“É verdade! Travesti arma barraco na delegacia”

travestilidades em situação de vulnerabilidade penal no contexto da mídia policial

  • Caio Cesar Klein
  • Guilherme Gomes Ferreira
Palavras-chave: Travestilidades. Sujeição criminal. Mídia policial. Seletividade penal.

Resumo

O presente trabalho se debruça sobre a reação seletiva dos sistemas penal e policial em relação às travestilidades, buscando compreender os discursos que justificam e trazem à tona as cenas de abordagem policial das travestis ou de suas detenções em delegacias de polícia e casas prisionais, estabelecendo relações entre a sujeição criminal incorporada nas narrativas das travestis e o discurso prévio de incriminação da mídia policial e da polícia. O campo foi constituído, de um lado, por vídeos de uma amostra intencional dos programas jornalísticos com essa temática, e de outro lado, por entrevistas realizadas com travestis que já passaram por interditos penais, seja pelo “atraque” policial, seja pelo aprisionamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Cesar Klein

Bacharel em direito (PUCRS). Mestre em ciências criminais (PUCRS).

Guilherme Gomes Ferreira

Bacharel em serviço social (PUCRS) e estudante de saúde coletiva (UFRGS). Mestre em serviço social (PUCRS). Doutorando em serviço social (PUCRS e ISCTE-IUL/Lisboa). Membro da iniciativa Freeda: espaços de diversidade e do grupo Somos - Comunicação, Saúde e Sexualidade. Pesquisador do Grupo de Pesquisas e Estudos em Ética e Direitos Humanos da PUCRS.

Referências

BARATTA, Alessandro. Criminologia crítica e crítica do direito penal: introdução à sociologia do direito penal. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2002.
BATISTA, Nilo. Mídia e sistema penal no capitalismo tardio. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2015.
BENEDETTI, Marcos. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond, 2005 (Coleção Sexualidade, Gênero e Sociedade).
BUTLER, Judith. Deshacer el género. Barcelona: Paidós, 2006.
CERVINI, Raúl. “Incidencia de las ‘mass media’ en la expansion del control penal en latinoamerica”. In: Revista brasileira de ciências criminais, ano 2, n.5, p. 37-54, São Paulo, 1994.
DAVI, Edmar Henrique Dairell; BRUNS, Maria Alves de Toledo; SANTOS, Claudiene. Na batalha: história de vida e corporalidade travesti. Cronos, v. 11, n. 2, 2010. p. 63-78.
FERREIRA, Guilherme Gomes. Travestis e prisões: experiência social e mecanismos particulares de encarceramento no Brasil. Curitiba: Multideia Editora, 2015.
FOUCAUL, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.
GARCIA, Marcos Roberto. Prostituição e atividades ilícitas entre travestis de baixa renda. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2008, v. 11, n 2, pp. 241-256.
GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade corrompida. Riode de Janeiro: Zahar, 1976.
JANCZURA, Rosane. Risco ou vulnerabilidade social? In: Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 301-308, ago./dez. 2012.
KULICK, Don. Travesti: prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Tradução de Cesar Gordon. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2008.
KULICK, Don; KLEIN, Charles. Escândalo: a política da vergonha em meio às travestis brasileiras. São Paulo: Anales, 2010.
LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer: uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 546, 2001.
MARSON, Melina Izar. Da feminista “macha” aos homens sensíveis: o feminismo no Brasil e as (des)construções das identidades sexuais. Cadernos AEL, Campinas, v. 2, n. 3-4, p. 98, 1996.
MARTINS, José de Souza. A sociedade vista do abismo: novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2002.
MATOS, Fernando Ribeiro. Trilhas do sexo: discursos, corpos e sexualidade na cultura da mídia. 2011. 122f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia, Universidade Federal de Goiás, Goiás, 2011.
MISSE, Michel. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, São Paulo, n. 79, 2010.
MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 192, 2003.
MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2006.
NAVAS, Kleber de Mascarenhas. Travestilidades: trajetórias de vida, lutas e resistências de travestis como construção de sociabilidade. 2011. 113f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Faculdade de Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.
ORNAT, Márcio José. Território da prostituição e instituição do ser travesti em Ponta Grossa – PR. 162f. 2008. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) – Faculdade de Geografia, Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2008.
PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids. São Paulo: Annablume, 2009.
___________. Na noite nem todos os gatos são pardos: notas sobre a prostituição travesti. Cadernos Pagu, Campinas, n. 25, p. 217-258, jul./dez. 2005.
PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, Goiás, v. 11, n. 2, jul./dez 2008, p. 263-274.
RAMOS, Malena Bello. Meninas privadas de liberdade: a construção social da vulnerabilidade penal de gênero. 116f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Faculdade de Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
ROMÃO, Davi Mablona Marques. Jornalismo policial, indústria cultural e violência. 2013. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Faculdade de Psicologia, Universidade de São Paulo. 2013.
SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Tradução de Guacira Lopes Louro. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 72, jul./dez. 1995.
SPINK, Mary Jane. O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 9 (3): 300-308, jul/sep, 1993.
THOMPSON, John. Ideologia e cultura moderna: teoria social e crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 2000.
TRANGENDER EUROPE. Transrespect versus transphobia worldwide: a comparative review of the human-rights situation of gender-variant/trans People.Berlim: TGEU, 2012.
TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.
ZAFFARONI, Eugenio Raúl et al. Direito penal brasileiro: teoria geral do direito penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2003.
__________. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. 4. ed. Rio de Janeiro: Revan, 1999.
Publicado
2018-11-29