Estevão de Rezende Martins e a ciência da mediação

Autores

  • Arthur Alfaix Assis

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i34.28168

Palavras-chave:

Não há

Resumo

Esta contribuição aborda a trajetória acadêmica de Estevão de Rezende Martins, um dos mais importantes humanistas hoje em atuação no espaço universitário brasileiro. São arroladas várias das suas realizações profissionais (na universidade e em outras instituições) e analisados os seus principais escritos ”“ os quais se concentram em temas como a história das ideias na era do Iluminismo, a teoria e a metodologia da história, o ensino de história, a história das instituições parlamentares e o processo da unificação europeia. Alguns dos objetivos são colocar em relevo a vocação interdisciplinar subjacente às pesquisas e às práticas profissionais de Estevão Martins, e ilustrar como tal orientação o tornou apto para desempenhar um (imprescindível e cada vez mais negligenciado) papel de mediador entre diferentes domínios e tradições das ciências humanas. Para além dos propósitos informativo e analítico, o texto também guarda um forte caráter comemorativo, pois remonta ao discurso lido em dezembro de 2018 na cerimônia de outorga do título de professor emérito pela Universidade de Brasília.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acham, Karl. “Concepções do progresso na teoria social e na teoria da história. Uma investigação de história das idéias”. Trad. Estevão de Rezende Martins. Leopoldianum, v. 16, n. 45 (1989), 23-42.

Acham, Karl. “Ciência social teórica e explicação histórica. Considerações metodológicas”. Trad. Estevão de Rezende Martins. Síntese. Nova Fase, v. 19, n. 57 (1992), 179-197.

Acham, Karl. “A compreensão histórica entre ceticismo e arbitrariedade: algumas considerações sobre as variantes recentes do relativismo histórico e cultural”. Trad. Estevão de Rezende Martins. História da Historiografia, n. 7 (2011), 201-224.

Araújo, Andre de Melo; Assis, Arthur Alfaix; Mata, Sérgio da. “Prefácio”. In: A. Araújo; A. A. Assis; S. Mata (orgs.). Entre filosofia, história e relações internacionais: escritos em homenagem a Estevão de Rezende Martins (São Paulo: LiberArs, 2017), 9-12.

Assis, Arthur Alfaix. “História, teoria e liberdade. Saudação a Jörn Rüsen”. Revista de Teoria da História, v. 20, n. 2 (2018), 266-273.

Certeau, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

Humboldt, Wilhelm von. “Sobre a tarefa do historiador” [1821]. In: Martins, Estevão (org.). A História Pensada. Teoria e Método da Historiografia Europeia do Século XIX: Teoria e Método na Historiografia Europeia do Século XIX. (São Paulo: Contexto, 2010), 82-100.

Martins, Estevão de Rezende. “O argumento ontológico na introdução a ‘O Ser e o Nada’ de Jean-Paul Sartre”. Convivium, v. 14 (1975), 238-254.

Martins, Estevão de Rezende. Studien zu Kants Freiheitsauffassung in der vorkritischen Periode ”“ 1747-1770 (Augsburg: Blasaditsch, 1976).

Martins, Estevão de Rezende. “Autonomia e liberdade. A influência de Rousseau sobre a ética pré-crítica de Kant”. Revista Latinoamericana de Filosofia, v. 4 (1978), 99-117.

Martins, Estevão de Rezende. “Sentido e compreensão em História. Por uma teoria transcendental da história”. Leopoldianum, v. 6, n. 12 (1979-a), 25-36.

Martins, Estevão de Rezende. “Cafe et politique: groupes d'interet a Campinas (1880-1900). Revue Française d’Histoire d’Outre-Mer, v. 66, n.244/245 (1979-b), 421-433.

Martins, Estevão de Rezende. “O caminho para a autonomia. Baumgarten e a concepção da liberdade no Kant pré-crítico”. Revista Latinoamericana de Filosofia, v. 6, n. 2 (1980), 99-117.

Martins, Estevão de Rezende. “O uso das categorias na ciência histórica”. Leopoldianum, v. 10, n. 20 (1982), 5-24.

Martins, Estevão de Rezende. “O moralismo escocês do séc. XVIII e a concepção de liberdade no Kant pré-crítico”). Revista Portuguesa de Filosofia, t. 39, fasc. 3 (1983-a), 294-311.

Martins, Estevão de Rezende. “Atualidade e relevância da teoria da história”. Revista da Sociedade Brasileira de Pesquisa Histórica, n. 1 (1983-b), 49-58.

Martins, Estevão de Rezende. “O problema da objetividade nas ciências sociais”. Revista Brasileira de Filosofia, v. 34 (1984), 147-172.

Martins, Estevão de Rezende. “La revolution comme concept. Itineraire d'un probleme moderne. In: Michel Vovelle. (Org.). L’Image de la Revolution Française (Paris: Pergamon, 1990-a), 1141-1148.

Martins, Estevão de Rezende. “La Révolution au Brésil: l'idée du nouveau et du définitf”. Cahiers des Amériques Latines, v. 10, (1990-b), 81-89.

Martins, Estevão de Rezende. “Consciência histórica, prática e cultura: a propósito da teoria da história de Jörn Rüsen”. Síntese. Nova Fase, v. 19, n. 56 (1992), 59-73.

Martins, Estevão de Rezende. “Crusius e Kant. Crítica do racionalismo”. Revista Portuguesa de Filosofia, t. 50, fasc. 1/3 (1994), 253-260.

Martins, Estevão de Rezende. Relações internacionais: cultura e poder (Brasília: IPRI, 2002).

Martins, Estevão de Rezende; Brignoli, Héctor Pérez (orgs.). Teoría y metodología en la Historia de América Latina (Madri: Trotta, 2006) [Historia General de América Latina, vol. 9].

Martins, Estevão de Rezende. “História e política no pensamento de Nicolau de Cusa”. In: Ernildo Stein. (Org.). A Cidade dos Homens e a Cidade de Deus (Porto Alegre: EST, 2007), 214-230.

Martins, Estevão de Rezende (org.). A História Pensada. Teoria e Método da Historiografia Europeia do Século XIX: Teoria e Método na Historiografia Europeia do Século XIX (São Paulo: Contexto, 2010-a).

Martins, Estevão de Rezende. “A culpa é de Hobbes e de Hume” [Entrevista a Ana Carolina Barbosa Pereira e Arthur Alfaix Assis]. História da Historiografia, n. 4 (2010-b), 390-405.

Martins, Estevão de Rezende. “História: conhecimento, verdade, argumento”. Dimensões, v. 24 (2010-c), 5-32.

Martins, Estevão de Rezende. Parcerias Almejadas: Política externa, segurança, defesa e história na Europa (Belo Horizonte: Fino Traço, 2012).

Martins, Estevão de Rezende. Teoria e filosofia da história. Contribuições para o ensino de história (Curitiba: W.A., 2017).

Mata, Sérgio da. “Anti-anti-iluminismo: a teoria da história segundo Estevão de Rezende Martins”. ArtCultura, v. 21, n. 38 (2019), 199-205.

Meier, Christian. Política e graça. Trad. Estevão de Rezende Martins. (Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1997).

Popper, Karl. Lógica das ciências sociais. Trad. Estevão de Rezende Martins; Apio Cláudio Muniz Filho; Vilma de Oliveira Moraes e Silva (Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1979).

Röd, Wolfgang. O caminho da filosofia, v. 2: Do século XVII ao século XX. Trad. Maurício Cardozo; Caio Pereira; Roniere do Amaral (Brasília: Ed. UnB, 2008).

Rüsen, Jörn. Razão histórica: os fundamentos da ciência histórica (Brasília: Ed. UnB, 2001).

Rüsen, Jörn. Reconstrução do passado: os princípios da pesquisa histórica (Brasília: Ed. UnB, 2007-a).

Rüsen, Jörn. História viva: formas e funções do conhecimento histórico (Brasília: Ed. UnB, 2007-b).

Rüsen, Jörn. Teoria da história. Uma teoria da história como ciência (Curitiba: Ed. UFPR, 2015).

Saraiva, José Flávio Sombra. “Estevão de Rezende Martins: um intelectual polivalente”. In: A. Araújo; A. A. Assis; S. Mata (orgs.). Entre filosofia, história e relações internacionais: escritos em homenagem a Estevão de Rezende Martins. (São Paulo: LiberArs, 2017), 315-322.

Downloads

Publicado

2019-11-10

Como Citar

ALFAIX ASSIS, A. Estevão de Rezende Martins e a ciência da mediação. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 34, p. 107–121, 2019. DOI: 10.26512/emtempos.v1i34.28168. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/28168. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos