Políticas de gestão de pessoas aplicadas no setor de recepção de redes hoteleiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v8i15.29393

Palavras-chave:

Políticas de gestão. Redes hoteleiras. Setor de recepção. João Pessoa.

Resumo

O presente artigo analisou as políticas de gestão de pessoas de quatro redes hoteleiras da cidade de João Pessoa – PB, tendo em vista que as políticas de gestão de pessoas são responsáveis pela qualificação e motivação dos colaboradores e refletem na forma como estes desempenham o trabalho. Realizou-se um estudo de múltiplos casos utilizando como instrumento de coleta de dados questionários aplicados com gestores e recepcionistas. Os resultados da pesquisa permitiram concluir que existem políticas de gestão de pessoas implantadas nos estabelecimentos e que a maioria são bem recebidas e percebidas pelos colaboradores. Registra-se também que os gestores apontaram que a formação em línguas estrangeiras tem sido a habilidade mais procuradas pelos gestores para o cargo de recepção, seguido por boa comunicação, proatividade, noções de administração e informática operacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Dutra Leão de Menezes, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutora em Humanidades y Artes (Educação) pela Universidad Nacional de Rosario (UNR), Professora do Departamento de Turismo e Hotelaria (DTH) - CCTA -UFPB.

Danila Kássia de Lima Lopes, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduanda do curso de Hotelaria da Universidade Federal da Paraíba – UFPB.

Referências

ABNT. (2004). Turismo – Chefe de recepção - Competência de pessoal. Competência. NBR 15042, ABNT: Rio de Janeiro. p. 2.
ABNT. (2004). Recepcionista que atua em função especializada - Competência de pessoal. Competência. NBR 15036, ABNT: Rio de Janeiro. p. 2.
ABNT. (2004). Recepcionista em função polivalente - Competência de pessoal. Descrição da ocupação. NBR 15035, ABNT: Rio de Janeiro. p. 1.
Aldrigui, M. (2007). Meios de hospedagem. Aleph.
Argenti, P. A. (2006). Comunicação Empresarial: A Construção da Identidade, Imagem e reputação. 4ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier.
Brasil. Presidência da República. (2008). Lei Nº 11.771, de 17 de setembro de 2008. Recuperado de: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11771.htm Brito, O. M. (2011). Influência de um Programa de Sugestões na Melhoria da Qualidade em um Processo Industrial no Polo Industrial de Manaus. Mestrado Profissional em Engenharia Elétrica. Universidade Federal do Pará.
Chiavenato, I. (2003). Introdução à teoria geral da administração. 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier.
Chiavenato, I. (2004). Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier.
Chiavenato, I. (2008). Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier.
Chiavenato, I. (2010). Gestão de Pessoas. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier.
Duarte, V. V. (2005). Administração de Sistemas Hoteleiros: Conceitos Básicos. 3.ed. São Paulo: Editora Senac.
Dutra, J. S. (2001). Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. – São Paulo: Editora Gente, 2001.
Dutra, J. S. (2002). Gestão de Pessoas: modelo, processo, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.
Dutra, J. S. (2004). Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas.
Fayol, H. (1990). Administração Industrial e Geral. 10 ed. São Paulo: Atlas.
Feigenbaum, A. V. (1994). Controle da Qualidade Total. São Paulo: Malcron Books.
Fernandes, E. C. (1996). Qualidade de Vida no Trabalho: como medir para melhorar. 2ed. Salvador: Casa da Qualidade.
Fiuza, G.D. (2008). Desenvolvimento e Validação da Escala de Percepção de Políticas de Gestão de Pessoas (EPPGP). Revista de Administração Mackenzie.Set.; 9(6):77-101.
Fleury, A., & Fleury, M. T. L. (2007). Estratégias Empresariais e Formação de Competências: Um Quebra Cabeça Caleidoscópico da Indústria Brasileira. 3.ed. 3ª reimpr. São Paulo: Atlas.
França, A. C. L. (2009). Práticas de recursos humanos – PRH: conceitos ferramentas e procedimentos. 1 ed., 3 reimpr. São Paulo: Atlas.
Furbino, M. (2019). Plano de Carreira: sua empresa tem que fazer um! Recuperado de: https://administradores.com.br/artigos/plano-de-carreira-sua-empresa-tem-que-fazer-um
Gondim, C. B., Rodrigues, J. J., & Silva, J. O. da (2015). Desenvolvimento de Competências na Hotelaria: Um Estudo Nos Setores de Recepção e Reservas em Hotéis na Orla de João Pessoa – PB. In: Anais Fórum internacional de Turismo do Iguassu.
Höpner, A. (2008). Políticas de recursos humanos e qualidade de vida no trabalho em redes hoteleiras.
Lucena, M. D. S. (1990). Planejamento de recursos humanos. São Paulo: Atlas.
Petrocchi, M. (2007). Hotelaria: Planejamento e Gestão. São Paulo: Pearson Prentice Hall.
Pinho, J. B. (2006). Comunicação nas organizações. Viçosa: UFV.
Ribeiro, K. C. C. (2011). Meios de hospedagem.
Rigaud, R. P. (2018). Remuneração estratégica - cargos e salários. Recuperado de: https://administradores.com.br/artigos/remuneracao-nas-organizacoes
Weiss, C. A. (2006). Manual de treinamento e desenvolvimento: processos e operações. São Paulo, Pearson, p. 117-126.

Publicado

2020-10-27

Como Citar

Dutra Leão de Menezes, P., & Kássia de Lima Lopes, D. (2020). Políticas de gestão de pessoas aplicadas no setor de recepção de redes hoteleiras . Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 8(15), 41 - 63. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v8i15.29393

Edição

Seção

Artigos