Turismo Ferroviário

Contribuições e Entraves do Grupo de Trabalho Interministerial para Gestão Responsável do Patrimônio Ferroviário Brasileiro

  • Vânia Oliveira Antunes Instituo Federal Farroupilha
  • Flávia Luciane Scherer Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Gestão Pública, Turismo Ferroviário, Políticas Públicas, Bens Ferroviários.

Resumo

Este trabalho objetivou analisar as contribuições do Grupo de Trabalho Interministerial (GT) do Turismo Ferroviário proposto pelo Ministério do Turismo do Brasil e oficializado pela Portaria nº 18/2010. Como cenário do estudo descreveu-se a estrutura de gestão do patrimônio ferroviário brasileiro e a proposta do GT. A seguir buscou-se identificar as contribuições relacionados às ações deste grupo, e, por fim, identificou-se as problemáticas de um modelo de administração pública calcado em um paradigma burocrático, bem como a fragilidade da proposta do GT como elemento de política pública de preservação do patrimônio ferroviário brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vânia Oliveira Antunes, Instituo Federal Farroupilha

Mestre em Turismo pela Universidade de Caxias do Sul e doutoranda em Turismo pela Universidade de Aveiro, Portugal. Professora substituta do Instituto Federal Farroupilha – Campus São Borja para eixo Turismo, Hospitalidade e Lazer. vania.antunes2014@gmail.com

Flávia Luciane Scherer, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. Professora da Universidade Federal de Santa Maria – RS Brasil. Flavia.schefer@globo.com

Referências

ABAD, C . La Reutilización del Patrimonio Industrial como Recurso Turistico. Aproximacion Geográfica al Turismo Industrial. Trebals de La Societat Catalana de Geografia, 57,7-32, Espanha, 2004.
ABPF – Associação Brasileira de Preservação Ferroviária. Histórico. Disponível em .Acessado em 20 de novembro de 2015.
ALLIS, T. Ferrovia e Turismo Cultural – Alternativa para o Futuro da Vila de Paranapiacaba. Turismo em Análise. São Paulo.13 (2):29-53, 2002
BARRETTO, M. Cultura e Turismo: Discussões Contemporâneas. Campinas: Papirus, 2007.
BRASIL, Código Civil Brasileiro. Disponível http://www.planalto.gov.br. Acesso em 15 de novembro de 2015.
CNT- CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTE. Transporte Ferroviário. Disponível em . Acessado em 20 de novembro de 2015.
DNIT – DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTE. Histórico. Brasília, 2015. Disponível em . Acesso em 15 de novembro de 2015
GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1999.
INVENTARIANÇA DA RFFSA – REDE FERROVIARIA FEDERAL S.A. Relatório de Atividades da Inventariança. Disponível em < http://www.rffsa.gov.br>. Acesso em 15 de novembro de 2015.
MICHEL, MARIA HELENA. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. Atlas, 2005.
MISLEH,S. Ferroviária Precisa Superar Sucateamento e Concessões Desastrosas. Jornal do Engenheiro Ano XXXII, nº 424. São Paulo: SINDENG, 2013.
MTUR – MINISTERIO DO TURISMO. Atas e Noticias – GT Ferroviário. Disponível em . Acessado em 12 de dezembro de 2015
PEREZ, X. Patrimonialização e Transformação das Identidades Culturais. Portela J. e Castro Caldas. Portugal Chão. Oeiras.Ed. Celta 231-247. 2003.
REDE FERROVIARIA FEDERAL S.A. Histórico. Brasília, 2015. Disponível em < http://www.rffsa.gov.br>. Acesso em 15 de novembro de 2015.
RUAS, M. Políticas Públicas. Florianópolis: Departamento das Ciências da Administração/UFSC (Brasilia): CAPES:UAB, 2009.
SILVA, E. P. Patrimônio e Identidade. Os Desafios do Turismo Cultural. ISCSC. Universidade Técnica de Lisboa: Antropológicas, nº4 217- 224, Lisboa, 2000
TRIVIÑOS, A. Introdução á Pesquisa em Ciências Sociais: a Pesquisa. São Paulo (SP): Ed. Atlas, 1987.
Publicado
2018-12-28
Como Citar
AntunesV. O., & SchererF. L. (2018). Turismo Ferroviário. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 6(11). https://doi.org/10.26512/revistacenario.v6i11.19647
Seção
Artigos