COMPETÊNCIA TECNOLÓGICA PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS NAS AULAS DE FÍSICA

Autores

  • Silvio Luiz Rutz da Silva Departamento de Física, MNPEF (Polo35 – UEPG), Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • André Maurício Brinatti Departamento de Física, MNPEF (Polo35 – UEPG), Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • André Vitor Chaves de Andrade Departamento de Física, MNPEF (Polo35 – UEPG), Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

DOI:

https://doi.org/10.26512/rpf.v1i1.46016

Palavras-chave:

Tecnologia Educacional. Experimentação. Ensino. Aprendizagem. Recursos Educacionais Abertos.

Resumo

Neste trabalho, apresentamos uma proposta de intervenção didática que contempla experimentos visuais e experimentos simulados com o uso de recursos tecnológicos. Faz-se uma análise de conteúdo e de contexto de uma disciplina de pós-graduação que contemplou a realização de oito atividades experimentais. A questão problema neste relato é como organizar atividades experimentais para incorporar recursos tecnológicos? O objetivo é desenvolver competências para a integração de recursos tecnológicos na experimentação por professores de física, trazendo para isso alguns exemplos. Como resultado temos que não há por que renunciar à realização de atividades experimentais, primeiro pela disponibilidade de grande número de tecnológicas digitais educativas; como segundo ponto destacamos que tais modalidades de atividades experimentais possibilitam introduzir o ensino com bases experimentais, mesmo em condições que aparentemente sejam pouco favoráveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALVES FILHO, J. de P. Regras da transposição didática aplicadas ao laboratório didático. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 17, n. 2, p.174-188, ago. 2000.

AQUINO, C. C. F; AQUINO, J. C. F; CAETANO, L. M. D. Referenciais internacionais de competências digitais para formação docente: desafios ao contexto brasileiro. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar. Mossoró, v. 8, n. 26, 2022.

http://dx.doi.org/10.21920/recei72022826546559

BRASIL. Ministério da Educação: Conselho Nacional de Educação: Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 3, de 21 de novembro de 2018: Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, p. 21, 22 de novembro de 2018, Seção 1.

BRASIL. Ministério da Educação: Conselho Nacional de Educação: Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1, de 27 de outubro de 2020: Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais [...]. Diário Oficial da União, Brasília, p. 103, 29 de outubro de 2020, Seção 1.

CARVALHO, P. S.; SOUSA, A. S. e; PAIVA, J.; FERREIRA, A. J. Ensino experimental das ciências: uma guia para professores do ensino secundário física e química. Série Para Saber, 26. Porto, U. Porto editorial, 2012.

DOMÍNGUEZ, S. F. As experiências em química. São Paulo, EDART, 1975.

FORÇA, A. C.; LABURÚ, C. E.; DA SILVA, C. H. M. Atividades experimentais no ensino de física: teoria e práticas. Anais do VIII Encontro Nacional de Pesquisa. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 5-9 de dezembro de 2011.

FERREIRA, N. C. Proposta de laboratório para a escola brasileira.1978. Dissertação de Mestrado. FEUSP-IFUSP, São Paulo, 1978.

GIRAFFA, M. M. L.; MORAES, C. M.; MACHADO, J. M. Cenário atuais das tecnologias digitais na educação básica. In: DANTAS, G. L.; MACHADO, J. M. (Orgs.). Tecnologias e educação: Perspectivas para gestão, conhecimento e prática docente. 2ª Edição. São Paulo: FDD Editora. Parte I, p.19-30, 2015.

GOMES, L. L.; MOITA, F. M. G. S. C. (2016) O uso do laboratório de informática educacional: partilhando vivências do cotidiano escolar. In: SOUSA, R.P., et al., orgs. (Org.). Teorias e Práticas em Tecnologias Educacionais. 1.ed.Campina Grande PB: EDUEPB, v. 6, p. 151-174, 2016.

HODSON, D. Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de Las Ciências, v. 12, n.3, p. 299-313, 1994.

MISHRA, P.; KOEHLER, M. J. Technological Pedagogical Content Knowledge: A Framework for Teacher Knowledge. Teachers College Record. Volume 108, Number 6, p. 1017–1054, June 2006.

LABURÚ, C. E. Seleção de experimentos de física no ensino médio: uma investigação a partir da fala dos professores. Investigação em Ensino de Ciências, v. 10, n. 2, a2, 2005.

ROSITO, B. A. O ensino de Ciências e a experimentação. In: MORAES, R. Construtivismo e Ensino de Ciências: Reflexões Epistemológicas e Metodológicas. 2 ed. Porto Alegre: Editora EDIPUCRS, p.195-208, 2003.

SALVADEGO, W. N. C. A atividade experimental no ensino de Química: uma relação com o saber profissional do professor da escola média. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – UEL, Londrina., 2008.

SEED. Diretrizes Curriculares de Física para a Educação Básica. Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Curitiba – PR, 2008.

SILVA, S. L. R. da; BRINATTI, A. M.; ANDRADE, A. V. C. de. Atividades experimentais para a educação básica: o exemplo da prática. Tecné, Episteme y Didaxis: TED, Extraordin, 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-07

Como Citar

RUTZ DA SILVA , S. L.; BRINATTI, A. M.; CHAVES DE ANDRADE , A. V. COMPETÊNCIA TECNOLÓGICA PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS NAS AULAS DE FÍSICA. Revista do Professor de Física, [S. l.], v. 6, n. Especial, p. 533–543, 2022. DOI: 10.26512/rpf.v1i1.46016. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rpf/article/view/46016. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Anais do Encontros Integrados em Física e Seu Ensino 2022