Preservação patrimonial em áreas de urbanização dispersa (Teixeira de Freitas, Bahia, Brasil)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/patryter.v5i9.35449

Palavras-chave:

Patrimônio cultural. gestão patrimonial. planejamento urbano. urbanização dispersa.

Resumo

A integração de práticas preservacionistas às políticas de desenvolvimento local constitui um grande desafio ao planejamento urbano, sobretudo em cidades médias e pequenas. O município de Teixeira de Freitas, situado no sul do estado da Bahia, apresenta um acelerado processo de crescimento de forma dispersiva, fomentado sobretudo pela gestão municipal. O objetivo deste artigo é averiguar como o patrimônio ambiental urbano é considerado no processo de dispersão urbana que se consolida no Vetor Leste. A pesquisa qualitativa e exploratória, utiliza procedimentos de campo – entrevistas abertas e semiestruturadas com gestores e pesquisa documental em arquivos sobre a legislação e planos governamentais. Os resultados evidenciam a ausência de uma regulamentação explícita que possibilite que o patrimônio se integre a dinâmica urbana de uma forma planejada, além de desconsiderar os elementos relevantes do entorno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sthéphi Lubki Wagmacker, Faculdade do Sul da Bahia, FASB, Brasil

Professora de Arquitetura e Urbanismo da FASB

Melissa Ramos da Silva Oliveira, Universidade de Vila Velha, UVV, Espírito Santo, Brasil

Professora de Arquitetura e Urbanismo da UVV

Referências

Almeida, T. (2009). Cultivo de eucalipto no extremo sul da Bahia: modificações no uso da terra e socioeconômicas. (Dissertação em Desenvolvimento e Meio Ambiente). Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus.

Atlas Brasil. (2013). Perfil Demográfico: município Teixeira de Freitas (BA). http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/teixeira-de-freitas_ba.

Atlas Brasil. (1988). Inventário de proteção do acervo cultural da Bahia: monumentos e sítios do litoral sul. Salvador: Ipac.

Carta de Lisboa sobre reabilitação urbana integrada. (1995). https://www.culturanorte.gov.pt/wp-content/uploads/2020/07/1995__carta_de_lisboa_sobre_a_reabilitacao_urbana_integrada-1%C2%BA_encontro_luso-brasileiro_de_reabilitacao_urbana.pdf?x58978.

Capute, B. & Castriota, L. (2015). Os desafios da utilização de indicadores de sustentabilidade cultural no patrimônio ambiental urbano. Fórum e patrimônio: ambiente construído e patrimônio sustentável, 8(1), 1-18. https://www.academia.edu/24956625/OS_DESAFIOS_DA_UTILIZA%C3%87%C3%83O_DE_INDICADORES_DE_SUSTENTABILIDADE_CULTURAL_NO_PATRIM%C3%94NIO_AMBIENTAL_URBANO

Cartório de Registro de Títulos de Documentos. Comarca de Teixeira de Freitas-BA. (2001). Escritura de constituição da Fundação Quincas Neto. Bahia: Teixeira de Freitas.

Castriota, L. (2009). Patrimônio cultural: conceitos, políticas e instrumentos. São Paulo: Annablume.

Chatel, C. & Spósito, M. (2015). Forma e dispersão urbanas no Brasil: fatos e hipóteses. Primeiros do banco de dados Brasipolis. Revista Cidades, 12(21), 108-152. https://revista.fct.unesp.br/index.php/revistacidades/article/view/4870/3543

Choay, F. (2001). A alegoria do patrimônio. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista/ Estação Liberdade.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Diário Oficial da União, 5 de outubro de 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Decreto nº. 39/2001. Tombamento de patrimônio histórico da Fazenda Cascata. http://www.ipac.ba.gov.br/legislacao/estadual

Decreto nº. 10.039/2006. Institui normas de proteção e estímulo à preservação do patrimônio cultural do estado da Bahia. http://www.ipac.ba.gov.br/wp-content/uploads/2011/09/DECRETO1003906.pdf

Dócio, V. (2008). Análise de parte de cerâmica arqueológica proveniente do complexo turístico hoteleiro Terravista, Torto Seguro-BA. In Anais do IV Encontro Estadual de História (pp. 1-17). Natal, Brasil.

Farias, J. (2012). A periferia como ideia, a periferia como projeto. In Anais do V Congresso luso-brasileiro para o planejamento urbano, regional, integrado, sustentável (pp. 1-13). Brasília, Brasil.

Farias, J. (2014). A urbanização dispersa e a produção de vazios metropolitanos. In Anais do III Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Praduação em Arquitetura e Urbanismo (pp. 1-14). São Paulo, Brasil. https://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-3/htm/Artigos/ST/ST-HDC-005-5_FARIAS.ALMIR.pdf

Figueiredo, V. (2014). Patrimônio, cidade e política urbana. Hiatos e equívocos na legislação urbanística de São Paulo. Arquitextos, 14(168.02). https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/14.168/5219

Fundação Quincas Neto. (2001). Estatuto da fundação. Bahia, Teixeira de Freitas.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. (2018). Panorama geral do município de Teixeira de Freitas. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/teixeira-de-freitas/panorama

Iphan. Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. (1987). Carta de Petrópolis. http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Petropolis%201987.pdf

Iphan. Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. (1986). Carta de Washington. http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Washington%201986.pdf

Iphan. Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. (1975). Declaração de Amsterdã. http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Declaracao%20de%20Amsterda%CC%83%201975.pdf

Lefebvre, H. (1999). A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora da Universidade Federal de Minas Gerais.

Lei nº. 312, 25 de novembro de 2003. Zoneamento, uso e ocupação do solo do município. https://www.camaratf.ba.gov.br/leis-municipais-relacionadas-ao-planejamento-urbano/lei-312-2003_-zoneamento-uso-e-ocupacao-do-solo-do-municipio-4/

Lei nº. 424, 06 de setembro de 2007. Altera dispositivos do Plano Diretor Urbano. https://www.camaratf.ba.gov.br/wp-content/uploads/2013/01/lei4242007.pdf

Lei nº. 548, 16 de dezembro de 2010. Cria o Programa de Desenvolvimento Econômico – Prodetef. https://www.camaratf.ba.gov.br/wp-content/uploads/2013/01/LEI-548.2010-Cria-Programa-de-Desenvolviemnto-Econ%C3%B4mico-PRODETEF.pdf

Lei nº. 311, de 20 de abril de 2013. Dispõe sobre loteamentos e parcelamento do solo de Teixeira de Freitas – BA. https://www.camaratf.ba.gov.br/wp-content/uploads/2013/01/lei-311-2003-loteamento.pdf

Lei nº. 663, 06 de setembro de 2013. Autoriza doação de imóvel para o aeroporto. https://www.camaratf.ba.gov.br/wp-content/uploads/2013/06/Lei-n%C2%BA663.2013-Autoriza-doa%C3%A7%C3%A3o-de-im%C3%B3vel-para-o-aeroporto.pdf

Lei nº. 726, 23 de junho de 2014. Dispõe sobre regras para o disciplinamento do plantio do eucalipto. https://www.camaratf.ba.gov.br/wp-content/uploads/2014/03/Lei-n%C2%BA726.2014-Disp%C3%B5e-sobre-regras-para-o-disciplinamento-do-plantio-do-eucalipto.pdf

Lei nº. 310, de 23 de abril de 2018. PDU – Plano Diretor Urbano de Teixeira de Treitas – BA. https://www.camaratf.ba.gov.br/wp-content/uploads/2013/01/lei-310-2003-plano-diretor-urbano-de-teixeira-de-freitas.pdf

Lei nº. 10.257, de 10 de julho de 2001. Estatuto da Cidade. https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70317/000070317.pdf

Lei Orgânica do Município, de 14 de dezembro de 2016. Lei Orgânica Municipal. http://www.camaratf.ba.gov.br/wp-content/uploads/2011/02/LEI-ORG%C3%82NICA-MUNICIPAL-2016.pdf

Lemos, C. (1979). Participação em debate. In São Paulo (Estado). Secretaria de Negócios Metropolitanos. Emplasa. Comunidade em debate: patrimônio ambiental urbano (pp. 20-33). São Paulo: Emplasa.

Lencioni, S. (2015). Urbanização difusa e a constituição de megarregiões. O caso de São Paulo-Rio de Janeiro. E-metropolis, 22(6), 6-15. http://emetropolis.net/artigo/167?name=urbanizacao-difusa-e-a-constituicao-de-megarregioes-o-caso-de-sao-paulo-rio-de-janeiro

Limonad, E. (2007). Urbanização dispersa mais uma forma de expressão urbana? Formação, 14(1), 31-45. https://doi.org/10.33081/formacao.v1i14.705

Meneses, U. (1978). Patrimônio ambiental urbano: do lugar comum ao lugar de todos. Arquitetura, 5, 18-20. São Paulo.

Mesquita, E. (2020). Território usado e lógicas patrimoniais no Paraguai. PatryTer, 3(6), 167-184. https://doi.org/10.26512/patryter.v3i6.32283

Monte-Mór, R. (1994). Urbanização extensiva e lógicas de povoamento: um olhar ambiental. In M. Santos, M. Souza & M. Silveira (Ed.). Território: globalização e fragmentação (pp. 169-181). São Paulo: Hucitec.

Ojima, R. (2007). Dimensões da urbanização dispersa e proposta metodológica para estudos comparativos: uma abordagem socioespacial em aglomerações urbanas brasileiras. Revista Brasileira de Estudos de População, 24(2), 277-300. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-30982007000200007

Oliveira, M. (2016). Intervenções urbanas e representações do centro de Campinas/SP: as inter-relações entre as verticalidades e as horizontalidades nos processos de refuncionalização urbana. Saarbrücken: Novas edições acadêmicas.

Ortiz, R. (1994). Cultura brasileira & identidade nacional. São Paulo: Braziliense.

Reis Filho, N. (2006). Notas sobre a urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes.

Sachs, I. (2008). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond.

Santin, J. & Marangon, E. (2008). O Estatuto da Cidade e os instrumentos de política urbana para proteção do patrimônio histórico: outorga onerosa e transferência do direito de construir. História, 27(2), 89-109. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-90742008000200006

Santos, C. (1986). Preservar não é tombar, renovar não é pôr tudo abaixo. Projeto, 86, 59-63. https://www.academia.edu/34601447/Preservar_n%C3%A3o_%C3%A9_tombar_renovar_n%C3%A3o_%C3%A9_por_tudo_abaixo

Santos, M. (2005). A urbanização brasileira. São Paulo: Edusp.

Souza, M. (2019). Território usado, rugosidades e patrimônio cultural: refletindo sobre o espaço banal. Um ensaio geográfico. PatryTer, 2(4), 1-17. https://doi.org/10.26512/patryter.v2i4.26485

Spósito, M. (2015). Prefaciando o tema: urbanização difusa e cidade dispersa. Revista Cidades, 12(21), 2-13. https://revista.fct.unesp.br/index.php/revistacidades/issue/view/285/showToc

Tourinho, A. & Rodrigues, M. (2016). Patrimônio ambiental urbano: uma retomada. Revista CPC, 22, 70-91. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1980-4466.v0i22p70-91

UNEB. Universidade do Estado da Bahia. (2011). Projeto de pesquisa do colegiado de história. Fazenda Cascata: história e memória. Bahia, Teixeira de Freitas.

UNEB. Universidade do Estado da Bahia. (2012). Relatório do projeto de pesquisa do colegiado de história. Fazenda Cascata: história e memória. Bahia, Teixeira de Freitas.

UESC. Universidade Estadual de Santa Cruz. (2009). Parecer técnico nº01/04. Ocorrência arqueológica na Fazenda Cascata, Teixeira de Freitas-BA. Ilhéus.

Vargas, H. & Castilho, A. (2006). Intervenções em centro urbanos: objetivos, estratégias e resultados. In H. Vargas & A. Castilho (Org.). Intervenções em centros urbanos (pp. 1-51). Barueri: Manole.

Yázigi, E. (2012). O patrimônio ambiental urbano: uma conceituação ampliada e aperfeiçoada. Revista Hospitalidade, 9(1), 22-51. http://www.revhosp.org/ojs/index.php/hospitalidade/article/viewFile/471/499

Downloads

Publicado

01-03-2022

Como Citar

Wagmacker, S. L. ., & Oliveira, M. R. da S. (2022). Preservação patrimonial em áreas de urbanização dispersa (Teixeira de Freitas, Bahia, Brasil). PatryTer, 5(9), 88–103. https://doi.org/10.26512/patryter.v5i9.35449

Edição

Seção

Artigos