PENSAR ALIANÇAS

O DESAFIO DA PROPOSIÇÃO COSMOPOLÍTICA PARA UMA ECONOMIA DE TRANSIÇÃO

Autores

  • Júlia Gonçalves Silva

DOI:

https://doi.org/10.26512/dasquestoes.v8i2.37661

Palavras-chave:

Cosmopolítica, Alianças, Economia, Teoria Ator-Rede

Resumo

A proposição cosmopolítica se coloca como grande desafio: enxergar o mundo como único mas não unívoco, aceitar um mundo com muitos mundos. A América Latina é lócus de inúmeras subjetividades sobre Gaia, que se distanciam da visão da natureza como um recurso ou um “bem comum a todos”, uma tônica muito presente na cosmologia/projeto moderno. A Economia Verde, concebida como continuidade renovada da economia capitalista, funciona como uma forma de economia espelho: é justamente a contaminação e a escassez dos recursos que geram valor aos novos “ativos ambientais” impulsionando a narrativa do desenvolvimento. Este movimento caracteriza-se também pela produção da indiferença, a codificação paranoica em normas, categorias e números, assim como por diversas operações de abstração que pretendem racionalizar o mundo a partir de lógicas empresariais. “Pensar em deslocar o que antes era uma narrativa de desenvolvimento para uma narrativa de sobrevivência implica que nós, como pesquisadores, como cientistas, como terranos, não podemos mais contar as mesmas histórias” (LATOUR, 2020). O objetivo desse ensaio é pensar em alianças na transição para um sistema de geração em um mundo finito do Antropoceno, em que seres humanos e não-humanos estão emaranhados de forma interdependente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

LATOUR, B. Qual cosmos, quais cosmopolíticas? Comentário sobre as propostas de paz de Ulrich Beck. In Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, n.69, 2018. 427-441.

LATOUR, B. Onde aterrar? Como se orientar politicamente no antropoceno. Ed. Bazar do Tempo. 2020.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 Ed., 2018.

MORENO, Camila. As roupas verdes do rei: economia verde, uma nova forma de acumulação primitiva”. In: DILGER, Gerhard; LANG, Miriam; PEREIRA FILHO, Jorge (orgs.). Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. Tradução de Igor Ojeda. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, p. 256-293. 2016

MUCCILLO, Luísa. Imaginando o animal em um mundo industrial. In. DasQuestões, Vol.8, n.2, abril de 2021. p. 100-105.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. In: Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 5, p. 7–41, 2009

ESCOBAR, Arturo. El ‘postdesarrollo’ como concepto y práctica social. In Daniel Mato (org.), Políticas de Economía, Ambiente y Sociedad en Tiempos de Globalización. Caracas, Universidad Central de Venezuela, 17-31. 2005

STENGERS, Isabelle. No tempo das catástrofe: resistir à barbárie que se aproxima. Cosac & Naify, 2015

STENGERS, Isabelle. A proposição cosmopolítica. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, n. 69, 442-464. 2018

Downloads

Publicado

2021-04-25

Como Citar

GONÇALVES SILVA, Júlia. PENSAR ALIANÇAS: O DESAFIO DA PROPOSIÇÃO COSMOPOLÍTICA PARA UMA ECONOMIA DE TRANSIÇÃO. Das Questões, [S. l.], v. 8, n. 2, 2021. DOI: 10.26512/dasquestoes.v8i2.37661. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/dasquestoes/article/view/37661. Acesso em: 12 jul. 2024.