Luto impossível e melancolia na tradução de Memórias do Cárcere

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v10.n3.2021.31988

Palavras-chave:

Tradução literária. Mémoires de Prison. Escrita testemunhal. Graciliano Ramos. Jacques Derrida.

Resumo

Propomos urdir um paralelo entre o trabalho de luto e a cena tradutória ”“ que compreende o instante da escrita tradutória, os tradutores e o texto a traduzir ”“ partindo da leitura de Memórias do Cárcere, de Graciliano Ramos (1954), e da sua tradução em Mémoires de Prison, elaborada por Antoine Seel e Jorge Coli (1988). Seguindo o rastro do pensamento de Jacques Derrida, argumentamos que a tradução mobiliza um processo perdurável de luto pela necessária introjeção do texto “original” e, paradoxalmente, pela impossibilidade de realizar tal intento, uma vez que o outro e sua escrita não estão disponíveis em um presente resgatável. Diante da assimilação interrompida, o luto permanece aberto, prolongando-se na sua indecidibilidade e, por conseguinte, abrindo-se à condição melancólica na “ânsia desejante” pela “inexistente completude” (PERES, 2011) de uma escrita original. Na investigação da tradução da narrativa testemunhal de Graciliano Ramos para o francês, atestamos a performance enlutada dos tradutores que, no esforço de repetirem as feridas do outro encarcerado, operam a transformação da sua escrita, deixando entrever as marcas de um luto pelo original  que não é presente em si. Desse modo, os tradutores buscam se apropriar sem se apropriar completamente do outro, falar com ele sem silenciá-lo, rasurar sua escrita, sem destruí-la, contra-assinando o texto e um resto secreto e inapropriável da sua alteridade. Apreendemos vestígios dessa busca de apropriação  por meio das palavras não traduzidas, das notas explicativas que acompanham essas transcrições, dos signos que, transformados no processo tradutório, compõem a trama melancólica da escrita de Graciliano e dos tradutores; e, por fim, vemos traços dessa busca interrompida de introjeção da escrita do outro na mutação que os tradutores operam no movimento antagônico da melancolia e na linguagem elíptica e “seca” do testemunho original. Nesses gestos, os rastros de uma ferida aberta em Memórias do cárcere são relevados por Seel e Coli em Mémoires de Prison, no sentido que Derrida (2000) enreda à ação de “relevar”: suprimir e elevar, num mesmo movimento de iterabilidade (repetição e diferimento) que guarda o luto pelo outro não-presente e pela sua assinatura não-apropriável. Os dados aqui apresentados partem da análise da tradução do primeiro volume das Memórias, intitulado “Viagens”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aryadne Bezerra de Araújo, Universidade Estadual de Santa Cruz

Doutoranda e Mestre (2016) em Letras: Linguagens e Representações na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Graduada em Letras pela mesma instituição. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia Universidade Estadual de Santa Cruz, Departamento de Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagens e Representações. Ilhéus, Bahia, Brasil. Ilhéus, Bahia, Brasil.

Élida Paulina Ferreira, Universidade Estadual de Santa Cruz

Professora titular na Universidade Estadual de Santa Cruz. Doutora (2003) e Mestre (19888) em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas. Graduada em Letras (1985) pela Universidade de Brasília. Universidade Estadual de Santa Cruz, Departamento de Letras e Artes, Departamento de Letras. Campus Soane Nazaré de Andrade. Ilhéus, Bahia, Brasil.

Referências

Abraham, N., & Torok, M. (1995). A casca e o núcleo. (M. J. R. F. Coracini, Trad.). Escuta. [Tradução de: L'écorce et le noyau, 1987].

Castelo Branco, F. (2015). A democracia por vir: reconciliação e promessa entre Jacques Derrida e Jürgen Habermas. R. EMERJ, (18)67, 488-506. https://www.emerj.tjrj.jus.br/revistaemerj_online/edicoes/revista67/revista67_488.pdf.

Coli, J., & Seel, A. (1986). Um escritor que desconfia das palavras. Folha de S.Paulo, Ilustrada, 66.

Derrida, J. (1988). Mémoires pour Paul de Man. Galilée.

Derrida, J. (1991a) Margens da filosofia (J. T. Costa & A. M. Magalhães, Trad.). Papirus. [Tradução de: Marges de la philosophie, 1972].

Derrida, J. (1991b). A diferença. In Derrida, J. Margens da filosofia (J. T. Costa & A. M. Magalhães, Trad.; C.M. Cesar, Rev. téc.; pp. 33-63). Papirus.

Derrida, J. (1992). Passages – du traumatisme à la promesse. In J. Derrida, Points de suspension, entretiens (pp. 385-409). Galilée.

Derrida, J. (1995). Freud e a cena da escritura. In J. Derrida, A escritura e a diferença (M. B. M. N. da Silva, Trad.; 2ª ed.; pp. 179-226). Perspectiva. [Tradução de: L'écriture et la différence, 1967].

Derrida, J. (2000). O que é uma tradução “relevante”? (O. N. Santos, Trad.). Alfa, (44) n. esp., 13-44. [Tradução de: Qu’est-ce qu’une traduction “relevante”?, 1998].

Derrida, J. (2001). The deaths of Roland Barthes. In J. Derrida, The work of mourning (P.-A. Brault & M. Naas, Ed.; pp. 31-67). The University of Chicago Press.

Derrida, J. (2003). Béliers – Le dialogue ininterrompu: entre deux infinis, le poème. Galilée.

Derrida, J. (2007). A verdade ofensiva ou o corpo-a-corpo das línguas (E. P. Ferreira, Trad.). Especiaria: Cadernos de Ciências Humanas (10)17, 305-329. [Tradução de: La vérité blessante, ou le corps à corps des langues, 2004].

Derrida, J. (2012). Uma certa possibilidade impossível de dizer o acontecimento (P. Eyben, Trad.). Revista Cerrados, (21)33, 230-251. https://periodicos.unb.br/index.php/cerrados/article/view/26148.

Freud, S. (2011). Luto e melancolia (Marilene Carone, Trad.; pp. 41-87). Cosac Naify, 2011. [Tradução de: Trauer und melancholie, 1917].

Lages, S. K. (2002). Water Benjamin: tradução e melancolia. Edusp.

Mendonça, R. (2012). A influência africana no português do Brasil. FUNAG.

Miranda, W. M. (2009). Corpos escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago (2a ed.). Edusp.

Oliveira, A. M. A. dos S. (2014). Memória, testemunho e escrita melancólica em Memórias do cárcere e Infância, de Graciliano Ramos [Tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense].

Peres, U. T. (2011). Uma ferida a sangrar-lhe a alma. In S. Freud, Luto e melancolia. (Marilene Carone, Trad.; pp. 100-137). Cosac Naify, 2011. [Tradução de: Trauer und melancholie, 1917].

Ramos, G. (1954a). Memórias do cárcere (Vol. 1, 3ª ed.). José Olympio.

Ramos, R. (1954b) Explicação final. In G. Ramos. Memórias do cárcere. (v. 4, 3ª ed., pp. 162-164). José Olympio.

Ramos, G. (1988). Mémoires de prison (A. Seel & J. Coli, Trad.). Gallimard. [Tradução de: Memórias do cárcere, 1953].

Ramos, G. (2014). Conversas (T. M. Salla & I. Lebensztayn, Org.). Record.

Seel, A., & Coli, J. (1988). Préface. In G. Ramos, Mémoires de prison (A. Seel & J. Coli Trad.; pp. 9-16). Gallimard. [Tradução de: Memórias do cárcere, 1953].

Seel, A., & Coli, J. (1993). Quelques sentiers dans les sertões. In: E. da Cunha, Hautes Terres: la guerre de Canudos (A. Seel & J. Coli Trad.; pp. I-VII). Métailié. [Tradução de: Os sertões, 1902],

Seligmann-Silva, M. (2005). Trauma, testemunho e literatura. In M. Seligmann-Silva, O local da diferença: ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução (pp. 63-120). Editora 34.

Downloads

Publicado

01-07-2021

Como Citar

BEZERRA DE ARAÚJO, Aryadne; FERREIRA, Élida Paulina. Luto impossível e melancolia na tradução de Memórias do Cárcere . Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 10, n. 3, p. 01–21, 2021. DOI: 10.26512/belasinfieis.v10.n3.2021.31988. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/31988. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.