Turismo, Informação e sentido

reflexões acerca da aplicação da Teoria do Sense-Making no turismo e da necessidade de ir além

  • Juliana Medaglia Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM
  • Carlos Eduardo Silveira, Sr. Universidade Federal do Paraná https://orcid.org/0000-0002-1414-1096
Palavras-chave: Palavras-chave: turismo; informação; informação em turismo; sense-making.

Resumo

A relação entre turismo e informação acontece de maneira essencial para o desenvolvimento da atividade turística, quer seja nas escolhas de viagens dos turistas (informação turística) ou especialmente no âmbito da tomada de decisão dos policymakersdo turismo de determinada localidade (informação em turismo). A partir dessa reflexão, apresenta-se a Teoria do Sense-Makingde Dervin (1983), cuja colaboração para o turismo é encontrada no fato de trabalhar a partir de abordagem cognitiva do usuário e sua relação com a informação. Tal abordagem aponta para possibilidades que se abrem no sentido de avanços na relação da informação gerada na academia e desenvolvimento do mercado turístico, no âmbito da criação de sentido para todos os possíveis usuários envolvidos, colaborando dessa forma, para o desenvolvimento turístico das localidades.

Palavras-chave:turismo; informação; informação em turismo; sense-making.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acerenza, M. Á. (1991). Administración del turismo. Ciudade do México/México: Trillas.
Alcázar Martínez, B. del. (2002). Los canales de distribución en el sector turístico. Madrid/Espanha: ESIC Editorial.
Araújo, C. A. Á.; Pereira, G. A. & Fernandes, J. (2009). A contribuição de B. Dervin para a Ciência da Informação no Brasil. In: Encontros Bibli. Florianópolis, v. 14, n. 28, p.57-72, 2009. DOI 10.5007/1518-2924.2009v14n28p57, Acesso em: 07 mar.2017.
Andrade, J. V. de. (1995). Turismo: fundamentos e dimensões. (2.ed.) São Paulo: Editora Ática.
Boullon, R. (2002). Planejamento do espaço turístico. Bauru: Edusc.
Cacho, A. N. B. & Azevedo, F. F. (2010, agosto) O turismo no contexto da sociedade informacional. In: Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. v. 4, n. 2, p. 31-48. Recuperado de: .
Capurro, R. (2003). Epistemologia e ciência da informação. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência Da Informação, Belo Horizonte/MG: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação e Biblioteconomia.
________ & HJORLAND, B. (2007, janeiro, abril). O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12, n.1, p. 148-207. Recuperado de: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/54.
Cohen, D. M. (1995). O consumidor da informação documentária: o usuário de sistemas documentários visto sob a lente da análise documentária. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo.
Costa, C. A. de. (2000). Aplicação da Abordagem Sense-Making no Estudo do Comportamento Informacional de Pesquisadores de um Instituto de Pesquisa Tecnológica. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.
Cooper, C., Michael Hall, C., & Trigo, L. G. G. (2011). Turismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Elsevier.
De Lucca Filho, V. (2005). Estudo do fluxo de informações em centros de informações turísticas de Santa Catarina: programa portais do lazer. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Dervin, B. (1983, maio). An overview of Sense-Making research: concepts, methods, and results to date. In: International Communication Association annual meeting. Dallas/EUA. Recuperado de: https://www.ideals.illinois.edu/bitstream/handle /2142/2281/Dervin83a.htm.
Gonçalves, M. (2012, janeiro, junho). Abordagem Sense-Making na Ciência da Informação: uma breve contextualização. In: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Campinas, v.9, n.2, p.1-11. Recuperado de: http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/sbu_rci/index.
Guerra, A. C., Gosling, M., & Coelho, M. de F. (2014, setembro, dezembro). Redes Sociais: um jornal on-line como fonte de informação especializada em turismo. In: Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. v.8, n.3, p.403-418. Recuperado de: http://www.rbtur.org.br/rbtur/article/view/800/649.
Linares Columbié, R. (2010). Epistemología y ciencia de la información: repensando un diálogo inconcluso. In: Acimed, 21 (2) 140-160. Recuperado a partir de: scielo.sld.cu.
Lohmann, G., Panosso Netto, A. (2008). Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. São Paulo: Aleph.
xxxxxxx, Ortega, C. D. (2015, setembro). Mediação da Informação em Turismo: um estudo introdutório. In: InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 126-147. Recuperado de: https://www.revistas.usp.br/incid/article/download /89926/103991.
xxxxxxx. (2017). Os desafios do uso qualificado da informação em turismo: o caso da pesquisa de demanda turística real de Diamantina/MG. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Xxxxx, xxxxx. (2014). Perfil da demanda turística real de Diamantina e região: características da viagem, motivações, percepções e expectativas. Diamantina: UFVJM.
Moreira, F. M. & Bax, M. P. (2016, janeiro/julho). O papel da arquitetura da informação na produção de sentidos pela abordagem Sense-Making. In: Revista Analisando em Ciência da Informação. vol. 4, n1, p. 6-25. Recuperado a partir de: http://racin.arquivologiauepb.com.br/edicoes/v4_n1/racin_v4_n1_artigo01.pdf
Minayo, M. C. de S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (14a ed). São Paulo: Hucitec.
Neves, A. J. W. A. das; Biz, A. A., & Bettoni, E. M. (2012, março, abril). Creación de itinerarios turísticos en el municipio de Curitiba (PR-Brasil). Estudios y Perspectivas em Turismo, 21, 388-401. Recuperado a partir de http://www.estudiosenturismo.com.ar/PDF/V21/N02/ v21n2a07.pdf.
Petrocchi, M. (2001). Gestão de pólos turísticos. São Paulo: Futura.
Richardson, R J. (2012). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3.ed. – 14.reimpr.). São Paulo: Atlas.
Robredo, J. & Cunha, M B. da. (1994). Documentação de hoje e amanhã: uma abordagem informatizada da biblioteconomia e dos sistemas de informação. (2a.ed.) São Paulo: Global.
Rocha, S G. (2006). A representação documentária de informações estatísticas: quando a ordem dos fatores altera o produto. São Paulo, 2006. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo.
Rozados, H. B. F. (2003, janeiro, junho). A Ciência da Informação em sua aproximação com as Ciências Cognitivas. In: Em Questão, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 79-94. Recuperado a partir de: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/viewFile/62/22
Smit, J.W. (2012, julho, dezembro). A Informação na Ciência da Informação. In: InCID: Revista da ciência da informação e documentação, Ribeirão Preto, v.3, n.2, p.84-101. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/incid/article/view/48655. Acesso em: 03 mar.2013.
Venâncio, L.S, Nassif, M. E. (2008, outubro). O comportamento de busca de informação sob o enfoque da cognição situada: um estudo empírico qualitativo. Ciência da Informação. Brasília, v.37.n. 1. p.95-106. Recuperado de: http://revista.ibict.br/ciinf/issue/view/95/showToc Acesso em 18 set.2017.
Publicado
2018-12-19
Como Citar
Medaglia, J., & Silveira, C. E. (2018). Turismo, Informação e sentido. Revista Cenário, 6(11). https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i11.19444
Seção
Artigos