TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS EDUCACIONAL:

DESAFIOS DA FORMAÇÃO

Autores

  • Vanessa Regina de Oliveira Martins Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v5.n1.2016.11374

Palavras-chave:

Intérprete educacional, Libras, Surdez

Resumo

Este artigo tem como objetivo traçar meu percurso de pesquisa na área da interpretação em contexto de ensino para afirmar a ação pedagógica do tradutor e intérprete de língua de sinais educacional (TILSE), bem como, marcar os desafios atuais de formação destes profissionais uma vez que lidam com contextos complexos que envolvem a relação de aprendizagem de sujeitos surdos no cotidiano escolar. Pretende também apresentar as interações necessárias do intérprete educacional ao fazer a mediação entre conhecimentos e sujeitos (professores, alunos ouvintes e alunos surdos). Tais aspectos percorrem um novo olhar sobre a ação ética destes profissionais tomadas a partir dos estudos da filosofia da diferença, mais especificamente, em Michel Foucault, e suas contribuições às questões que envolvem a relação entre subjetividade e verdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALBRES, N.de A. Intérprete educacional: políticas e práticas em sala de aula inclusiva. São Paulo: Harmonia, 2015.

ASSIS SILVA, C. Cultura Surda:agentes religiosos e a construção de uma identidade. São Paulo: Terceiro Nome, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Especial. A Educação de surdos. Brasília: MEC/SEESP, 1997.

______. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Brasília:Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em:http://www.presidencia.gov.br/CCIVIL/LEIS/2002/L10436.htm.Acesso em: 18/01/2016

______. Decreto nº 5626 de 22 de dezembro de 2005. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em:http://www.presidencia.gov.br/ccivil/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em:18/01/2016.

______. Lei N° 12.319 de 1° de Setembro de 2010. Brasília: Presidência da República,Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htmAcesso em: 03/02/2016

CARVALHO, W.L.de. Pensar a educação a partir de Michel Foucault: do iluminismo ao cuidado de si. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

DELEUZE, G. Proust e os signos.Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FILHO, A.V. Pesquisar o cotidiano é criar metodologias. IN: Educação & Sociedade. Revista de Ciências da Educação: Inclui Dossiê: “Cotidiano Escolar”. Campinas: Cedes. Vol. 28. N.98, 2007. pp. 97-110.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. Ditos & Escritos V”“Ética Sexualidade e Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

______. História da Sexualidade II: O uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GALLO, S. Deleuze & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

LIMA, E.S. Discurso e Identidade: um olhar crítico sobre a atuação do(a) intérprete de Libras no ensino superior. Dissertação de Mestrado em Linguística. Universidade de Brasília: Brasília, 2006.

LOPES, M. C. Surdez e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MARTINS, V.R.O. Intérprete ou professor: o papel do intérprete de língua de sinais na educação inclusiva de alunos surdos.Trabalho de Conclusão de Curso de Pedagogia em Educação Especial -faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica deCampinas, 2004.

______. Educação de surdos no paradoxo da inclusão com intérprete de língua de sinais:Relações de poder e (re) criações do sujeito. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP, Campinas/SP, 2008.

______. Posição-mestre: desdobramentos foucaultianos sobre a relação de ensino do intérprete de língua de sinais educacional. Tese de doutorado defendida na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. UNICAMP, Campinas/SP, 2013.

MARTINS, V.R.O; NASCIMENTO, V.Da formação comunitária à formação universitária (e vice e versa): novo perfil dos tradutores e intérpretes de língua de sinais no contexto brasileiro. IN: RODRIGUES, C.H; QUADROS, R.M.de. (ORGs). Cadernos de Tradução. V. 35. N. 2. DLLE, UFSC: Florianópolis, 2015.

MARTINS, D.A. Trajetórias de formação e condições de trabalho do intérprete de Libras em instituições de educação superior. Dissertação de mestrado em educação. Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP):Campinas, 2009.

PAES, J. Tradução: A Ponte Necessária ”“Aspectos e Problemas da Arte de Traduzir. São Paulo: Ática, 1990.

PAGURA, R. A Interpretação De Conferências: Interfaces Com A Tradução Escrita E Implicações Para A Formação De Intérpretes E Tradutores. In: Delta. N°19, ed. Especial, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/delta/v19nspe/13.pdf Acesso em: 04/02/2016.

QUADROS, R.M.de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa.Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC; SEESP, 2004.

ROSA, A. S. A presença do intérprete de língua de sinais na mediação entre surdos e ouvintes. In Ivani Rodrigues Silva; Samira Kauchaje; Zilda Maria Gesueli (Org).Cidadania, Surdez e Linguagem. São Paulo: PLEXUS, 2003.

______. Entre a visibilidade da tradução da língua de sinais e a invisibilidade datarefa do intérprete. Dissertação de Mestrado ”“Faculdade de Educação na Universidade Estadual de Campinas, SP, 2005.

SANTOS, S. A. dos. A constituição da identidade de ILS que atuam no ensinosuperior. 2005. Proposta de qualificação (Mestrado) ”“PPGE, Universidade Federal deSanta Catarina, 2005.

SANTOS, O.P. Travessias Históricas Do Tradutor/Intérprete De Libras: De 1980 A 2010. In: Artifícios. Revista do Difere. V. 2. N.2, 2012. Disponível em: <http://www.artificios.ufpa.br/Artigos/ozivan.pdf > Acesso em: 03/02/2016.

SILVA, C. A. A. Entre a deficiência e a cultura: análise etnográfica de atividades missionárias com surdos. Tese de doutorado. São Paulo: PPGAS/USP, 2010.

TUXI, P. A atuação do intérprete educacional no ensino fundamental. Dissertação de mestrado em educação. Universidade de Brasília: Brasília, 2009.

VASCONCELLOS, M.L. Tradução e Interpretação de Língua de Sinais (TILS) na Pós-graduação: afiliação ao campo disciplinar “Estudos da Tradução”. IN: QUADROS, R.M.de. (Org). Cadernos de Tradução. V.2 N° 26, 2010.

Downloads

Publicado

12-07-2016

Como Citar

MARTINS, V. R. de O. TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS EDUCACIONAL:: DESAFIOS DA FORMAÇÃO. Belas Infiéis, Brasília, Brasil, v. 5, n. 1, p. 147–163, 2016. DOI: 10.26512/belasinfieis.v5.n1.2016.11374. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/belasinfieis/article/view/11374. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê