Turismo e Tendências Contemporâneas

Mulher como viajante solo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i3.35690

Palavras-chave:

segmentação turística, motivações, turismo solo, mulher

Resumo

Este estudo investiga se a busca de mulheres por viagens solo já se caracteriza como um segmento turístico no Brasil. A pesquisa é exploratória-descritiva com abordagem quali-quantitativa, e teve como objetivo geral analisar o crescimento do número de mulheres viajantes solo no território brasileiro. Foram aplicados 454 questionários para mulheres acima de 18 anos, e que já haviam realizado ao menos uma viagem sozinha no país. Os resultados demonstraram que a mulher viajante solo já é vista como um segmento crescente, evidenciado inclusive, pelo surgimento de agências e plataformas de serviços específicos. Observou-se que os destinos brasileiros não estão preparados para receber mulheres que viajam sozinhas, e as altas taxas de violência contra mulher e a falta de segurança pública no país influenciam na decisão por viajar sozinha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Booking.Com (2019). Mulheres pelo mundo: Um guia para viajar em sua própria companhia. Brasil. Brasil: Booking.com

Brasil, Ministério do Turismo. (2017). Sondagem do Consumidor: Intenção de Viagem. (Vol.1). Brasil: Fundação Getúlio Vargas

Brasil, Ministério do Turismo. (2010). Segmentação do Turismo e o Mercado. (1a ed) [Versão digital]. Ministério do Turismo. Recuperado de http://biblioteca.facha.edu.br/index.php?view=weblink&catid=22%3Ae-books- de-turismo&id=490%3A2017-02-16-18-32-50&option=com_weblinks

Costa, C., Brandão, F., Costa, R. & Breda, Z. (2014). Turismo nos Países lusófonos: conhecimento, estratégia e territórios. (Vol. I). Portugal: Editora Escolar.

Crompton, J. L. (1979). Motivations for pleasure vacation. Annals of Tourism Research, 6(4), 408”“424. doi: https://doi.org/10.1016/0160-7383(79)90004-5

Elsrud T. (1998). Time creation in travelling: The taking and making of time among women backpackers. Time and Society, 7 (2), 309-334. doi: https://doi.org/10.1177/0961463X98007002008

Gibson, H., & Jordan, F. (1998). Travelling solo: A cross-cultural study of British and American women aged 30-50. In Fourth International Conference of the Leisure Studies Association. Leeds, Inglaterra: International Conference of the Leisure Studies Association

Gilmartin, P. (1997). The dangers of independent travel: A century of advice for 'lady travellers'. Journal of Interdisciplinary Gender Studies, 2(1), 1-13. Recuperado de: https://nova.newcastle.edu.au/vital/access/manager/Repository/uon:15045

Jordan, F & Gibson, H. (2005). We're not stupid... but we'll not stay home either': Experiences of solo women travellers. Tourism Review International, 9. 195-211. doi: 10.3727/154427205774791663.

Laesser, C., Beritelli, P., & Bieger, T. (2009). Solo Travel: Explorative Insights from a Mature Market (Switzerland). Journal of Vacation Marketing, 3, 217”“227.

doi: https://doi.org/10.1177/1356766709104268

Maxmilhas. (2019). O mundo é delas: as mulheres viajam sozinhas e isso é cada vez mais comum. Maxmilhas. Recuperado de: https://www.maxmilhas.com.br/blog/dicas-de-viagem/o-mundo-e-delas-as-mulheres-viajam-sozinhas-e-isso-e-cada-vez-mais-comum

Moesch, M., & Beni, M. (2015). Do discurso sobre a ciência do turismo para a ciência do turismo. In XIV Seminário Da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação Em Turismo, 9”“30. Balneário Camboriú, SC/Brasil: ANPTUR

Moraes, C. C. de A. (2011). Turismo Single: Revisando o Segmento de Mercado. In VIII Seminário Da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação Em Turismo, 1”“12. Balneário Camboriú, SC/Brasil: ANPTUR

Pearce, P.L. (1988). The Ulysses factor: Evaluating visitors in tourist settings. Estados Unidos da América: Springer-Verlag

Pereira, G. de A., & Gosling, M. (2019). Push and pull motivations of Brazilian travel lovers. Brazilian Business Review, 16(1), 63”“86.

doi: https://doi.org/10.15728/bbr.2019.16.1.5

Pereira, A., & Silva, C. (2018). Women solo travellers: motivations and experiences. Millenium - Journal of Education, Technologies, and Health, 2(6), 99”“106.

doi: https://doi.org/10.29352/mill0206.09.00165

Plog, S. C. (1974). Why Destination Areas Rise and Fall in Popularity. Cornell Hotel and Restaurant Administration Quarterly, 14(4), 55”“58.

doi: https://doi.org/10.1177/001088047401400409

Riley P. J. (1988). Road culture of international long-term budget travelers. Annals of Tourism Research, 15, 313-328. doi: https://doi.org/10.1177/004728758902700363

Robinson, J. (1990). Wayward women: A guide to women travellers. Oxford: Oxford University Press.

Sampaio, C. A. C. (2007). Turismo como fenômeno humano: princípios para pensar a ecossocioeconomia do turismo e sua prática sob a denominação turismo comunitário. Revista Turismo Em Análise, 18(2), 148.

doi: https://doi.org/10.11606/issn.1984- 4867.v18i2p148-165

Sebrae. (2019). Boletim de Tendências Turismo. Sebrae. Recuperado de: https://atendimento.sebrae- sc.com.br/inteligencia/boletim-de-tendencia/turismo-para-mulheres-conheca-e-aposte- nessa-tendencia

Silva, C. (2011). A Imagem de Destinos Turísticos de Montanha pelos Residentes e Turistas. (Tese de Doutorado). University of Aveiro, Portugal.

Souza, T. (2018). Mulheres que viajam sozinhas: Fatores restritivos. Cadernos Discentes: Trabalhos de Iniciação Científica do Curso de Turismo, 3, 79-97. Recuperado de: http://www.fth.uff.br/images/cadernos/cadernos3.pdf

Terra. (2019). Estudo mostra que as mulheres representam 60% dos intercambistas brasileiros. Terra. Recuperado de: https://www.terra.com.br/noticias/dino/estudo-mostra-que-as-mulheres-representam-60-dos-intercambistas-brasileiros,2de3f002e5d8d412043e7addfc8e0b86b1fcx5sk.html

Valaja, E. (2018). Solo Female Travellers’ Risk Perceptions and Risk Reduction Strategies-As Expressed in Online Travel Blog Narratives (Dissertação de Mestrado). Department of Service Management and Service Studies. Recuperado de: http://lup.lub.lu.se/student-papers/record/8947243

Wilson, E. C. (2004). A journey of her own?: The impact of constraints on women’s solo travel. Department of Tourism, Leisure, Hotel and Sports Management, Submitted. doi: https://doi.org/10.25904/1912/3676

Wilson, E., & Harris, C. (2006). Meaningful travel: Women, independent travel and the search for self and meaning. School of Tourism and Hospitality Management Papers, 54(2), 161”“ 172. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/37358209_Meaningful_travel_Women_independent_travel_and_the_search_for_self_and_meaning

Downloads

Publicado

2021-09-13

Como Citar

Resende Mario, L., Mitie Nagano, C., Cezar Cuzziol, E., & Borges, G. (2021). Turismo e Tendências Contemporâneas: Mulher como viajante solo. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 9(3), 272–288. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i3.35690

Edição

Seção

Artigos