Romper as cercas da ignorância, que produz a intolerância”: O papel de Paulo Freire e da extensão universitária na formação para emancipação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistainsurgncia.v8i1.40692

Palavras-chave:

extensão universitária; assessoria jurídica universitária popular, educação popular; Paulo Freire.

Resumo

O artigo tem como objetivo apresentar as contribuições da extensão universitária e do pensamento de Paulo Freire ao ensino jurídico, com base na experiência do Núcleo de Assessoria Jurídica Universitária Popular (NAJUP) Luiza Mahin (FND/UFRJ). Compreendendo que é da pedagogia crítica e dialógica que se instaura da relação com o oprimido, que serão possíveis mudanças no padrão hegemônico do campo jurídico. 

Biografia do Autor

Mariana Trotta Quintans, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mariana Trotta Dallalana Quintans, professora associada da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e do programa da pós-graduação em políticas públicas e direitos humanos (PPDH/UFRJ). Doutora em Ciências Sociais pelo CPDA/UFRRJ. Mestra em direito pela PUC-Rio. Advogada Popular e Coordenadora do grupo de pesquisa Direitos Humanos e o impacto da pandemia da Covid-19 na vida das mulheres da FND/UFRJ. Também coordena o curso de extensão de formação de Promotoras Legais Populares (PLPs) da Faculdade de Direito da UFRJ e o NAJUP Luiza Mahin.

Referências

ALMEIDA, Ana Lia. Um estalo nas faculdades de direito: perspectivas ideológicas das assessorias jurídicas universitárias populares. Tese de doutorado. UnB, Brasília, 2015.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Vol. 1 – obras escolhidas. São Paulo, ed. Brasiliense, 1987.

BHATTACHARYA, Tithi. O que é a teoria da reprodução social? 2019. Acessível em https://esquerdaonline.com.br/2019/03/08/tithi-bhattacharya-o-que-e-a-teoria-da-reproducao-social/

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico, 7a edição. Tradução: Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

CISNE, Mirla. Feminismo e consciência de classe no Brasil. São Paulo: Cortez, 2014.

EROUTHS JUNIOR, Cortiano. O Discurso Jurídico da Propriedade e suas Rupturas. Rio de Janeiro: Editora Renovar, Biblioteca de Teses, 2002.

FRAGALE FILHO, Roberto. Ensino jurídico: As transformações de um processo formativo capturado pela corporação advocatícia. Trabalho apresentado no XIV Congresso Brasileiro de Sociologia da SBS, Rio de Janeiro, 2009.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido, 17a edição. Rio de Janeiro: editora Paz e Terra, 1987.

FONSECA, Lívia Gimenes Dias da. A luta pela liberdade em casa e na rua: a construção do Direito das mulheres a partir do projeto Promotoras Legais Populares do Distrito Federal. Dissertação (Mestrado em Direito). Universidade de Brasília, UnB, 2012.

FORPROEX. Política Nacional de Extensão Universitária, Manaus, 2012.

IASI, Mauro. As metamorfoses da consciência de classe: o PT entre a negação e o consentimento. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

GURGEL. Thizá. A luta pelo direito à cidade na comunidade da Estradinha: da resistência dos moradores à formação de uma rede. Monografia. Faculdade de Direito (UFRJ). 2018.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

hooks, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: editora Elefante, 2020.

MACHADO, Antônio Alberto. Ensino jurídico e mudança social, 2a edição. São Paulo. Editora Expressão Popular, 2009.

MIGNOLO, W. Desobediência Epistêmica: A opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, Rio de Janeiro, n. 34, p. 287 – 324, 2008. Disponível em: http://professor.ufop.br/sites/default/files/tatiana/files/desobediencia_epistemica_mignolo.pdf

PIRES, Thula e SILVA, Gisele. Movimentos de política criminal e ensino jurídico. In: BIRNFELD, Carlos (org.) Direito, educação, epistemologias, metodologias do conhecimento e pesquisa jurídica. Brasília: CONPEDI, 2016.

QUINTANS, Mariana Trotta. SOUZA, Anna Carolina. GOMES, Carolina Hennig. ALMEIDA, Maria Dandara. EVANGELISTA, Marina. GURGEL, Thiza. NASCIMENTO, Thuane. Assessoria Jurídica Universitária Popular no acompanhamento da ocupação das escolas estaduais no Rio de Janeiro. Trabalho apresentado no Seminário do IPDMS em Vitória da Conquista, Bahia, 2017.

QUINTANS, Mariana. (et al). 7 anos de luta: a trajetória do núcleo de assessoria jurídica universitária popular Luiza Mahin In: o direito como liberdade: 30 anos de o direito achado na rua, 2020, Brasília. Anais do seminário internacional - o direito como liberdade: 30 anos de o direito achado na rua, 2020

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. NOVOS ESTUDOS, nº79,NOVEMBRO, 2007. Acessível em https://www.scielo.br/j/nec/a/ytPjkXXYbTRxnJ7THFDBrgc/?lang=pt&format=pdf.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo. Para uma nova cultura política. (Para um novo senso comum. A ciência, o direito e a política na transição paradigmática. São Paulo, ed. Cortez, 2008;

SANTOS, Boaventura de Sousa e Meneses, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

SEVERI, Fabiana (et ali.) Cartografia social e análise das experiências de assessorias jurídicas universitárias populares brasileiras: Relatório de pesquisa. Ribeirão Preto, USP, 2014.

SEVERI, Fabiana. O gênero da justiça e a problemática da efetivação dos direitos humanos das mulheres. Revista Direito e Práxis. UERJ, v.7, n.1, 2016.

Downloads

Publicado

31.01.2022

Como Citar

QUINTANS, M. T.; VIEIRA , F. M. da C. .; NASCIMENTO , M. .; TAVARES , A. C. .; CARNEVALE , V. . Romper as cercas da ignorância, que produz a intolerância”: O papel de Paulo Freire e da extensão universitária na formação para emancipação . InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 8, n. 1, p. 199–222, 2022. DOI: 10.26512/revistainsurgncia.v8i1.40692. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/40692. Acesso em: 17 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)