Instrumento de inteligência turística e tomada de decisão: o caso do Observatório do Turismo do Maranhão

  • Saulo Ribeiro dos Santos Universidade Federal do Maranhão
  • Thais Mendes Pinheiro Universidade Federal do Maranhão
Palavras-chave: Dados estatísticos. Observatório do turismo do Maranhão. Políticas públicas. Tomada de decisão.

Resumo

Em si tratando de dados estatísticos no turismo para fins de tomada de decisão e elaboração de políticas públicas, estes são decisivos para que os destinos turísticos tenham condições de ofertar novos produtos e serviços, preparando-se para atender às reais necessidades de seus visitantes. Desta forma, objetiva-se neste presente estudo relatar as experiências de trabalho do Observatório do Turismo do Maranhão como instrumento de inteligência e tomada de decisão para a elaboração de políticas públicas de turismo no estado do Maranhão. Utilizou-se de pesquisa bibliográfica e documental, e caracteriza-se como descritiva e exploratória, além do relato de experiência dos membros sobre o funcionamento e dinâmica do Observatório. Conclui-se que a criação do Observatório do Turismo do Maranhão no ano de 2017 tem criado dados até então inexistentes e atualizado outros, de forma a contribuir com o fortalecimento dos polos turísticos do Maranhão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thais Mendes Pinheiro, Universidade Federal do Maranhão

Bacharel em Turismo e Administração. Supervisora de Serviços Turísticos da Secretaria de Turismo do Maranhão. Vice Coordenadora do Observatório do Turismo do Maranhão.

Referências

Referências

Aaker, J. (2007). Dimensions of Brand Personality. Journal of Marketing Research, 34(3), p. 347-357.

Agencia Aysen (2009). Diseño de modelo de observatorio turístico Aysén. Informe final. Guazzini Consultoria.

Blasco Franch, Dani; Cuevas Contreras, Tomá. (2013). Observatorio en Turismo: organismo inteligente para la toma de decisiones en el destino. Revista Iberoamericana de Turismo-RITUR, 3 (2), p.25-34.

Boes, Kim; Buhalis, Dimitrious; Inversini, Alessandro. (2015). Conceptualising Smart Tourism Destination Dimensions. In: I. Tussyadiah, A. Inversini (eds.). Information and Communication Technologies in Tourism. Springer International Publishing Switzerland.

Butler, Richard William. (2008). Tourism: an evolutionary perspective. In: Nelson, James Gordon; Butler, Richard William; Waterloo, Geofray Wall (Orgs.). Tourism and sustainable development: monitoring, planning, managing. Ontario: University of Waterloo.

Castells, M. (2000). A era da informação: economia, sociedade e cultura. In: A Sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1.

Cohen, B. (2011). Smart cities wheel. Recuperado de: < http://www.boydcohen.com/smartcities.html>. Consultado em: 06 abr. 2019.

Crouch, G. I.; Ritchie, J. R. B. (1999). Tourism, Competitiveness, and Societal Prosperity. Journal of Business Research, 44(3), p.137-152.

Domareski-Ruiz, Thays Cristina; Gândara, José Manoel G.; Chim-Miki, Adriana Fumi. (2015). Destinos turísticos como territórios de inovação: análise dos vetores de competitividade urbana à luz dos pressupostos sugeridos pela união europeia, por meio do relatório “state os european cities”. Revista Turismo - visão e ação, 17(3), set. - dez.

Framke, W. (2002). The destination as a concept: a discussion of the business-related perspective versus the social – cultural approach in tourism theory. Scandinavian Journal of Hospitality and Tourism, 2 (2), p.92-108.

Gil, Antônio Carlos. (2006). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. São Paulo: Atlas.

Hielkema, H., & Hongisto, P. (2012). No developing the Helsinki smart city: The role of competitions for open data applications. Journal of Knowledge Economy, 4, 190–204.

Hjalager, A. M. (2002). Repairing innovation defectiveness in tourism. Tourism Management, 23(5), p. 465-474.

Jamal, T.; Jamrozy, U. (2006). Collaborative networks and partnerships for integrated destination management. In: D. Buhalis; C. Costa (eds.). Tourism management dynamics: trends, management, and tools. Amsterdam: Elsevier, pp. 164–172.

Luque Gil, Ana María; Zayas Fernández, Belén; Caro Herrero, José Luis. (2015). Los destinos turísticos inteligentes en el marco de la inteligencia territorial: conflictos y oportunidades. Investigaciones Turísticas, 10, jul./dez., p. 1-25.

Maranhão. (2012). Governo do Estado. Plano Estratégico de Turismo do Estado do Maranhão: Plano Maior 2020 – Relatório final. São Paulo: Chias Marketing.

Marco Lajara, B.; García Lillo, F.; Sabater Sempere, V. (2009). Metodología a seguir para la creación y desarrollo de un Observatorio Turístico de la Provincia de Alicante, III Congreso Internacional de Turismo de Leiria y Oeste (Portugal). Recuperado de: <http://rua.ua.es/dspace/bitstream/10045/16569/1/LEIRIA-COMUNICACION.pdf>. Consultado em: 01 jun. 2019.

Mtur – Ministério do Turismo. (2012). Plano nacional de turismo: o turismo fazendo muito mais pelo Brasil 2013-2016. Brasília, DF.

Mtur – Ministério do Turismo. (2018). Plano nacional de turismo: o turismo fazendo muito mais pelo Brasil 2018-2022. Brasília, DF.

Observatório do Turismo do Maranhão. (2017). Projeto de criação do Observatório do Turismo do Maranhão. São Luís: UFMA.

Observatório do Turismo do Maranhão. (2019). Pesquisas e documentos. Recuperado de: . Consultado em: 20 jun. 2019.

Pearce, D. (2014). Toward an Integrative Conceptual Framework of Destinations. Journal of Travel Research, 53(2), p.141– 153.

Salvado Alves, A. J. F. (2008). A competitividade dos territórios num contexto de globalização: uma utopia ou uma realidade? Congresso Português de Sociologia.

Santos, S. R. dos. (2016). Revisitando conceitos sobre políticas públicas e gestão do turismo em cidades. Revista de Turismo Contemporâneo. 4(2), jul./dez., p. 286-306.

Séde-Marceu, M.H. de (2002): Géographie, territories et instrumentation: etat de lieux, reflexions épistémologiques et perspectives de recherche. Mémoire de

Habilitation. Université de Franche-Comté, Laboratoire THEMA, Inédito.

Segittur. (2013). Destinos turísticos inteligentes. Recuperado de:

<http://www.segittur.es/opencms/export/sites/segitur/.content/galerias/descar gas/documentos/Presentacin-Destinos-Tursticos-Inteligentes.pdf>. Consultado em: 20 mar. 2019.

Todorov, I. (1979). As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva.

Unwto – World Tourism Organization. (2017). Red de observatorios del turismo sostenible de la OMT. Recuperado de: <http://www.tourism4development2017.org/es/noticias/red-de-observatorios-del-turismo-sostenible-de-la-omt/>. Consultado em: 02 jun. 2019.

Vera, J.F; López, F.; Marchena, M.J.; Antón, S. (2011). Análisis Territorial del Turismo y Planificación de Destinos Turisticos. Valencia.

Vergara, Sylvia Constant. (2004). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5. São Paulo: Atlas.

Yin, Robert K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Publicado
2019-07-30
Como Citar
Santos, S., & Pinheiro, T. (2019). Instrumento de inteligência turística e tomada de decisão: o caso do Observatório do Turismo do Maranhão. Cenário, 7(12), 10 - 24. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v7i12.25543
Seção
Artigos