O turismo para a comunicação ou a comunicação para o turismo?

Quem consome quem?

Autores

  • Natalia de Sousa Aldrigue Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i10.18761

Palavras-chave:

Turismo. Comunicação. Midiatização. Circulação.

Resumo

Este artigo está inserido no contexto do turismo e da midiatização, ou seja, neste novo cenário comunicacional em que o campo dos mídia estão atravessando todos os demais campos sociais (inclusive o turismo), e por eles sendo atravessados. Nesta perspectiva, as práticas turísticas que estão em constante crescimento, têm utilizado dessas estratégias comunicacionais para fazer valer cada vez mais o seu discurso, fazendo com que, muitas vezes, o turista (ator amador) seja o próprio propagador da atividade (ator especialista) através de blogs, sites ou fanpages. Esta ambiência da comunicação está proporcionando uma nova forma de se fazer turismo, em que observamos a quebra de fronteiras entre os campos e uma comunicação turística circular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia de Sousa Aldrigue, Universidade de Brasília

Turismóloga e Publicitária. Doutora em Comunicação pela Universidade vale do Rio dos Sinos em São Leopoldo, Rio Grande do Sul. Atualmente, Professora Adjunta do Centro de Excelência em Turismo na Universidade de Brasilia em Brasília, Distrito Federal.

Referências

BACHELARD, G. A epistemologia. Lisboa: Ed. 70, 1981.

BAUMAN, Z. De la vida en un mundo moderno líquido. In: Vida líquida. Barcelona: Paidós Ibérica, 2006.

BOURDIEU, P. Metodologia da pesquisa na sociologia. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

BRAGA, J. L. Sobre “mediatização” como processo interacional de referência. GT Comunicação e Sociabilidade, 15 Encontro Anual da Compós, Bauru: junho de 2006.

___________. Constituição do campo da comunicação. In: Verso e Reverso, v. 25, n 58. São Leopoldo: Unisinos, 2011/1.

________________. Interação como contexto da comunicação. In: XXI Encontro da Compós, UFJF, Juiz de Fora, MG, em junho de 2012.

BRETON, P; PROULX, S. A Comunicação: uma ideologia de consonância utópica. In: Sociologia da comunicação. São Paulo: Loyola, 2002.

FANLO, L. G. Twitter y la rebelión de los ciberfans de Gran Hermano 2.0. Buenos Aires: Futuribles, 2011.

FAUSTO NETO, A. Será que ele é¿ A midiatização de um discurso proibido. São Leopoldo, UNISINOS, 2006.

________________. Contratos de leitura: entre regulações e deslocamentos. In: Revista Diálogos Possíveis, Ano 6, n.2 (jul/dez) Salvador: FSBA, 2007.

_______________. Fragmentos de uma “analítica” da midiatização. In: MATRIZES, v.5, n.2, São Paulo: USP, abril, 2008.

________________. A circulação além das bordas. In: Mediatización, Sociedad y Sentido – Diálogo Brasil-Argentina. Rosário: UNR, 2010.

GOMES, P. G. Sociedade em midiatização: saudade ou esperança? Texto integrante do Relatório de Pesquisa “Midiatização da Sociedade ou sociedade em midiatização?”. Prof. Dr. Pedro Gilberto Gomes, sj; Rafael Roos. UNISINOS/São Leopoldo, 2010.

REGUILLO, R. Navegaciones errantes, de musicas, jovenes y redes: de facebook a youtube y viceversa. Mexico: Universidad de Guadalajara, 2012.

RODRIGUES, A. Experiência. Modernidade e campo dos media. In: SANTANA, R.N.M. (org.) Reflexões sobre o mundo contemporâneo. Teresina: Revan, 2000.

RUDIGER, F. A comunicação no saber pós-moderno: critica episteme e epistemológica. In: FERREIRA, Jairo (org.) Cenários, teorias e epistemologias da comunicação. Rio de Janeiro: E-Papers, 2007ª.

SFEZ, L. Crítica da comunicação. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

TURCKE, C. Paradigma da Sensação. In: Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas: Unicamp, 2010.

VERÓN, E. El análisis de la mediatización. In: Diálogos, n.48, Lima: FELAFACS, 1997

Publicado

2018-11-20

Como Citar

de Sousa Aldrigue, N. (2018). O turismo para a comunicação ou a comunicação para o turismo? Quem consome quem?. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 6(10), 73 - 84. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i10.18761

Edição

Seção

Artigos