Passagem e Progresso na Antropologia de Kant

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v7i3.28542

Palavras-chave:

Passagem, Progresso, Liberdade, Natureza, Antropologia

Resumo

Esse artigo tem como objetivo analisar como a antropologia pode representar um modo de realização da passagem entre liberdade e natureza no pensamento de Kant. Assim, pretendemos deixar claro que o problema inaugurado nas introduções à Crítica da Faculdade de Julgar, sobre a possibilidade de uma passagem entre o abismo aparentemente intransponível da liberdade e da natureza se torna possível não apenas a partir das reflexões realizadas sobre a faculdade de julgar e suas implicações nos juízos de gosto sobre o belo e nos juízos de finalidade, mas, também, a partir da tese do progresso presente na filosofia da história de Kant que recebe uma de suas formas de realização nas questões que envolvem a natureza humana (antropologia).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Djalma Braga Junior, Universidade Positivo/ Universidade Federal do Paraná, UFPR

Professor da Universidade Positivo. Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Referências

KANT, Immanuel. Gesammelte Schriften. Hrsg.: Bd. 1-22 Preussische Akademie der Wissenschaften, Bd. 23 Deutsche Akademie der Wissenschaften zu Berlin, ab Bd. 24 Akademie der Wissenschaften zu Göttingen. Berlin 1900ss;

______. Anthropologie in pragmatischer Hinsicht. Trad. Clélia Aparecida Martins. São Paulo, Iluminuras, 2006 (AA 07);

______. Briefe. Bd. 10-13;

______. Grundlegung zur Metaphysik der Sitten. Trad. Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2007. (AA 04);

______. Idee zu einer allgemeinen Geschichte in weltbürgerlicher Absicht. Trad. Rodrigo Novaes e Ricardo R. Terra. São Paulo: Martins Fontes, 2016. (AA 08);

______. Kritik der praktischen Vernunft. Edição Bilíngue. Trad. Valério Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2003. (AA 05);

______. Kritik der reinen Vernunft. Trad. de Manuela Pinto dos Santos, 5ª Edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. (A 1781, B 1789);

______. Kritik der Urteilskraft. Trad. de Fernando Costa Mattos. Petrópolis: Editora Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2016. (AA 05);

______. Textos Seletos. 7 ed. Petrópolis: Vozes, 2011. (Coleção textos filosóficos);

FIGUEIREDO, Vinicius B. Crítica e Antropologia em Kant. In. SANTOS, L. R. dos. Was is der Mensch?/ Que é o homem? Antropologia, Estética e Teleologia em Kant. Lisboa: Centro de Filosofia de Lisboa, 2010;

KLEIN, Joel Tiago. Kant e a Ideia de uma história universal. São Paulo: Edições Loyola, 2016;

LOUDEN, Robert B. Kant’s impure ethics: from rational beings to human beings. USA: Oxford Universtiy Press, 2000;

______. “A Segunda parte da Moral”: a Antropologia Moral de Kant e sua relação com a Metafisica dos Costumes. Revista Ethic@, Florianópolis, vol 1, nº 1, p. 27-46, 2002;

OLIVEIRA, Manfredo. A. de. A antropologia na filosofia de Kant. Revista de Ciências sociais, vol. IX, nº 1 e 2 pág. 127-140, 1978;

Downloads

Publicado

2020-01-26

Como Citar

BRAGA JUNIOR, A. D. Passagem e Progresso na Antropologia de Kant. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 225–242, 2020. DOI: 10.26512/rfmc.v7i3.28542. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/28542. Acesso em: 19 abr. 2021.