O sentido político do Monumento às Bandeiras, São Paulo

condições e oportunidades para a multiplicação de narrativas a partir da transformação do espaço público

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/patryter.v1i2.10117

Palavras-chave:

Patrimônio da dor e da vergonha, espaço público, Monumento às Bandeiras, São Paulo

Resumo

O Monumento às Bandeiras tem sido objeto de controvérsia pública na sociedade paulistana do século XXI: tal patrimônio sofreu diversas apropriações não-regulamentadas pelos códigos jurídicos e, em algumas destas, sua extensão foi tomada por manifestantes ou pichadas. Por intermédio dos jornais da cidade, duas narrativas foram estabelecidas. A primeira narrativa defende severa punição e investigação dos infratores, além de imediata restauração por parte dos poderes públicos. A segunda narrativa acusa o referido monumento de celebrar o genocídio indígena e exige a sua demolição. Nesse contexto, sugerimos que os sentidos políticos do Monumento às Bandeiras devem ser destacados neste artigo, como forma de compreender as qualificações e desafios que o mesmo comporta à discussão da publicidade na cidade de São Paulo. Para tanto, destacamos que o Monumento jamais foi objeto de consenso e que seu valor sempre foi avaliado para além do sentido estético.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Andrade, M. C. (1988). A Revolução de 30: da República Velha ao Estado Novo. Porto Alegre, RS: Mercado Aberto.

Bertoni, E. (2016, 07 de Outubro). Um antropólogo e um historiador respondem a 3 perguntas sobre a tinta jogada no Monumento à s Bandeiras. Jornal Nexo. Recuperado de: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/10/07/Um-antrop%C3%B3logo-e-um-historiador-respondem-a-3-perguntas-sobre-a-tinta-jogada-no-Monumento-%C3%A0s-Bandeiras

Bressane, Z. (1994). Victor Brecheret. Recuperado de: https://www.youtube.com/watch?v=3Hwezw2rJx0

Cosgrove, D. (1993). The Palladian Landscape: Geographical Change and Its Cultural Representations in Sixteenth-Century Italy. Pennsylvania, United States: Pennsylvania State University Press.

Costa, E. B. (2017). Ativação popular do patrimônio-territorial na América Latina: teoria e metodologia. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía 26 (2), pp. 53-75. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.15446/rcdg.v26n2.59225

Cunha, G. L. (2013, 07 de Outubro). Empurra-empurra! Sobre a morte das estátuas. Revista Fórum. Recuperado de: https://www.revistaforum.com.br/empurra-empurra-sobre-a-morte-das-estatuas/

Dualib, R. (2015, 15 de Junho). Monumento ao vandalismo. Jornal O Estado de São Paulo. Recuperado de: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,monumento-ao-vandalismo,1688648 .

Gomes, P. C. C. (2004). A condição urbana ”“ ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.

Logan, W; Reeves, K. (orgs.). (2009). Places of Pain and Shame: Dealing with 'Difficult Heritage. London, England: Routledge.

Luchetti, A. (1990, 09 de Outubro). PT usa slogans de prefeitos malufistas para divulgar obras. Jornal O Estado de São Paulo, p.22.

Monbeig, P. (1984). A psicologia bandeirante. In Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo,SP: Hucitec. pp.121-125.

Neves, D. (2018). Precisamos falar sobre monumentos e sua simbologia - ou sobre a pixação no Pátio do Colégio. Recuperado de: http://painelacademico.uol.com.br/painel-academico/10182-precisamos-falar-sobre-monumentos-e-sua-simbologia--ou-sobre-a-pixacao-no-patio-do-colegio.

O Estado de São Paulo (1972, 02 de Junho). Militares de São Paulo fazem Páscoa coletiva. Jornal O Estado de São Paulo, p.4.

Pontes, M. A. N. (2012). A documentação nas práticas artísticas dos grupos Arte/ação e 3nós3. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", São Paulo, SP.

Ramiro, M. (2017). 3NÓS3: Intervenções Urbanas ”“ 1979-1982. São Paulo, SP: Ubu Editora.

Sakamoto, L. (2016). Ao invés de pichar, que tal remover as homenagens aos bandeirantes em SP? Recuperado de: https://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2016/09/30/ao-inves-de-pichar-que-tal-remover-as-homenagens-aos-bandeirantes-em-sp/

Salles Oliveira, A. (1936, Republicado em 1953, 25 de Janeiro). Força, movimento e ação. Jornal O Estado de São Paulo, p.1.

Santos Tupã, M. (2013). Monumento à resistência do Povo Guarani. Recuperado de: http://www.yvyrupa.org.br/blog/2013/10/17/monumento-a-resistencia-do-povo-guarani-artigo-de-marcos-dos-santos-tupa/

Downloads

Publicado

20-08-2018

Como Citar

Valverde, R. R. H. F. (2018). O sentido político do Monumento às Bandeiras, São Paulo: condições e oportunidades para a multiplicação de narrativas a partir da transformação do espaço público. PatryTer, 1(2). https://doi.org/10.26512/patryter.v1i2.10117

Edição

Seção

Artigos