Lazer e turismo LGBT em Brasília/DF sob a perspectiva da hospitalidade

  • Agatha Rita Doroteia Tavares Guerra
  • Livia Cristina Barros da Silva Wiesinieski Universidade de Brasília
  • Iara Lucia Gomes Brasileiro
Palavras-chave: Turismo. LGBT. Hospitalidade. Lazer. Brasília

Resumo

O consumo e o turismo para o segmento de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT) movimenta o mercado brasileiro. Trata-se de um negócio atual e oportuno, pois esse público demanda uma participação expressiva ano após ano no mercado mundial, tanto em serviços turísticos especializados (hotéis, cruzeiros, agências de viagens) quanto em lazer, entretenimento (bares, restaurantes, baladas, saunas) e consumo de bens materiais (lojas de roupas, móveis). Nesse sentido, esse segmento do turismo tem se afirmado como uma possibilidade econômica capaz de gerar lucros significativos. Este trabalho tem como objetivo analisar, a partir de revisão bibliográfica e de textos midiáticos, a oferta de lazer na cidade de Brasília e as possibilidades do turismo para o público LGBT na perspectiva da hospitalidade. Na capital do Brasil, o público homossexual é um segmento ávido por entretenimento e por cultura; possui, em sua maioria, nível de escolaridade e remuneração mais elevado que a média, consome bastante, é muito exigente, bem informado, gosta de praticidade; em sua maioria, não possui filhos, o que torna seus gastos fixos bem menores se comparados aos de casais heterossexuais. Essas condições, somadas ao fato de Brasília ser uma cidade considerada gay friendly, certamente se caracterizam em boas perspectivas de negócios no setor do turismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Agatha Rita Doroteia Tavares Guerra

Secretária Executiva da Universidade de Brasília. Graduada em Letras e Especialista em Gestão e Marketing do Turismo ambas pela Universidade de Brasília. Mestre em Turismo pela já referida instituição (2015). Atualmente participa do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Gênero e Interdisciplinaridades.

Livia Cristina Barros da Silva Wiesinieski, Universidade de Brasília

Mestre em Turismo pela UnB(2015). Especialista em Gestão de Negócios em Turismo pela UnB (2009). Graduada em Turismo pela UFOP (2008). Experiência profissional em feiras - EMBRATUR, análise de negócios, organização de eventos e consultoria. Professora Voluntária da Graduação em Turismo (CET/UnB) e tutora de educação à distância e orientadora (TCC - DEX/UnB).

Iara Lucia Gomes Brasileiro

Professora Adjunto da Universidade de Brasília, e pesquisadora no Centro de Excelência em Turismo. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília, Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (1980). Coordena e/ou participa de vários projetos e orientação na área do Turismo e Desenvolvimento Sustentável/Sustentabilidade, com ênfase nos temas relativos à Diversidade, Hospitalidade e Acessibilidade.

Referências

Amorim, D. & Vasconcelos, B. (2012). Atenção especial ao mercado gay. Correio Braziliense, Brasília, 26 nov. 2012. Caderno Cidades, Economia no DF, p. 30.

Bittar, B. (2015). Brasília destino gay-friendly. Correio Braziliense, Brasília, 13 jan. 2015. Caderno Cidades. 24.

Bonfanti, C. (2011). Gays fazem a economia girar. Correio Braziliense, Brasília, 22 mar. 2011. Caderno Economia, p.19.

Bourdieu, P. (2014). A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Rio de Janeiro: Best Seller.

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Campbell, U. (2014). Território livre. Veja, Brasília, Brasília, 19 fev. 2014. Comportamento, p. 29.

Castells, M. (1999). O poder da identidade. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra. v. 2.

Contaifer, J. (2014). Existe turismo na capital? Correio Braziliense, Brasília, 16 mar. 2014. Revista do Correio, 26-27.

Dias, M. B. (2004). Conversando sobre homoafetividade. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

_________ (2012). União homoafetiva: o preconceito & a justiça. 5. ed. São Paulo: Revista dos tribunais.

Diniz, D. (2013). Cura gay. Correio Braziliense, Brasília, 22 jun. 2013. Opinião, p. 17.

Foucault, M. (2007). História da sexualidade: a vontade de saber. 18. ed. São Paulo: Graal, v. 1.

Guerra, A. (2002). Turismo homossexual no Brasil: um segmento em expansão. 2002. 58 f. Monografia (Lato Sensu) - Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília, Brasília.

_________. (2013). Conjugalidade, parentalidade, regulação da cidadania e direitos humanos de lésbicas, gays e transgêneros no Brasil. Cenário – Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília, v. 1, n.1 (2013) – Brasília.

Hall, S. (2006) A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A.

Krippendorf, J. (2001). Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. 3. ed. São Paulo: Aleph.

Lacerda, M. & Bernardes, A. (2013). Diversão em todas as cores. Correio Braziliense, Brasília, 09 jun. 2013. Caderno Cidades + Política e Economia no DF, 23.

Lacerda, M. & Bernardes, A. (2013). Mercado caro em ascensão. Correio Braziliense, Brasília, 09 jun. 2013. Caderno Cidades, 24.

Lucas, T. (2010). Brasília muito mais diversidade. Via G. São Paulo: Via G Ltda.

Moesch, M. (2002). A produção do saber turístico. São Paulo: Contexto.

Molina, S. (2005). Turismo metodologia e planejamento. Bauru: Edusc.

Mott, L. (2003). Crônicas de um gay assumido. Rio de Janeiro: Record.

Oliveira, L. (2002). Turismo para gays e lésbicas: uma viagem reflexiva. São Paulo: Roca.

Oliveira, R. (2013). Homossexualidade: análises mitológica, religiosa, filosófica e jurídica. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Platão. (1999). O banquete: ou do amor. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Prado, M. & Machado, F. (2008). Preconceito contra a homossexualidades: a hierarquia da invisibilidade. São Paulo: Cortaz.

Péret, F. (2011). Imprensa gay no Brasil: entre a militância e o consumo. São Paulo: Publifolha.

Reinaudo, F. & Bacellar, L. (2008). O mercado gls: como obter sucesso com o segmento de maior potencial da atualidade. São Paulo: Ideia&Ação.

Rios, M. (2012). As cores do arco-íris. Correio Braziliense, Brasília, 21 abr. 2012. Caderno Especial Brasília 52 anos, 29.

Seffner, F. (2011). Identidade de gênero, orientação sexual e vulnerabilidade social: pensando algumas situações brasileiras. In: VENTURI, Gustavo; BOKANY, Vilma (Org.). Diversidade sexual e homofobia no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo. p. 38-50.

Silva Junior, A. M. (2014). Diversidade sexual e inclusão social: uma tarefa a ser completada. Franca: Lmeos e Cruz.

Simões, J. & Facchini, R. (2009). Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Sousa, I. (2012). Mercado é cego para potencial de consumo do público LGBT. Exame.com. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/mercado-e-cego-para-potencial-de-consumo-do-publico-lgbt>. Acesso em: 19 fev. 2015.

Trevisan, J. (2006). Turismo e orientação sexual. In: BRASIL. Ministério do Turismo (Org). Turismo social: diálogos do turismo, uma viagem de inclusão. Rio de Janeiro: IBAM, p.139-177.

Trigo, L. (2009). Ascensão do prazer na sociedade atual: turismo GLS. In: NETTO, Alexandre Panosso; ANSARAH, Marília Gomes dos Reis (Org.). Segmentação do mercado turístico: estudos, produtos e perspectivas. Barueri: Manole, p.141-163.

Vasconcelos, B. & Amorim, D. (2012). A força do consumo gay. Correio Braziliense, Brasília, 25 nov. 2012. Caderno Cidades + Política e Economia no DF, p. 29.

Vasconcelos, B & Amorim, D. (2012). Cena LGBT impulsiona lucro. Correio Braziliense, Brasília, 25 nov. 2012. Caderno Cidades, p. 31.

Publicado
2018-12-28
Como Citar
GuerraA. R. D. T., WiesinieskiL. C. B. da S., & BrasileiroI. L. G. (2018). Lazer e turismo LGBT em Brasília/DF sob a perspectiva da hospitalidade. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 6(11). https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i11.18268
Seção
Artigos