INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO DE JOHN FINNIS E AS INSUFICIÊNCIAS JUSPOSITIVISTAS

  • Matheus Thiago Carvalho Mendonça Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Nacional de La Plata (Buenos Aires, Argentina)
Palavras-chave: Filosofia do Direito. John Finnis. Lei Natural. Positivismo Jurídico. Direito.

Resumo

O Positivismo Jurídico dominante no ordenamento brasileiro igualou o direito à lei e, por isso, passou a ser contraposto em razão do imperativo de garantias do indivíduo contra o Estado. Desse modo, o presente artigo apresenta o pensamento de John M. Finnis e sua teoria do Direito Natural com o escopo de buscar alternativas práticas às insuficiências do Positivismo Jurídico. Para tal, a partir da pesquisa bibliográfica especializada, o artigo expõe o debate jusnaturalista e juspositivista e, depois, algumas inadequações do Positivismo. Por fim, apresenta a teoria do Direito Natural de Finnis. O artigo conclui que, no contexto atual de discussões de direitos humanos, o juspositivismo equipara as concepções de lei e direito, de modo que torna-se inadequado para a solução de diversas controvérsias morais, o que enseja uma busca de alternativas sólidas que são apresentadas pelo Direito Natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AQUINO, Tomás de. Suma Teológica. Tradução Carlos Josaphat Pinto de Oliveira et al. v. 4; 6. 3ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

BARZOTTO, Luís Fernando. Filosofia do direito: os conceitos fundamentais e a tradição

jusnaturalista. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

BOBBIO, Norberto. O positivismo jurídico: lições de filosofia do direito. São Paulo: Ícone,

a.

______. Teoria do ordenamento jurídico. 6.ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília,

b.

CARRIÓ, Genaro R. Notas sobre derecho y lenguaje. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1994.

CULLETON, A.; BRAGATO, F. F.; FAJARDO, S. P. Curso de direitos humanos. São

Leopoldo: Unisinos, 2009.

FARREL, Martín D. ¿Discusión entre el derecho natural y el positivismo jurídico? Doxa.

Cuadernos de Filosofía del Derecho, Alicante, Espanha, v. 21, n. 2, p. 121-128. 1998

FINNIS, John. Aquinas: moral, political and legal theory. Oxford: Oxford University Press,

______. Fundamentals of ethics. Washington: Georgetown University Press, 1983.

______. Ley natural y derechos naturales. Tradução Cristóbal Orrego. Buenos Aires:

Abeledo-Perrot, 2000.

______. Moral absolutes: Tradition, revision and truth. Washington: The Catholic University

Press, 1991.

______. Natural law and natural rights. 2nd ed. New York: Oxford University Press, 2011.

GONÇALVES, C. F. O.; PRAXEDES, A. T. As insuficiências do positivismo jurídico para o

conhecimento da ciência do direito: uma análise crítica do purismo kelseniano. In: ROCHA,

L. S.; LOIS, C. C.; MELEU, M. (Coord.). Cátedra Luis Alberto Warat. Florianópolis:

CONPEDI, 2015.

GREEN, Leslie. Positivism and the inseparability of law and morals. New York

University Law Review, New York, v. 83, p. 1035-1058, 2008.

HART, H. L. A. O conceito de direito. 5ª ed. Trad. A. Ribeiro Mendes. Lisboa: Fundação

Calouste Gulbenkian, 2007.

KELSEN, Hans. A justiça e o direito natural – apêndice à segunda edição alemã da Teoria

Pura do Direito. Coimbra: Arménio Amado, 1979ª.

______. Teoría general del derecho y del estado. Tradução Eduardo García Máynez.

Ciudad de México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1979b.

KLOSTER, M. V. A superação do juspositivismo por uma compreensão ampliada do

direito: enfoque laboral. 2012. 137 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Setor de Ciências

Jurídicas da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

KUHN, Thomas S. The structure of scientific revolutions. 2nd ed. Chicago: University of

Chicago Press, 1980.

OLIVEIRA, E. S. Bem comum, razoabilidade prática e direito: A fundamentação do

conceito de bem comum na obra de John M. Finnis. 2002. 144 f. Dissertação (Mestrado em

Direito) – Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,

PINHEIRO, V. S.; SOUZA, E. B. A fundamentação ética dos direitos humanos em John

Finnis. Revista Direitos Humanos e Democracia, Ijuí, RS, ano 4, n. 7, p. 65-83, jan./jun.

ROSA, Eliana de. Introducción a la teoría jurídica de John Finnis. Revista RyD República y

Derecho, Mendoza, Argentina, v. 1, p. 1-22, 2016.

STRUCHINER, Noel. Para falar de regras: O Positivismo Conceitual como cenário para

uma investigação filosófica acerca dos casos difíceis do direito. 2005. 191 f. Tese (Doutorado

em Filosofia) – Departamento de Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de

Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

SGARBI, Adrian. O direito natural revigorado de John Mitchell Finnis. Revista da

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 102, p. 661-689,

jan./dez. 2007.

SOUZA, E. B.; PINHEIRO, V. S. Tomás de Aquino e a razão natural dos direitos humanos:

pessoa e bem comum. Revista do Direito UNISC, Santa Cruz do Sul, RS, n. 48, p. 70-91,

jan./abr. 2016.

Publicado
2018-09-28
Como Citar
MendonçaM. T. C. (2018). INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO DE JOHN FINNIS E AS INSUFICIÊNCIAS JUSPOSITIVISTAS. Revista Dos Estudantes De Direito Da UnB, (14), 93 - 107. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/redunb/article/view/16565
Seção
Trabalhos Acadêmicos