Letramento político em livros didáticos: por um ensino democrático

Autores

  • Priscila Caxilé Soares Universidade Federal do Ceará

Palavras-chave:

Letramento político, Livro didático, ensino

Resumo

O artigo trata da temática do letramento político em duas coleções de livros didáticos do ensino médio, respectivamente dos anos 2013 e 2016. Os objetivos são: a) analisar, comparativamente, a proporção com que o letramento político aparece em atividades de produção textual de duas coleções de livros didáticos de Língua Portuguesa do ensino médio; b) verificar a quantidade proporcional de gêneros textuais que se propõem ao ensino efetivo do letramento político; e c) discutir sobre os dados encontrados em ambas as coleções. Para falarmos sobre letramento político, utilizamos Cosson (2008; 2010; 2011), e para falarmos sobre a política do livro didático e suas contribuições para o estudo dos letramentos, Batista (2003) e Rojo (2010). Os resultados mostraram que os livros didáticos contribuem para as práticas de leitura e escrita, contudo não verificamos nas atividades de produção textual das edições um direcionamento para o ensino da democracia ou de temáticas que se voltassem para uma formação cidadã. Portanto, concluímos que a abordagem das temáticas e das atividades de produção textual propostas, em sua maioria, não se relaciona com conhecimentos diretamente ligados aos conteúdos sobre leis, organização do poder e de suas instituições, logo não contribuem de modo efetivo para o ensino do letramento político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BATISTA, A. A. G. A avaliação dos livros didáticos: para entender o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). In: ROJO, R. H. R.; BATISTA, A. A. G. (Orgs.). Livro didático de Língua Portuguesa, letramento e cultura da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 25-68.

BATISTA, A. A. G. Um objeto variável e instável: textos, impressos e livros didáticos. In: ABREU, Márcia (Org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras: ALB; São Paulo: Fapesp, 2000.

CAMPS, A.; DOLZ. J. Enseñar a argumentar: un desafio para la escuela actual. Comunicación, Lenguaje y Educación, v. 10, n. 25, p. 5-8, 1995.

CARVALHO, J. S. et al. Formação de professores e educação em direitos humanos e cidadania: dos conceitos às ações. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 3, p. 435-445, set./dez. 2004.

CERTEAU, M. de A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

COSSON, R. Escolas do legislativo, escola de democracia. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2008.

COSSON, R. Letramento político: por uma pedagogia da democracia. Cadernos Adenauer, v. 11, n. 3, p. 25-36, 2010.

COSSON, R. Letramento político: trilhas abertas em um campo minado. E-Legis Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação da Câmara dos Deputados, v. 7, n. 7, p. 49-58, 2011.

DEWEY, J. Creative democracy: the task before us. 1939. Disponível em: <https://www.philosophie.uni-muenchen.de/studium/das_fach/warum_phil_ueberhaupt/dewey_creative_democracy.pdf>. Acesso em 15 jun. 2020.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

FERREIRA MARTINS, I.; DUERR, K.; SPAJIC-VRKAŠ, V. Strategies for learning democratic citizenship. Estrasburgo: DGIV/EDU/CIT, Conselho da Europa, 2000. Disponível em: <http://www.storiairreer.it/sites/default/files/norme/2000%2007%2019%20Duerr.pdf >. Acesso em: 10 jun. 2018.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.s

HAMILTON, M. Sustainable literacies and the ecology of lifelong learning. In: HARRISON, R. R. F.; HANSON, A.; CLARKE, J. (Org.). Supporting lifelong learning: perspectives on learning. London: Routledge/Open University Press, 2002. v. 1, p. 176-187.

KAHNE, J.; WESTHEIMER, J. Teaching democracy: what schools need to do. Phi Delta Kappan, v. 85, n. 1, p. 34-66, set. 2003.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio: área de linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica/MEC, 1999.

RIBEIRO, V. M. Por mais e melhores leitores: uma introdução. In: RIBEIRO, V. M. (Org.). Letramento no Brasil. São Paulo: Ação Educativa/Instituto Paulo Montenegro/Ed. Global, 2003. p. 9-29.

RAMOS, R. A. O livro didático Ser Protagonista de língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: Edições SM, 2013.

RAMOS, R. A. O livro didático Ser Protagonista de língua portuguesa. 3. ed. São Paulo: Edições SM, 2016.

ROJO, R. H. R. Letramentos escolares: coletâneas de textos nos livros didáticos de língua portuguesa. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, p. 433-465, jul./dez. 2010. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2010v28n2p433/18444.> Acesso em: 10 jun. 2018.

STREET, B. V. What’s “new” in new literacy studies? critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education, v. 5, n. 2, p. 77-91, 2003.

CIRCLE (Center for Information and Research on Civic Learning and Engagement). The civic mission of schools: a report from Carnegie Corporation of New York and CIRCLE: The Center for Information and Research on Civic Learning and Engagement. 2003. Disponível em: <https://media.carnegie.org/filer_public/9d/0a/9d0af9f4-06af-4cc6-ae7d-71a2ae2b93d7/ccny_report_2003_civicmission.pdf>. Acesso em: 23 jun. 2020.

Publicado

2020-06-29

Como Citar

Soares, P. C. (2020). Letramento político em livros didáticos: por um ensino democrático. Revista Horizontes De Linguistica Aplicada, 19(1), 197-217. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/horizontesla/article/view/24888

Edição

Seção

Artigos