Objetivação e Poder: Das “Práticas Divisoras” do Sujeito à “Crítica” em Michel Foucault

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v7i1.22030

Palavras-chave:

Foucault. Sujeito. Poder. Poder de Objetivação

Resumo

Apesar de geralmente se dividir a obra foucaultiana em horizontes temáticos fixos: o saber na fase arqueológica, o poder na fase genealógica e a ética na fase da genealogia da ética –, este autor chegou a dizer que foi o sujeito o foco principal das suas pesquisas. Ou seja, que tudo giraria em torno dessa noção. Mas de qual sujeito Michel Foucault estaria falando? O presente artigo busca mostrar o tratamento específico dado pelo autor acerca de tal conceito, dando realce aos processos de objetivação que o atravessam, ao invés de se pensar em alguma teoria definitiva, acabada ou autônoma de sujeito, como encontramos em boa parte da tradição filosófica.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Alberto da Costa Rocha, Universidade Estadual de Feira de Santana, UEFS

Professor Adjunto de Filosofia da Universidade Estadual de Feira de Santana-Ba., da qual é docente desde 1991. Doutor em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA, 2013), Mestre em Filosofia (UNICAMP, 1999), Especialista em Comunicação e Cultura Contemporâneas (UFBA, 1992), graduado em Filosofia (UFBA, 1990). Acumulou, até março de 2009, dois mandatos como Diretor de Departamento (UEFS-DCHF).Área principal de atuação: os às vezes chamados de "filósofos pós-estruturalistas", sobretudo Deleuze e Michel Foucault, tendo como horizonte certo diálogo com o pensamento de filósofos ligados à Fenomenologia e ao Existencialismo (em especial Husserl e Merleau-Ponty), buscando marcar a partir desse embate seus contrastes e ultrapassamentos. É um dos coordenadores do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/UEFS) do subprojeto de Filosofia desde de maio de 2013 na UEFS, Tem experiência como professor de pós-graduação na disciplina Metodologia da Pesquisa Científica e em disciplina temática sobre Michel Foucault.

Aline Santana dos Santos Rocha, Universidade Salvador, UNIFACS

Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS (2006) e mestrado em História pela UEFS (2011). Foi coordenadora administrativa e pedagógica da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC). Tem experiência no ensino de pós-graduação nas disciplinas Metodologia da Pesquisa Científica (FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciência) e Mobilização Social (Faculdade Nobre - FAN). Foi professora da Escola de Negócios do Estado da Bahia (ENEB) da disciplina Sociologia, para o curso de Administração, Sociologia da Educação, para o curso de Pedagogia, e Metodologia da Pesquisa Científica também em nível de graduação. Leciona atualmente na UNIFACS - LAUREATE/ Feira de Santana e UNIRB-FARB em disciplinas de Projeto integrador, Comunicação, Fundamentos. Tem experiência na área de História, com ênfase em história da cultura afro-brasileira. Foi professora pesquisadora da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), pelo programa Universidade Aberta do Brasil (UAB). Tem livro publicado pela Editora UEFS (2016) com o Título:"Escravidão e liberdade no sertão das Umburanas (1850-1888)". Professora pesquisadora, com projeto de extensão ( FUSCA) - Festival Unifacs de Sustentabilidade, Cultura e Arte e extensionista do ( ASCENDO), além de coordenadora do laboratório de comunicação da mesma instituição.

Publicado

2019-05-13

Como Citar

ROCHA, J. A. DA C.; ROCHA, A. S. DOS S. Objetivação e Poder: Das “Práticas Divisoras” do Sujeito à “Crítica” em Michel Foucault. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 7, n. 1, p. 31-60, 13 maio 2019.