Crise, Universidade e Humanidades em Perspectiva: Apontamentos sobre Condições e Limites da Formação em Filosofia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v7i3.29302

Palavras-chave:

racionalidade, universidade, formação filosófica, metodologia filosófica, história

Resumo

O ensaio que se segue trata dos desafios que se colocam aos que estejam às voltas com a crise da Universidade, e compendia três momentos da atividade de produção racional de conhecimento: um retrato de algumas experiências pré-modernas dessa busca, o esgarçamento e crise do modelo de história que organiza a modernidade e algumas diretrizes que estruturam tanto o sistema universitário quanto a formação e o fazer filosóficos, para, no termo desse percurso, apontar alguns dos desafios que se apresentam a quem se ocupe do tempo lento e íntimo da formação em tempos regidos por demandas e bloqueios movidos por uma dinâmica de tempo acelerado e meramente presentista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilberto Tedeia, Universidade de Brasília, UnB

Professor Adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília (UnB). Doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP).

Referências

ARANTES, P. E. Departamento francês de ultramar. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

___.; ARANTES, O. F. Sentido da formação: três estudos sobre Antonio Candido, Gilda de Mello e Souza e Lúcio Costa. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1997.

___. “O novo tempo do mundo: a experiência da história numa era das expectativas decrescentes”. In: ___. O novo tempo do mundo. São Paulo: Boitempo, 2014.

CADERNO DE RESUMOS do 1º Simpósio Internacional de Humanidades, IH-UnB, 21-23 out. 2019. In: https://drive.google.com/file/d/1SjSyuY7M8-VMxXRvgyZ2aE12gdcHKBC6/view, acessado em 28 de outubro de 2019, Ã s 22h53.

CAMPO, J. E. Encyclopedia of Islam. Nova York: Facts On File, 2009 [Encyclopedia of World Religions].

CORDEIRO, D. S. A formação do discernimento: Jean Maugüé e a gênese de uma experiência filosófica no Brasil. Tese de Doutorado. Departamento de Filosofia, Universidade de São Paulo, 2008.

FABRINI, R. “O ensino de filosofia: a leitura e o acontecimento”. Trans/Form/Ação, 28(1), p. 7-27, 2006.

GAGNEBIN, J. M. “O método desviante: algumas teses impertinentes sobre o que não fazer num curso de filosofia”. In: https://uspcaf.files.wordpress.com/2011/06/gagnebin-j-m-o-mc3a9todo-desviante.pdf, acesso em 28 de outubro de 2019, Ã s 17h32.

GIANNOTTI, J. A. In: v.a., “Por que filósofo”?. Estudos Cebrap (15), jan.-mar. 1976, p. 133-173.

GOLDSCHMIDT, V. “Tempo lógico e tempo histórico na interpretação dos sistemas filosóficos”. In: A religião de Platão. Trad. Ieda e Osvaldo PORCHAT. São Paulo: DIFEL, 1963.

GUÉROULT, M. Dianoématique: Philosophie de l’histoire de la philosophie. Collection. Analyse e Raisons. Paris: Aubier Montaigne, 1979.

KANT, I. “Resposta à pergunta: o que é esclarecimento?”. Trad. V. FIGUEIREDO. In: MARÇAL, J.(Org.). Antologia de textos filosóficos. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação do Paraná, 2009, p. 406-15.

KANT, I. O que significa orientar-se no pensamento? 3. ed. Trad. Floriano de Souza FERNANDES. Petrópolis: Vozes, 2005.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

LEOPOLDO E SILVA, F. “A função social do filósofo”. In: ARANTES, P. et al. (Orgs.). A filosofia e seu ensino. São Paulo: Educ, 1993a.

___. “Currículo e formação: o ensino da filosofia”. Revista Síntese, Belo Horizonte (20, n. 63), p. 797-806, out./dez. 1993b.

MAUGÜÉ, J. “O ensino de filosofia: suas diretrizes”. Revista Brasileira de Filosofia (V, n.20), out./dez. 1955, p. 642-9.

MARTIN, R. R., editor-chefe. Encyclopedia of Islam and the Muslim World, 2 v., Nova York: Macmillan Reference USA, Thompson Gale, 2003-4.

MOURA, C. A. R. de. “História stultitiae e história sapientiae”. Revista Discurso (17), 1988, p. 151-71.

PORCHAT, O. “Prefácio”. In: V. GOLDSCHMIDT. A religião de Platão. São Paulo: Difusão Européia do Livro, p. 5-10, 1963.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lílian do VALLE. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

TORRES FILHO, R. R. “Respondendo à pergunta: quem é a ilustração?”. Discurso (14), p. 101-112, 1983

VECKET, J. A. “Abecedarians”. In: HERBERMANN, C. B.; PACE, E. A.; PALLEN, C.E.(Eds.). The Catholic encyclopedia; an international work of reference on the constitution, doctrine, discipline and history of the Catholic Church, 14 v., Nova York: Robert Appleton Company, v. 1, p. 35.

WAIZBORT, L. “Formação, especialização, diplomação: da universidade à instituição de ensino superior”. Tempo Social, 27(2), p. 45-74, 20.

Downloads

Publicado

2020-01-26

Como Citar

TEDEIA, G. Crise, Universidade e Humanidades em Perspectiva: Apontamentos sobre Condições e Limites da Formação em Filosofia. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 125–139, 2020. DOI: 10.26512/rfmc.v7i3.29302. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/29302. Acesso em: 19 abr. 2021.