O Governo das Condutas e a Constituição da Subjetividade

Um Estudo da Sociedade de Controle de Tipo Algorítmica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v8i3.34460

Palavras-chave:

Governamentalidade. Algoritmo. Big Data. Data Science. Controle.

Resumo

O presente artigo parte da transição discreta entre as sociedades disciplinares para as sociedades de controle que, em tese, se realizada pela utilização das tecnologias de vigilância e a produção das Big Datas. A partir dessa premissa o artigo busca na relação de dados e algoritmos as condições de possibilidade de uma governamentalidade algorítmica que transforma as subjetividades dos indivíduos em perfis gerados pelas tecnologias, como forma de compreensão da sociedade. Com isso, o estudo tem por objetivo compreender como a governamentalidade algorítmica influencia na construção da realidade subjetiva e social através das tecnologias de comunicação e informação que se alimentam com dados, que logo, através da Data Science, se torna em algo utilizável a favor do controle das populações. Por fim, conclui-se que o futuro estará cada vez mais entrosado com a sociedade de controle algorítmica, e que, precisamos ser críticos com os eventos relacionados à tecnologia, à ciência e a sociedade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sergio Fernando M. Corrêa, Instituto Federal Catarinense, IFC

Professor de Filosofia do Instituto Federal Catarinense (IFC) ”“ Campus Videira. Doutor em Filosofia pela UNISINOS.

Salomón Abasto Macías, Instituto Federal Catarinense, IFC

Acadêmico da oitava fase do Bacharelado em Ciência da Computação do Instituto Federal Catarinense (IFC)

Referências

ASSANGE, Julian. Cypherpunks: liberdade e o futuro da internet. (Trad. Cristina Yamagani). São Paulo: Boitempo, 2013.

BRASIL. Decreto 10.046 de 09 de outubro de 2019. Dispõe sobre a governança no compartilhamento de dados no âmbito da administração pública federal. Diário Oficial da União: Brasília, DF. Ed. nº 197, seção 1, pp. 2-5, out. 2019.

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia, subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2013.

CARDON, Dominique. A quoi rêvent les algorithmes: nos vies à l’heure des big data. Paris: Le Seuil, 2015.

COMITÊ INVISÃVEL. Aos Nossos Amigos: crise e insurreição. (Trad.: Edições Antipáticas). São Paulo: n-1 Edições, 2016.

CORMEN, Thomas H. Desmistificando algoritmos. (Trad. Arlete Simille Marques). Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

DELEUZE, Gilles. Conversações: 1972-1990. (Trad. Peter Pal Pelbart). São Paulo: Ed. 34, 1992.

EMPOLI, Giuliano da. Os engenheiros do Caos. (Trad. Arnaldo Bloch). São Paulo: Vestígio, 2020.

FIGUEIREDO, Carlos. Algoritmos, subsunção do trabalho, vigilância e controle: novas estratégias de precarização do trabalho e colonização do mundo da vida. Revista Eptic. Aracajú, Vol. 21, nº. 1, pp. 156-172, 2019.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 42ª ed. (Trad. Raquel Ramalhe). Petrópolis: Vozes, 2014.

__________. Segurança, Território e População: curso dado no Collège de France (1977-1978.) (Trad. de Eduardo Brandão). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

LEVY, Pierre. Cyberculture. Paris: Odile Jacob, 1997.

MACCORMICK, Jonh. What Can Be Computed? A practical guide to the theory of computation. London: Princeton University Press, 2018.

MIÈGE, Bernard. O espaço público: perpetuado, ampliado e fragmentado. (Trad. Andréia Monteiro). São Paulo, Novos Olhares, nº 14, vol. 2, pp. 4 -11, 2004.

O’NEIL, Cathy. Armas de detrucción matemática: cómo el Big Data aumenta la desigualdad y amenaza la democracia (Trad. Violeta Arranz de la Torre). Madrid: Editorial Capitán Swing, 2017.

PEIRANO, Marta. El Enemigo Conoce el Sistema: manipulación de ideas, personas e influencias después de la economía de la atención. Barcelona: Debate, 2019.

ROUVROY, Antoinette; BERNS, Thomas. Gouvernementalité Algorithmique et Perspectives D'émancipation : Le disparate comme condition d'individuation par la relation ? Réseaux, Paris, vol. 1, n° 177, pp. 163-196, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.3917/res.177.0163 Acesso em 07 de jul. 2020.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do Espelho: Uma Teoria da Comunicação Linear e em Rede. 8ª Ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

TELES, Edson. Governamentalidade Algorítmica e as Subjetivações Rarefeitas. KRITERION, Belo Horizonte, nº. 59, pp. 429-448, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0100-512x2018n14005et Acesso em 06 de jul. 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-31

Como Citar

M. CORRÊA, S. F.; MACÍAS, S. A. . O Governo das Condutas e a Constituição da Subjetividade: Um Estudo da Sociedade de Controle de Tipo Algorítmica. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 137–153, 2021. DOI: 10.26512/rfmc.v8i3.34460. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/34460. Acesso em: 19 out. 2021.