geram Diferentes Experiências de Tradução ao Português de um Poema em Libras: o caso de “Homenagem Santa Maria” de Godinho (2013). Anais do IV Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa. Florianópolis.

Downloads

Publicado

07-07-2021

Como Citar

DAVID, Paula Penteado De; LEBEDEFF, Tatiana Bolivar. Análise tradutória de textos acadêmicos produzidos por estudantes surdos a partir da perspectiva dos diferentes níveis linguísticos categorizados pelo QCER. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 10, n. 1, p. 01–21, 2021. DOI: 10.26512/belasinfieis.v10.n1.2021.32872. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/32872. Acesso em: 27 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.