Práticas Informacionais de Adolescentes na Internet

Palavras-chave: Adolescente. Estudo de usuários. Internet. interação com a informação.

Resumo

A internet alterou a forma como os indivíduos lidam com a informação.Inúmeros dados comprovam que os adolescentes usam intensivamente a rede. O artigo apresenta pesquisa que objetivou investigar as práticas informacionais dos adolescentes na internet.  Desenvolvido à luz do paradigma social de Capurro e da perspectiva das práticas informacionais, investigou-se como os adolescentes buscam, usam e compartilham informações na internet; quais os elementos externos que impactam nas suas escolhas; bem como a percepção da sociedade em relação à adolescência. O estudo parte de uma concepção pragmática, tem propósito descritivo, natureza básica e horizonte temporal transversal. A estratégia eleita foi a dos métodos mistos. Para atingir os fins propostos, foram entrevistados adolescentes e adultos. Os procedimentos metodológicos basearam-se no levantamento, no Discurso do Sujeito Coletivo e no estudo comparativo. Apurou-se que os jovens despendem tempo considerável na internet e são muito influenciados pelo meio em que vivem, sobretudo pelos amigos. Os adultos apresentaram uma percepção predominantemente negativa em relação a alguns comportamentos dos adolescentes, entendimento não confirmado na comparação com as práticas juvenis. Conclui-se que a webproporciona aos jovens inúmeras possibilidades de interação e acesso à informação, ao mesmo tempo em que os expõem a diversos riscos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Heloiza Goulart, Universidade de Brasília, Faculdade de Ciência da Informação, Brasília, DF, Brasil

Doutoranda em Ciência da Informação, Universidade de Brasília. Mestre em Ciência da Informação, Universidade de Brasília. Especializada em Marketing, Escola Superior de Propaganda e Marketing. Graduada em Comunicação Social, Universidade Anhembi Morumbi.

Ivette Kafure, Universidade de Brasília, Faculdade de Ciência da Informação, Brasília, DF, Brasil

Professora da Faculdade de Ciência da Informação, da Universidade de Brasília. Doutora em Ciência da Informação, Universidade de Brasília. Mestre em Informática, Universidade Federal de Campina Grande. Especializada em Práticas Audiovisuais, Universidade del Valle, Cali, Colômbia. Graduada em Engenharia de Sistemas, Universidade Autônoma de Manizales, Manizales, Colômbia.

Referências

ALMEIDA, D. P. R.; ANTONIO, D. M.; BOCCATO, V. R. C.; GONÇALVES, M. C.; RAMALHO, R. A. S. Paradigmas Contemporâneos da Ciência da Informação: a recuperação da informação como ponto focal. Revista Eletrônica Informação e Cognição. v. 6, n. 1, p. 16-27, 2007. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/03/pdf_fc4f01292e_0008415.pdf Acesso em: 22 out. 2018.

ARAÚJO, C. A. A. Paradigma social nos estudos de usuários da informação: abordagem interacionista. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 22, n. 1, p. 145-159. 2012. Disponível em: http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/9896/7372 Acesso em: 02 out. 2017.

ARAÚJO, C. A. A. O que são “Práticas Informacionais”? Informação em Pauta, Fortaleza, v. 2, número especial, out. 2017. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/20655/31084 Acesso em: 20 jun. 2018.

BACCEGA, M. A. Recepção: nova perspectiva nos estudos de Comunicação. Comunicação & Educação. São Paulo, n. 12, p. 7-16, 1998. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36353/39073 Acesso em: 08 jan. 2017.

BACCEGA, M. A. Comunicação: interação emissão/recepção. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 23, p. 7-15, 2002.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BERTI, I. C. L. W.; ARAÚJO, C. A. A. Estudos de usuários e práticas informacionais: do que estamos falando? Informação & Informação, Londrina, v. 22, n. 2, p. 389-401, 2017. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/31462 Acesso em: 04 jul. 2018.

BHATTACHERJEE, A. Social science research: principles, methods, and practices. Tampa Bay: USF Open Access Textbooks Collection, 2012. Book 3.

CAPURRO, R. Epistemologia e Ciência da Informação. ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., Belo Horizonte. 2003. Disponível em: http://www.capurro.de/enancib_p.htm Acesso em: 01 mar. 2016.

CEREZO-RAMÍREZ, F. Bullying a través de las TIC. Boletín Científico Sapiens Research, v. 2, n. 2, p. 24-29, 2012. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3973451 Acesso em: 13 jan. 2017.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. TIC Kids Online Brasil 2015. Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo, 2016. Disponível em: http://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/TIC_Kids_2015_LIVRO_ELETRONICO.pdf Acesso em: 10 jan. 2017.

CUNHA, M. B. da. Metodologias para estudo dos usuários de informação científica e tecnológica. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 10, n. 2, p. 5-19, 1982.

CUNHA, M. B. da; AMARAL, S. A. do; DANTAS, E. B. Manual de Estudo de Usuários da Informação. São Paulo: Atlas, 2015.

FRIEDMAN, T. O mundo é plano: uma breve história do século XXI. Rio de Janeiro: Objetiva. 2005.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF). O uso da internet por adolescentes. Brasília, 2013. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/pt/br_uso_internet_adolescentes.pdf Acesso em: 05 fev. 2017.

GOULART, A. H. Adolescência, internet e práticas informacionais. 2018. 203 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) — Universidade de Brasília, Brasília, 2018. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/32018 Acesso em: 24 out. 2018.

HJØRLAND, B. Epistemology and the socio‐cognitive perspective in information science. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 53, n. 4, p. 257-270, 2002.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. Pesquisa em representação social: um enfoque qualiquantitativo. 2. ed. Brasília: Liberlivro, 2012.

MARTINS, P. de O.; TRINDADE, Z. A.; ALMEIDA, A. M. de O. O Ter e o Ser: Representações Sociais da Adolescência entre Adolescentes de Inserção Urbana e Rural. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 16, n. 3, p. 555-568, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v16n3/v16n3a14.pdf Acesso em: 03 jan. 2018.

MCKENZIE, P. A model of information practices in accounts of everyday-life information seeking. Journal of Documentation. v. 59, n. 1, p. 19-40, 2003.

MCNAUGHT, C.; LAM, P. Using Wordle as a supplementary research tool. The Qualitative Report. v. 15, n. 3, p. 630-643, 2010. Disponível em: http://nsuworks.nova.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1167&context=tqr Acesso em: 1 dez. 2017.

MENANDRO, M. C. S.; TRINDADE, Z. A.; ALMEIDA, A. M. de O. Representações sociais da adolescência/ juventude a partir de textos jornalísticos (1968-1974 e 1996-2002). Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 55, n. 1, p. 42-55, 2003.

MOSCOVICI, S. Representações Sociais: investigações em psicologia social. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

NENO, S. Análise funcional: definição e aplicação na terapia analítico-comportamental. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 151-165, dez. 2003. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452003000200006&lng=pt&nrm=iso Acessos em: 29 nov. 2017.

NEJM, R. Minha privacidade, nossas regras: estratégias sociais de manejo da privacidade entre adolescentes. In: COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. TIC Kids Online Brasil 2015. Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo, 2016. Disponível em: http://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/TIC_Kids_2015_LIVRO_ELETRONICO.pdf Acesso em: 10 jan. 2017.

PAIXÃO, D. L. L.; ALMEIDA, A. M. de O.; ROSA-LIMA, F. Representações Sociais da adolescência por adolescentes e jovens. Psicologia e Saber Social, v. 1, n. 2, p. 278-294, 2012.

PALFREY, J. G.; GASSER, U. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed, 2011.

ROCHA, J. A. P.; DUARTE, A. B. S.; PAULA, C. P. A. Modelos de práticas informacionais. Em Questão. Porto Alegre, v. 23, n. 1, jan./abr. 2017. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/67014 Acesso em: 28 jun. 2018.

SALLES, L. M. F. A Representação Social do Adolescente e da Adolescência: um Estudo em Escolas Públicas. Cadernos de Pesquisa; São Paulo, n. 94, p. 25-33, ago. 1995.

SANT’ANNA, H. C.; GARCIA, A. Tecnologia da Comunicação e Mediação Social: o papel da telefonia celular na amizade entre adolescentes. Interação em Psicologia. v. 15, n. 1, p. 37-50, 2011. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/psicologia/article/view/7537/16413 Acesso em 13 jan. 2018.

SANTOS, M. F. de S.; ACIOLI NETO, M. de L.; SOUZA, Y. S. de O. Adolescência em revistas: um estudo sobre representações sociais. Psicologia: Teoria e Prática. v. 13, n. 2, p. 103-113, 2011. Disponível em: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/viewFile/2566/2980 Acesso em: 03 jan. 2018.

SAVOLAINEN, R. Information Behavior and Information Practice: Reviewing the “Umbrella Concepts” of Information‐Seeking Studies. Library Quarterly, v. 77, n. 2, p. 109-132, 2007. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/10.1086/517840?seq=1#page_scan_tab_content Acesso em: 27 dez. 2016.

SCHNEIDER, S.; SCHIMITT, C. J. O uso do método comparativo nas Ciências Sociais. Cadernos de Sociologia, Porto Alegre, v. 9, p. 49-87, 1998.

SILVA FILHO, G. A. da; MORAES, G. H. Comparando desempenhos de diferentes tipos de escola de ensino médio: uma aproximação de medida de valor adicionado. Boletim Na Medida, v. 6, n. 12. Brasília: Inep/MEC, 2017. Disponível em: http://inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/1088546 Acesso em: 29 nov. 2017.

SKINNER, B. F. Ciência e Comportamento Humano. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

SPIZZIRRI, R. C. P.; WAGNER, A.; MOSMANN, C. P.; ARMANI, A. B. Adolescência conectada: Mapeando o uso da internet em jovens internautas. Psicologia Argumento, v. 30, n. 69, p. 327-335, 2012. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/PA/pdf/?dd1=5979 Acesso em: 5 fev. 2017.

TABOSA, H. R.; TAVARES, D. W. S.; NUNES, J. V. História e epistemologia da Ciência da Informação: Abordagem social em foco. Revista Interamericana de Bibliotecología, v. 39, n. 3, p. 289-300, 2016. Disponível em: https://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/RIB/article/view/22702/2078270 Acesso em: 26 jun. 2018.

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

WACHELKE, J. F. R.; CAMARGO, B. V. Representações Sociais, Representações Individuais e Comportamento. Revista Interamericana de Psicologia/ Interamerican Journal of Psychology. Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 379-390, 2007. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rip/v41n3/v41n3a13.pdf Acesso em: 2 jul. 2015.

VERBI GMBH. Análise qualitativa de dados e métodos mistos com o MAXQDA. 2017. Disponível em: http://www.maxqda.com/portugues-do-brasil Acesso em: 04 dez. 2017.

Publicado
2019-09-13
Como Citar
GoulartA. H., & KafureI. (2019). Práticas Informacionais de Adolescentes na Internet. Revista Ibero-Americana De Ciência Da Informação, 12(3), 787-806. https://doi.org/10.26512/rici.v12.n3.2019.20761