Conhecimento histórico e tradução: notas para um estudo do De Contagione (1546), de Girolamo Fracastoro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v10.n3.2021.32801

Palavras-chave:

De Contagione. Girolamo Fracastoro. Conhecimento histórico. Tradução. Contágio.

Resumo

A luta contra as doenças e outras formas de males físicos, muitas vezes incompreensíveis e incontornáveis, confunde-se com a história da própria humanidade e, desde as primeiras civilizações, todo o conhecimento que foi sendo adquirido foi também sendo transmitido através da tradução. Este estudo, tendo como sustento a intersecção entre tradução, pandemia e “normal”, almeja trazer a experiência do médico, poeta, astrônomo e filósofo Girolamo Fracastoro (Verona, 1476/1478 – Incaffi, 1553), com o propósito de discutir algumas notas sobre sua visão de mundo no que tange especificamente ao contágio das doenças, presentes no livro I do seu tratado De contagione et contagiosis morbis et curatione [Sobre o contágio, as doenças contagiosas e o seu tratamento], publicado na Itália em 1546 e considerada a obra mais célebre do autor, produto da sua maturidade, que lhe deu o título de pai da patologia moderna. Embora ainda houvesse forte influência da medicina dos períodos anteriores, no século de Fracastoro há também notáveis evoluções nos estudos sobre o corpo humano, que começava a ser melhor compreendido devido, por exemplo, aos estudos anatômicos advindos com a dissecação de cadáveres. Ainda, é importante considerar que, para o autor, em concordância com o saber humanístico, ser médico implicava também ser filósofo, ou seja, buscar o conhecimento dos fenômenos não na metafísica, nem nas generalidades, mas na observação do meio natural. Na primeira parte é feita uma contextualização do texto, que inclui elementos biográficos do autor e do conhecimento médico do período, e na segunda parte são apresentadas as principais ideias de Fracastoro sobre o contágio das doenças. Por fim, são feitas breves considerações sobre conhecimento histórico, tradução e história da medicina e das doenças, pensadas no momento específico da pandemia do coronavirus SARS-CoV-2.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karine Simoni, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Associada II na Universidade Federal de Santa Catarina. Doutora em Literatura (2009) e mestre em História (2002) pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduada em Letras Italiano (2004) e em História (2000) pela mesma instituição. Realizou pesquisa de pós-doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2019-2020) e na Universidade Federal de Santa Catarina (2009-2010). Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Departamento de Língua e Literatura Estrangeiras. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Allamel-Raffin, C., Leplège, A., & Martire, L. Jr. (2011). História da medicina (A. Von Zuben, Trad.). Ideias & Letras. [Tradução de: Histoire de la médecine, 2008]

Bloch, M. (2001) Apologia da história ou o ofício do historiador (A. Telles, Trad.). Zahar. [Tradução de: Apologie pour l’histoire, ou, métier d’historien, 1993]

Braudel, F. (2014). Escritos sobre a história (J. Ginzburg & T. C. da Mota, Trad.; 3a ed.). Perspectiva. [Tradução de: Écrits sur l’histoire, 1969]

Darmon, P. (1985). É proibido escarrar. In J. Le Goff (Org.), As doenças têm história (Laurinda Bom, Trad.; pp. 249-253). Terramar. [Tradução de: Les maladies ont une histoire, 1985]

D’Arpizio, D. M. (2019). Dai barbieri ai chirurghi: il “bisturi” cambia di mano. In Redazione del Bo Live. Medici rivoluzionari. La scienza medica a Padova dal Duecento alla Grande Guerra (pp. 19-23). University Press.

D’Auria, F. (2019). Il poeta della sifilide e la logica del contagio. In Redazione del Bo Live. Medici rivoluzionari. La scienza medica a Padova dal Duecento alla Grande Guerra (pp. 59-64). University Press.

Fracastoro, G. (1950). Il contagio, le malattie contagiose e la loro cura (Vincenzo Busacchi, Trad., Intr. e Note). Leo S. Olschki.

Lebrun, F. (1985). Um em cada dois recém-nascidos. In J. Le Goff (Org.), As doenças têm história (pp. 221-229) (L. Bom, Trad.). Terramar. [Tradução de: Les maladies ont une histoire, 1985]

Le Goff, J. (2005). A civilização do ocidente medieval (J. R. de Macedo, Trad.). Edusc. [Tradução de: La civilisation de l’occident médiéval, 1964]

Mossé, C. (1985). As lições de Hipócrates. In J. Le Goff (Org.), As doenças têm história (L. Bom, Trad.; pp. 39-55). Terramar. [Tradução de: Les maladies ont une histoire, 1985]

Pastore, A. (2006). Il consulto di Girolamo Fracastoro sul tifo petecchiale. In A. Pastore, & E. Peruzzi (Orgs.), Girolamo Fracastoro. Fra medicina, filosofia e scienze della natura. Atti del Convegno Internazionale di studi in ocasione del 450 anniversario della morte (Verona-Padova, 9-11 ottobre 2003) (pp. 91-101). Instituto e Museo di Storia della Scienza.

Pastore, A.; & Peruzzi, E. (Orgs.). (2006). Girolamo Fracastoro. Fra medicina, filosofia e scienze della natura. Atti del Convegno Internazionale di studi in ocasione del 450 anniversario della morte (Verona-Padova, 9-11 ottobre 2003). Instituto e Museo di Storia della Scienza.

Pellegrini, F. (1952). Vita di Girolamo Fracastoro con la versione di alcuni suoi canti. Stamperia Valdonega.

Pennuto, C. (2006). La natura dei contagi in Fracastoro. In A. Pastore & E. Peruzzi (Orgs.), Girolamo Fracastoro. Fra medicina, filosofia e scienze della natura. Atti del Convegno Internazionale di studi in ocasione del 450 anniversario della morte (Verona-Padova, 9-11 ottobre 2003) (pp. 57-71). Instituto e Museo di Storia della Scienza.

Pereira, G. H., & Müller, A., Jr. (2020). Traduzir em tempos de peste e confinamento. Chamada de Publicação. Belas Infiéis. https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/announcement/view/245

Porter, R. (2008). História da medicina (G. M. G. da Cruz & S. M. de O. Leite, Trad.). Revinter. [Tradução de: The Cambridge History of Medicina, 2006]

Pouchelle, M.-C. (2002). Medicina (Mário Jorge da Motta Bastos, Trad.). In J. Le Goff & J.-C. Schmitt, Dicionário temático do Ocidente medieval. (H. Franco Jr., Coord. da Trad.; pp. 151-164). Imprensa Oficial/Edusc. [Tradução de: Dictionnaire raisonné de l’Occident médiéval, 1999]

Prete, A. (2011). All’ombra dell’altra lingua: per una poetica della traduzione. Bolatti Boringhieri.

Redazione del Bo Live. (2019). Medici rivoluzionari. La scienza medica a Padova dal Duecento alla Grande Guerra. University Press.

Rooney, A. (2013). A história da medicina (M. L. Rosa, Trad.). M. Books do Brasil. [Tradução de: The story of medicine, 2009]

Schnaiderman, B. (2015). Tradução, ato desmedido. Perspectiva.

Zampieri, F. (2019). Il fato beffardo del padre della deontologia medica. In Redazione del Bo Live, Medici rivoluzionari. La scienza medica a Padova dal Duecento alla Grande Guerra (pp. 45-51). University Press.

Downloads

Publicado

01-07-2021

Como Citar

SIMONI, Karine. Conhecimento histórico e tradução: notas para um estudo do De Contagione (1546), de Girolamo Fracastoro . Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 10, n. 3, p. 01–20, 2021. DOI: 10.26512/belasinfieis.v10.n3.2021.32801. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/32801. Acesso em: 12 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.