Entrevista com Antoinette Rouvroy

Governamentalidade Algorítmica e a Morte da Política

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v8i3.36223

Palavras-chave:

Governamentalidade Algorítmica. Política. Big Data.

Resumo

Antoinette Rouvroy é sem dúvida umas das principais referências mundiais no que se refere ao uso dos big data e de algoritmos nas sociedades modernas, tendo cunhado o termo, juntamente com Thomas Berns, de “governamentalidade algorítmica”, agora bastante estudado e difundido. Nesta entrevista, encaminhada com exclusividade à Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, a pesquisadora afirma que certas tecnologias pretenderiam eliminar as incertezas sobre o futuro, interferindo e moldando comportamentos humanos. Apesar de tecer duras críticas à atual  “sociedade da otimização”, na qual se destacam ao mesmo tempo o afã de otimização e ao mesmo tempo a espantosa passividade digital, também declara ter esperanças em um futuro não tão distópico. Segundo ela, “a melhor forma de resistência é não se deixar fascinar pela Inteligência Artificial”. Por fim, revela que é preciso lidar com o fato de que os dados são excessivamente centralizados por grandes companhias e fora de qualquer controle de natureza democrática. Portanto, segundo Rouvroy, é preciso repensar profundamente a situação dos dados, para que as instituições possam exercer algum papel, garantindo a transparência e a finalidade de sua utilização. A entrevista foi concedida originariamente ao Green European Journal, em inglês, em março de 2020. Aqui trazemos a versão revista e ampliada pela autora, com passagens inéditas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Antoinette Rouvroy, Centro de Pesquisa em Informação, Direito e Sociedade (CRIDS/Bélgica)

Doutora em Ciências Jurídicas pelo Instituto Universitário Europeu (Florença, 2006), é pesquisadora da FNRS no Centro de Pesquisa em Informação, Direito e Sociedade (CRIDS/Bélgica). Desde 2000, seu trabalho se concentra nas relações entre direito, construção e métodos de risco, ciência e tecnologia, e governamentalidade neoliberal.

Maria Cecília Pedreira de Almeida, Universidade de Brasília, UnB

Professora do departamento de filosofia da Universidade de Brasília (UnB). Doutora em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP).

Marco Antonio Sousa Alves, Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG

Professor da faculdade de direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutor em filosofia pela UFMG.

Referências

ADAMS, Ross Exo "Becoming Infrastructural", 2017. https://www.e-flux.com/architecture/positions/149606/becoming-infrastructural/

AGAMBEN, G. Meios sem fim: notas sobre a política. Trad. Davi Pessoa Carneiro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

AGAMBEN, G. Moyens sans fins. Notes sur la politique, Paris, Payot & Rivages, 2002 [1993].

GUATTARI, Félix; DELEUZE, Gilles. A Thousand Plateaus. 1980.

HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. La dialectique de la raison, 1944.

PELLIZZONI, L. "Governing through disorder: neoliberal environmental governance and social theory ", Global Environmental change 21(2011).

ROSSET, Clément. Le Réel. Traité de l'idiotie, Minuit, 1977/2004.

ROUVROY, A. Human Genes and Neoliberal Governance. A Foucauldian Critique, Routledge-Cavendish, 2017. MALABOU, Catherine. The Ontology of the Accident: An Essay on Destructive Plasticity. Polity, 2012.

THYLSTRUP, Nanna Bonde "Data out of place: toxic traces and the politics of recycling", Big data & society, setembro de 2019.

Downloads

Publicado

2021-01-31

Como Citar

ROUVROY, A. .; ALMEIDA, M. C. P. de .; ALVES, M. A. S. . Entrevista com Antoinette Rouvroy: Governamentalidade Algorítmica e a Morte da Política. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 15–28, 2021. DOI: 10.26512/rfmc.v8i3.36223. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/36223. Acesso em: 19 out. 2021.