Sociedade civil-burguesa, política e direitos humanos em A sagrada família de Marx e Engels

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v10i1.47722

Palavras-chave:

Marx, A sagrada família, Crítica da religião, Política, Direitos humanos

Resumo

Pretendemos mostrar que A sagrada família é um nexo importante entre os textos marxianos de 1843-44 e A ideologia alemã. Para tanto, explicitaremos como que a crítica de Marx e de Engels vai constantemente em direção ao aprofundamento da crítica à sociedade civil-burguesa. Os autores deixam claro que os Direitos do homem, bem como a vida política, têm suas raízes na vida civil-burguesa, tal qual na sociedade em que essa vida aparece como algo natural, aquela marcada pelo domínio da burguesia. Mostraremos também que há, em A sagrada família, um modo de representação específico do domínio burguês, aquele das ilusões e das superstições políticas.

Biografia do Autor

Vitor Bartoletti Sartori, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Professor adjunto da faculdade de Direito e Ciências do Estado da UFMG, doutor em filosofia do Direito pela USP e mestre em história social pela PUC SP.

Referências

ALTHUSSER, Louis. A favor de Marx. Trad. Dirceu Lindoso. São Paulo: Zahar, 1979.

ALTHUSSER, Louis. Por Marx. Trad. Maria Leonor Loureiro. Campinas: Unicamp, 2015.

CHASIN, José. Marx: Estatuto Ontológico e Resolução Metodológica. São Paulo: Boitempo, 2009.

CHASIN, José. O futuro ausente: para a crítica da política e o resgate da emancipação humana. Verinotio: revista online de filosofia e ciências humanas, Rio das Ostras, UFF, n. 15, ano VIII, 2012.

DE DEUS, Leonardo. O jovem Marx: 50 anos. Ouro Preto: UFOP, 2014.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Trad. B.A Schumann. São Paulo: Boitempo, 2008.

ENGELS, Friedrich. Esboço para a crítica da economia política. Trad. Ronaldo Vielmi Fortes. Revista On Line de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, v. 26, n. 2, 2020.

ENGELS, Friedrich. Ludwig Feuerbach e o fim da filosofia clássica alemã. Trad. José Barata-Moura. In: Obras escolhidas. Moscovo, 1982. (disponível em www.marxists.org)

FREDERICO, Celso. O jovem Marx: as origens da ontologia do ser social. São Paulo: Expressão popular, 2009.

FREDERICO, Celso. O jovem Marx: as origens da ontologia do ser social. São Paulo: Cortez, 1995.

HALLAK, Mônica da Costa. Exteriorização da vida e alienação nos Manuscritos econômico-filosóficos de 1844 de Karl Marx. Sepere Aude, Belo Horizonte, PUC MG, v. 9, n. 18, 2018.

HEGEL, Georg. Fenomenologia do espírito (Parte II). Trad. Padre Henrique Lima Vaz. Petrópolis: Vozes, 1992.

HEGEL, Georg. Princípios da filosofia do Direito. Trad. Vittorino. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LOSURDO, Domenico. Contra-história do liberalismo. Trad. Giovanni Semeraro. São Paulo: Ideias e letras, 2006.

LOSURDO, Domenico. Democracia ou bonapartismo. Trad. Luís Sérgio Henriques. Rio de Janeiro: UERJ, 2004.

LÖWY, Michael. A teoria da revolução no jovem Marx. Trad. Anderson Gonçalves. Petropolis: Vozes, 2002.

LUKÁCS, György. A destruição da razão. Trad. Rainer Patriota. Alagoas: Instituto Lukács, 2020.

LUKÁCS, György. O jovem Hegel. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2018.

LUKÁCS, György. Ontologia do ser social I. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2012.

LUKÁCS, György. Ontologia do ser social II. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2013.

MACIEL, Lucas de Oliveira. A busca pela anatomia da crítica da terra: Estado e sociedade civil-burguesa na obra de Karl Marx entre 1843-44. Belo Horizonte: Dissertação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2021.

MARCUSE, Herbert. Razão e revolução. Trad. Marília Barroso. Rio de Janeiro: Paz e terra, 2004.

Marx, Karl. A diferença entre as filosofias da natureza em Demócrito e Epicuro. Trad. Conceição Jardim e Eduardo Lúcio Nogueira. Lisboa: Editorial Presença, 1974.

Marx, Karl. A diferença entre as filosofias da natureza em Demócrito e Epicuro. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2018.

Marx, Karl. Contribuição à crítica da economia política. Trad. Florestan Fernandes. São Paulo: Expressão popular, 2009.

Marx, Karl. Crítica da filosofia do Direito de Hegel. Trad. Rubens Enderle e Leonardo de Deus. São Paulo: Boitempo, 2003a.

Marx, Karl. Crítica à filosofia do Direito de Hegel – introdução. In: Crítica da filosofia do Direito de Hegel. Trad. Rubens Enderle e Leonardo de Deus. São Paulo: Boitempo, 2003b.

Marx, Karl. Gazeta Renana. Trad. de Celso Eidt. IN.: EIDT, Celso. O Estado racional: lineamentos do pensamento político de Karl Marx nos artigos da Gazeta Renana (1842 – 1843). (Dissertação de mestrado). Belo Horizonte, 1998.

Marx, Karl. Glosas Críticas Marginais ao Artigo “O Rei da Prússia e a Reforma Social” de Um Prussiano. Trad. Ivo Tonet. São Paulo: Expressão Popular, 2010b.

Marx, Karl. Grundrisse. Trad. Mario Duayer. São Paulo: Boitempo, 2011.

Marx, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Trad. Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

Marx, Karl. Miséria da filosofia. Trad. J. C Morel. São Paulo: Icone, 2004b.

Marx, Karl. O 18 Brumário de Luiz Bonaparte. Trad. Leandro Konder e Renato Guimarães. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

Marx, Karl. O capital, Livro I, Volume I. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe São Paulo: Nova Cultural, 1996.

Marx, Karl. Sobre a questão judaica. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2010a.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A sagrada família. Trad. Marcelo Backers. São Paulo: Boitempo, 2003.

Marx, Karl. Cartas sobre O capital. Trad. Leila Escorsim. São Paulo: Expressão popular, 2020.

Marx, Karl. O Manifesto Comunista. Trad. Maria Lucia Como. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

MÉSZÁROS, István. A necessidade do controle social. Trad. Mário Duayer. São Paulo: Ensaio, 1987.

MUSTO, Marcello. O velho Marx: uma biografia dos seus últimos anos (1881-1883). Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2018.

NETTO, José Paulo. Notas. In: MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Cartas sobre O capital. Trad. Leila Escorsim. São Paulo: Expressão popular, 2020.

PALU, Marco Aurélio. Estado, democracia e gênero humano: a crítica de 1843 e a fundação do pensamento marxiano. Belo Horizonte: Faculdade de (Mestrado em) Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, 2019.

PEREIRA NETO, Murilo. A posição de Marx quanto ao Direito nos escritos de 1837-1842. Belo Horizonte: Faculdade de (Mestrado em) Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.

ROSDOLSKY, Roman. Gênese e estrutura de O capital. Trad. César Benjamin. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

SARTORI, Vitor Bartoletti. A colocação da questão da política em A ideologia alemã de Marx e Engels: uma análise a partir do itinerário marxiano a partir de 1842. Quaestio Juris, Rio de Janeiro, UFRJ, v. 14, n. 2, 2021a.

SARTORI, Vitor Bartoletti. Acerca de Sobre a questão judaica. REVICE, Belo Horizonte, UFMG, v. 5, n. 1, 2020b.

SARTORI, Vitor Bartoletti. De Hegel a Marx: da inflexão ontológica à antítese direta. Kriterion, Belo Horizonte, n.130, 2014.

SARTORI, Vitor Bartoletti. Marx e Hegel: três momentos da crítica marxiana ao direito. Verinotio, revista online de filosofia e ciências humanas, Rio das Ostras, UFF, v. 24, n. 1, 2018.

SARTORI, Vitor Bartoletti. Notas sobre a função do Estado no livro I de O capital. Trabalho e educação, Belo Horizonte, UFMG, v. 30, n. 1, 2021b.

SARTORI, Vitor Bartoletti. Política, gênero e direitos humanos na formação do pensamento de Karl Marx. Direito e Práxis, Rio de Janeiro, Uerj, v. 4, n. 11, 2020a.

Publicado

10.07.2023

Como Citar

SARTORI, Vitor Bartoletti. Sociedade civil-burguesa, política e direitos humanos em A sagrada família de Marx e Engels. InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 10, n. 1, p. 515–550, 2023. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v10i1.47722. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/47722. Acesso em: 18 abr. 2024.

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.