Maloca

Espaço de ação afirmativa e ação da política de assistência estudantil?

  • Ciro Santana Mendes Universidade de Brasília
  • Diana Lopes dos Santos Universidade de Brasília
  • Kahena Quintaneiro Bizzotto Universidade de Brasília
  • Laís Vieira Pinelli Universidade de Brasília
  • Victória Lisboa do Nascimento Universidade de Brasília
  • Wesley Coelho da Silva Universidade de Brasília
Palavras-chave: Assistência estudantil, Ação afirmativa, Brasil, Maloca, Permanência, Representatividade, Universitarios

Resumo

A proposta desta pesquisa é fazer uma análise sobre o Centro de Convivência dos Povos Indígenas – Maloca e compreender sua contribuição para a permanência dos estudantes indígenas na Universidade de Brasília (UnB). O trabalho em questão é resultado do esforço empenhado pelo referido grupo de estudantes de Serviço Social durante a disciplina de Pesquisa Social no ano de 2015. A metodologia adotada para a pesquisa é de entrevistas semi-abertas com estudantes indígenas que participaram do processo de elaboração do Maloca ou que usufruem do espaço e atores institucionais que contribuíram (ou não) nesse processo. Assim como revisão bibliográfica a respeito do tema e pesquisa documental referente à idealização e construção do Maloca. Os resultados apontam para a não compreensão por parte dos estudantes indígenas do Maloca como espaço de assistência estudantil, por de alguma forma descaracterizar a luta deles para efetivação do espaço. Tendo em mente a Política Nacional de Assistência Estudantil e as particularidades da cultura indígena buscou-se aproximar esses dois eixos que perpassam o Maloca com o objetivo de ampliação da perspectiva de Assistência Estudantil e o maior reconhecimento e incorporação da história, valores e conhecimento dos povos indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Decreto nº 7.234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7234.htm>. Acesso em: 25 nov. 2015

CISLAGHI, J.; SILVA, M. “O Plano Nacional de Assistência Estudantil e o Reuni: ampliação de vagas versus garantia de permanência”. In: Ser Social. Brasília, v. 14, nº. 31, p. 489-512, jul/dez 2012

FONAPRACE. Fórum Nacional de Pró-reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis. Plano Nacional de Assistência Estudantil. 2008

HERINGE, Rosana e FERREIRA, Renato Análise das principais políticas de inclusão de estudantes negros no ensino superior no Brasil no período 2001-2008. In Caminhos convergentes: Estado e Sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Orgs. Marilene de Paula, Rosana Heringer. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll, ActionAid. 2009.

HERINGE, Rosana Políticas de Ações Afirmativas para Estudantes: Promovendo a Igualdade In Conferência Nacional de Educação – CONAE Eixo VI – Justiça Social, Educação e Trabalho: inclusão, diversidade e igualdade Colóquio 6.42. 2010.

KERSTENETZKY, C. L. O Estado do bem-estar social na idade da razão. Rio de Janeiro, Elsevier, 2012.

NOVAK, Maria Simone Jacomini. Política de ação afirmativa: a inserção dos indígenas nas Universidades Públicas Paranaenses. Maria Simone Jacomini Novak, Universidade Estadual de Maringá – Maringá, PR. 2007.

Publicado
2019-06-30
Como Citar
MendesC. S., SantosD. L. dos, BizzottoK. Q., PinelliL. V., NascimentoV. L. do, & SilvaW. C. da. (2019). Maloca. Revista Do CEAM, 5(1), 99-109. https://doi.org/10.5281/zenodo.3338468