Motins, Emergência, Entropia e Improvisação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v9i3.43001

Palavras-chave:

Improvisação. Motim. Emergência. Entropia. Crise.

Resumo

Este ensaio tenta articular três autores que têm tentado pensar o tempo presente na sua forma de crise permanente. Paulo Arantes, com a sua teoria da era da emergência, Joshua Clover, com a sua teoria da era dos motins, e Wolfgang Streeck e a era da entropia. Arantes nos servirá de fundamento teórico, enquanto que Clover nos ajudará a pensar as massas informais que se formam nos motins e Streeck nos ajudará a pensar o excesso de individualismo da situação presente. É neste último que recuperamos a ideia da necessidade de pensar a improvisação para concluir com o que poderia ser os traços gerais desta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Frederico Lyra de Carvalho, Université de Lille, França

Possui graduação em licenciatura em música pela Universidade Federal de Pernambuco (2012), mestrado em musicologia pela Université Paris Sorbonne IV (2015), mestrado em filosofia pela Université Paris 8 (2021) e doutorado em filosofia da arte pela Université de Lille (2021). Desenvolve pesquisa nas áreas de música, com enfoque na música improvisada, na relação entre música e filosofia, música e política. Desenvolve trabalhos principalmente no campo da teoria crítica, filosofia da música, filosofia alemã contemporânea e pensamento social brasileiro. 

Referências

ADORNO, T. W. Dialética negativa. Tradução de Marco Antonio Casanova. São Paulo: Zahar, 2009.

ARANTES, P. “A fratura brasileira no mundo”. In: ARANTES, P. Zero à esquerda. São Paulo: Conrad, 2004.

ARANTES, P. O Novo Tempo do Mundo e outros estudos sobre a Era da Emergência. São Paulo: Boitempo, 2014.

ARRIGHI, G. The Long Twentieth Century: Money, Power, and the Origins of Our Times, Londres, Nova Iorque: Verso, 2016.

ARRIGHI, G. “Tarifa zero e mobilizacao popular”. In: Blog da Boitempo, 2013. Disponível em [https://blogdaboitempo.com.br/2013/07/03/tarifa-zero-e-mobilizacao-popular/]: acessado em [20/10/2021].

CHAMAYOU, G. La société ingouvernable: une généalogie du libéralisme autoritaire. Paris: La Fabrique, 2018.

CLOVER, J. Riot. Strike. Riot: the era of uprising. Londres, Nova Iorque: Verso, 2016.

DARDOT, P., LAVAL, C. Ce Cauchemar qui n’en finit pas. Comment le néolibéralisme défait la démocratie. Paris: La Découverte, 2016.

KLEIN, N. La Stratégie du choc. La montée d’un capitalisme du désastre. Paris: Babel, 2008.

KURZ, R. O colapso da modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. São Paulo: Paz & Terra, 1992.

KURZ, R. “Os últimos combates”. Os últimos combates. São Paulo: Vozes, 1998.

RIGOUSTE, Mathieu. La Domination policière. Paris: La Fabrique, 2021.

ROSA, Hartmut. Accélération. Une critique sociale du temps. Paris: La Découverte, 2013.

STREECK, W. How Capitalism end? Essays on a falling system. Londres, Nova Iorque: Verso, 2016.

STREECK, W. Buying time: the delayed crisis of democratic capitalismo, 2ªed. Londres, Nova Iorque: Verso, 2017.

STREECK, W. “What about capitalism? Jürgen Habermas’s project of a European democracy”. In: European Political Science, 2017b, vol. 16, n. 2, pp. 246-253.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

CARVALHO, F. L. de . Motins, Emergência, Entropia e Improvisação. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 9, n. 3, p. 81–97, 2021. DOI: 10.26512/rfmc.v9i3.43001. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/43001. Acesso em: 2 fev. 2023.