“Que nossa gula o quer na frente e atrás”

práticas sexuais destoantes na literatura de Pietro Aretino

  • Alloma Noara Pereira Modzelewski UFPR - Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Práticas sexuais, Pietro Aretino, Anacronia

Resumo

O presente trabalho tem como finalidade discutir as práticas sexuais, no que tange, principalmente, as práticas não normativas, apresentadas por Pietro Aretino nas obras Pornólogos I (1534) e Sonetos Luxuriosos (1525). Os textos de Aretino apresentam diferentes práticas sexuais, algumas inclusive não condizem com a estrutura social vigente, fortemente cercada pelas concepções cristãs. Para essa análise se faz necessário algumas reflexões frente aos estudos relacionados a sexualidade, sobretudo com Paul B. Preciado. Mas também sobre a anacronia, a partir de Rancière e Didi-Huberman, visto que a pretensão desse trabalho intenta em compreender tais práticas consideradas “fora da norma” que circundam entre passado e presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARETINO, Pietro; LARIVAILLE, Paul. Nel cinquecentenario della nascita, tomo I, Roma: Salerno Editrice, 1995.
ARETINO, Pietro. Sonetos Luxuriosos. Tradução de José Paulo Paes. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
________. Pornólogos. Tertúlia entre Nanna e Antonia transcorrida em Roma sob uma figueira composta pelo Capricho do Divino Aretino sobre os Três Estados da Mulher. São Paulo: Degustar, 2006.
BATAILLE, Georges. O erotismo. São Paulo: LPM, 1987.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1994.
BURCKHARDT, Jacob. A cultura do renascimento na Itália: um ensaio. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
CARNEIRO, Henrique. Amor, sexo e moral medico-clerical na época moderna. Revista de História, São Paulo n.132,1995.
CHAUÍ, Marilena. Repressão Sexual: Essa nossa (des)conhecida. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.
DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 1998.
________. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das imagens. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015.
FINDLEN, Paula. Humanismo, política e pornografia no Renascimento italiano. In: HUNT, L. (org.) A invenção da pornografia: obscenidade e as origens da Modernidade, 1500-1800. São Paulo: Hedra, 1999.
FLANDRIN, Jean-Louis. O sexo e o Ocidente. São Paulo: Brasiliense, 1988.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2: O uso dos prazeres. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.
________. História da sexualidade 1: A vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

HUNT, Lynn. A Invenção da Pornografia. 1.ed. São Paulo: Hedra, 1999.
LAPEIZ, Sandra; MORAES, Eliane. O que é pornografia. São Paulo: Círculo do Livro, 1984.
LEITE, Jorge. Das maravilhas e prodígios sexuais: a pornografia “bizarra” como entretenimento. São Paulo: Annablume, 2006.
MAINGUENEAU, Dominique. O discurso pornográfico. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.
PESAVENTO, Sandra. História & História Cultural. 3º Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.
PRECIADO, Paul. Manifesto Contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.
RANCIÈRE, Jacques. O conceito de anacronismo e a verdade do historiador. In: SALOMON, Marlon (org.). História, verdade e tempo. Chapecó, SC: Argos, 2011.
________. Os nomes da história: ensaio de poética e saber. São Paulo: Editora Unesp, 2014.
VAINFAS, Ronaldo. Casamento, amor e desejo no ocidente cristão. São Paulo: Ática, 1986.
VAN USSEL, Jos. Repressão sexual. Rio de Janeiro: Campus, 1980.
Publicado
2018-11-24
Como Citar
Modzelewski, A. (2018). “Que nossa gula o quer na frente e atrás”. História, Histórias, 6(12). https://doi.org/10.26512/hh.v6i12.19277