Território usado, saúde indígena e Covid-19 no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/patryter.v4i8.35493

Palavras-chave:

Território usado. território indígena. saúde indígena. Covid-19.

Resumo

O presente trabalho parte do questionamento de como os novos hábitos da pandemia da Covid-19 interferem no cotidiano da comunidade Santuário Sagrado dos Pajés, em Brasília. Para tanto, elenca-se como objetivo geral, apreender possíveis alterações nas dinâmicas territoriais da comunidade indígena no contexto da Covid-19. A metodologia da pesquisa envolveu levantamentos bibliográficos, saídas de campo realizadas à área durante os anos de 2019 e 2020 e aplicação de entrevista virtual semiestruturada com a liderança da comunidade indígena, visando apreender aspectos de suas dinâmicas territoriais e de acesso à saúde. Como resultado, a pesquisa aponta alterações nas dinâmicas ritualísticas e nos encontros cotidianos da comunidade, além de aspectos como a demarcação do território, apropriação das técnicas de informação e comunicação, e acesso a sistemas de saúde especializados, como favoráveis à contenção dos casos de Covid-19 naquele contexto territorial

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Pedro Queiroz, Universidade de Brasília, UnB, Brasil

Programa de Pós-Graduaçao em Geografia, UnB

Beatriz Maia, Universidade Católica de Brasilia, UCB, Brasil

Graduada em Medicina, UCB, Brasil

Referências

Alves, L. (2020). (Des)esperanças em tempos de pandemia: problematizações sobre a covid-19 a partir da geografia crítica. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 25-35. https://doi.org/10.14393/Hygeia0054269

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil [APIB] (2020). Emergência indígena: plano de enfrentamento da COVID-19 no Brasil. https://emergenciaindigena.apiboficial.org/dados_covid19/.

Brayner, T. (2013). É terra indígena porque é sagrada: Santuário dos Pajés – Brasília/DF. (Tese de Mestrado em Antropologia Social). Universidade de Brasília, Brasília.

Coronavírus Brasil (2020). Painel Coronavírus. https://covid.saude.gov.br/.

Costa, E. & Alvarado-Sizzo, I. (2019). Heterotopia patrimonial: concepto para estudios latinoamericanos. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, 23(620), 1-31. https://doi.org/10.1344/sn2019.23.22329.

Costa, E. & Scarlato, F. (2019). Geografía, método y singularidades revisadas en lo empírico. GEOUSP: Espaço E Tempo (Online), 23(3), 640-661. https://doi.org/10.11606/issn.2179-92.geousp.2019.161552.

Costa, E. & Steinke, V. (2014). Brasília meta-síntese do poder no controle e articulação do territorio nacional. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografia y Ciencias sociales, 493(44), 1-27. https://revistes.ub.edu/index.php/ScriptaNova/article/view/15033/18385

Fundação Nacional de Saúde [FUNASA] (2009). Lei Arouca: a Funasa nos 10 anos de Saúde Indígena, 1-112. http://www.funasa.gov.br/site/wp-content/files_mf/livro-lei-arouca- 10anos.pdf

Guimarães, R., Catão, R., Martinuci, O., Pugliesi, E. & Matsumoto, P. (2020). O raciocinio geográfico e as chaves de leitura da Covid-19 no território brasileiro. Estudos Avançados, 34(99), 119-140. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.008.

Hoefel, M., Severo, D., Díaz, X., Hamann, E. & Carvalho, H. (2015). PET-Saúde Indígena UnB: construindo redes interculturais em saúde. Revista Tempus: Actas de Saúde Coletiva, 9(1), 43-63. http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/1691/1398'

Krenak, A. (2019). Ideias para adiar o fim do mundo. Companhia das Letras.

Lei nº 12.314/2010, 20 de agosto de 2010 (2010). Lei de criação da Secretaria Especial de Saúde Indígena é sancionada. Brasil. http://conselho.saude.gov.br/ultimas_noticias/2010/20_ago_lei_sesi.htm#:~:text=Foi%20publicada%2C%20nessa%20sexta%2Dfeira,comunidades%20de%20todo%20o%20Pa%C3%AD.

Luna, W., Malvezzi, C., Teixeira, K., Almeida, D. & Bezerra, V. (2020). Identidade, Cuidado e Direitos: a Experiência das Rodas de Conversa sobre a Saúde dos Povos Indígenas. Revista Brasileira de Educação Médica, 44(2), 1-9. https://doi.org/10.1590/1981-5271v44.2-20190309.

Mondardo, M. (2020). Povos indígenas e comunidades tradicionais em tempos de pandemia da Covid-19 no Brasil: estratégias de luta e r-existência. Finisterra, 55(115), 81-88. https://doi.org/10.18055/Finis20364.

Moore, A. (2018). Repensar a escala como uma categoria geográfica: da análise para a prática. GEOgraphia, 42(20), 3-24. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2018.v20i42.

Oliveira, J., Pereira, L. & Barreto, L. (2011). Laudo Antropológico Referente à diligência técnica realizada em parte da área da antiga Fazenda Bananal, também conhecida como Santuário dos Pajés, localizada na cidade de Brasília, Distrito Federal, 1-49. https://www.academia.edu/23279098/2011_Laudo_antropol%C3%B3gico_de_naturezaadministrativa_sobre_a_Terra_Ind%C3%ADgena_Santu%C3%A1rio_dos_Paj%C3%A9s_em_Bras%C3%ADlia_DF.

Rodrigues, A. (2012). La hegemonía del pensamiento neoliberal y el desarrollo sustentable. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, 16(418), 1-11. https://revistes.ub.edu/index.php/ScriptaNova/article/view/14858/18033.

Santos, M. & Silveira, M. (2008). O Brasil: Território e Sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record.

Santos, M. (1994). O retorno do território. In M. Santos, M. Souza & M. Silveira (Ed.). Território: globalização e fragmentação (pp. 15-20). São Paulo: Anpur/Hucitec.

Santos, M. (2000). O papel ativo da geografia: um manifesto. Revista Território, 5(9), 103-109. http://www.ub.edu/geocrit/b3w-270.htm.

Santos, M. (2001). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record.

Santos, M. (2006). A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Santos, M. (2014). Da Totalidade ao Lugar. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Scarlato, F. & Costa, E. (2017). A natureza do urbano. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie, (30), 1-21. https://doi.org/10.4000/confins.11676.

Seima, M., Michel, T., Méier, M., Wall, M. & Lenardt, M. (2011). A produção científica da enfermagem e a utilização da teoria de Madeleine Leininger: revisão integrativa 1985 - 2011. Escola Anna Nery, 15(4), 851-857. https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000400027

Théry, H. (2020). Como o coronavírus viaja pelo Brasil, três casos exemplares. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie, 45, 1-5. https://doi.org/10.4000/confins.28436

Downloads

Publicado

01-09-2021

Como Citar

Queiroz, P., & Maia, B. (2021). Território usado, saúde indígena e Covid-19 no Brasil. PatryTer, 4(8), 60–79. https://doi.org/10.26512/patryter.v4i8.35493

Edição

Seção

Artigos