Iemanjá

A Mãe dos Filhos de Peixe

Autores

  • Wagner Vinhas IFBA

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i40.42130

Palavras-chave:

Festa. Iemanjá. Rio Vermelho.

Resumo

O artigo busca analisar a Festa de Iemanjá, no bairro Rio Vermelho, em Salvador, Bahia, à luz da Teoria da Festa, recorrendo aos debates teóricos de explicação do extraordinário: o mistério, o segredo, a magia, a inversão. Procura-se apontar a relevância sociológica da Festa do 2 de Fevereiro, bem como identificar e tipificar alguns elementos etnográficos presentes nessa festa em particular. São apresentados, neste artigo, os resultados parciais de uma pesquisa em andamento que busca ampliar o que se sabe sobre as festas públicas dedicadas a um orixá.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMADO, Jorge. Mar morto. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2008.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1987.

BRAUDEL, Fernand. História e Ciências Sociais: a longa duração. In: Escritos sobre a História. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BURKE, Peter. Cultura popular na idade moderna: Europa, 1500-1800. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

CAILLOIS, Roger. O sagrado de transgressão: teoria da festa. Trad. de Carlos Eduardo Schmidt Capela. Florianópolis: Revista Outra Travessia, n. 19, p. 15-55, dez., 2015.

CALABRESE, Federico. Estudos de requalificação e de valorização urbana e paisagística do Rio Vermelho. 2013. Dissertação (Mestrado em Arquitetura). Universidade Federal da Bahia, 2013.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. Org. por Betty Sue Flowers; tradução de Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 2000.

COSTA, Cristine Sobrinho. Pecadores do Rio Vermelho: ritos, tradições e ancestralidade da pesca artesanal. 2011. Dissertação (Mestrado em Estudos Étnicos e Africanos). Universidade Federal da Bahia, 2010.

COUTO, Edilece Souza. Tempo de festas: homenagens a Santa Bárbara, N.S. da Conceição e Sant´Anna em Salvador. 2004. Tese (Doutorado em História). Universidade Estadual de São Paulo, 2004.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Guanabara, 1990.

DAMASCENO, Tatiana Maria. Nas águas de Iemanjá: estudo das práticas performativas no candomblé e na festa à beira mar. 2015. Tese (Doutorado em Artes Cênicas). Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2015.

JANCSÓ, István & KANTOR, Íris. (orgs.). Festa: cultura e sociabilidade na América portuguesa. São Paulo: Imprensa Oficial; Hucitec; Edusp; Fapesp, 2001. 1 e 2v.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Tradução: Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

PRIORE, Mary Del. Festas e utopias no Brasil Colonial. São Paulo: Brasiliense, 1994.

RODRIGUES, Raymundo Nina. Os africanos no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Edelstein, 2010.

SIMMEL, George. A sociologia do segredo e das sociedades secretas. Trad. De Simone Carneiro Maldonado. Florianópolis: Revista de Ciências Humanas, v. 01, n. 43, p. 219-242, jan., 2009.

Downloads

Publicado

2022-09-03

Como Citar

VINHAS, W. Iemanjá: A Mãe dos Filhos de Peixe. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 40, 2022. DOI: 10.26512/emtempos.v1i40.42130. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/42130. Acesso em: 3 fev. 2023.