Uma sociologia do escândalo da Mostra Queermuseu: disputas de enquadramento midiático entre o jornalismo profissional e o Movimento Brasil Livre

Main Article Content

Fernando de Figueiredo Balieiro

Resumo

Este artigo apresenta uma análise do escândalo em torno do fechamento da exposição Queermuseu, ocorrida no Espaço Santander Cultural, em Porto Alegre, no segundo semestre de 2017. O texto busca desvelar o processo no qual, a partir de mobilização nas plataformas digitais, uma mostra artística voltada ao tema da diversidade sexual passou a ser compreendida em certos segmentos como promotora de “pedofilia”, “zoofilia” e “blasfêmia”, teve seu encerramento antecipado, resultando em perseguições a artistas e ao seu curador, bem como na difusão de uma interpretação que associa a esquerda a uma agenda de “perversão moral” às crianças. A análise empírica teve como fonte reportagens digitais e impressas do jornal Zero Hora de Porto Alegre, além de textos, imagens e vídeos que circularam em plataformas digitais, abordando em específico o enquadramento do evento pelo Movimento Brasil Livre (MBL), grupo que liderou a campanha pelo fechamento da exposição. Ao analisar o alcance do enquadramento do MBL, permite-se reconhecer como as plataformas digitais ampliaram o espaço para grupos políticos agendarem questões públicas e imporem seu enquadramento para suas audiências. O artigo elucida, a partir do caso empírico analisado, aspectos da pervasividade das mídias no debate público no contexto de uma esfera pública tecnomidiatizada e busca evidenciar aspectos da acentuada midiatização da política na era digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Balieiro, F. de F. (2022). Uma sociologia do escândalo da Mostra Queermuseu: disputas de enquadramento midiático entre o jornalismo profissional e o Movimento Brasil Livre. Sociedade E Estado, 37(02), 551–573. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202237020008
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Fernando de Figueiredo Balieiro, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Professor do Departamento e do Programa de Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Referências

ADUT, Ari. On scandal: moral disturbances in society, politics, and art. New York: Cambridge University Press, 2008.

BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. Não se meta com meus filhos: a construção do pânico moral da criança sob ameaça. Cadernos Pagu, e185306, 2018.

BENTES, Ivana. A arte que virou pornografia aos olhos dos neofundamentalistas. Portal Revista Cult, 2017. Disponível em: <https://revistacult.uol.com.br/home/arte-que-virou-pornografia-aos-olhos-dos-neofundamentalistas/>.

» https://revistacult.uol.com.br/home/arte-que-virou-pornografia-aos-olhos-dos-neofundamentalistas

BERRY, Jeffrey M; SOBIERAJ, Sarah. The outrage industry: political opinion media and the new incivility. New York: Oxford University Press, 2014.

BUTLER, Judith. Tortura e a ética da fotografia: pensando com Sontag. In: ______. Quadros de Guerra: Quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CALDARA, Marcus V. C. Contornos discursivos do antipetismo nas mídias sociais: uma análise a partir do Movimento Brasil Livre. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, 2020.

CASTELLS, Manuel. Ruptura: a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

______. O poder da comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

______. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

COHEN, Stanley. Folk devils and moral panics: the creation of mods and rockers. London: MacGibbon & Kee, 1972.

CORRÊA, Sônia. A “política do gênero”: um comentário genealógico. Cadernos Pagu, n. 53. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530001, 2018>.

» http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530001

DALMONTE, Edson Fernando; SOUZA, Pedro Carlos. Ativismo por fandoms políticos conservadores: a discussão em torno dos casos Queermuseu e La bête por páginas pró-Bolsonaro. Comunicação & Sociedade (online), v. 41, p. 335-371, 2019.

FIDELIS, Gaudêncio. (Org.) Queermuseu: cartografias da diferença na arte brasileira. Porto Alegre: Santander Cultural, 2017.

FRASER, Nancy. Rethinking the public sphere: a contribution to the critique of actually existing democracy. Social Text, n. 25-26, p. 56-80, 1990. Diasponível em: <https://doi.org/10.2307/466240>.

» https://doi.org/10.2307/466240

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

GOHN, Maria da Glória. Manifestações e protestos no Brasil: correntes e contracorrentes na atualidade. São Paulo: Cortez, 2017.

GOODE, Erich; BEN-YEHUDA, Nachman. Moral panics: the social construction of deviance. Malden, MA: Blackwell Publishing, 2003.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural na esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

HALL, Stuart, et al. A produção social das notícias: o mugging nos media. In TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Veja, 1999.

HJARVARD, Stig. A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2014.

_______. Midiatização: teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural. Matrizes, v. 5, n. 2, p. 53-91, 2012.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária - ou a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Corpes. (Orgs.). Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade, p. 25-52. Rio Grande, RS: Editora Furg, 2017.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” - Escola sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro, Direito & Práxis, v. 7, n. 15, p. 590-621, 2016.

McCOMBS, Maxwell E.; SHAW, Donald L. The agenda-setting function of mass media. Public Opinion Quarterly, v. 36, p. 176-187, 1972.

MARZOCHI, Samira Feldman; BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. Muralha de espelhos: o narcisismo político nas plataformas digitais. Revista Brasileira de Sociologia (RBS), v. 9, n. 23, p. 121-148, 2021.

MISKOLCI, Richard. Batalhas morais: política identitária na esfera pública técnico-midiatizada, v. 1. Belo Horizonte: Autêntica, 2021.

MISKOLCI, Richard; BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. Sociologia digital: balanço provisório e desafios. Revista Brasileira de Sociologia (RBS), v. 6, n. 12, 2018.

PARISER, Eli. The filter bubble: what the Internet is hiding from you. New York: Penguin Press, 2011.

PASQUALE, Frank. A esfera pública automatizada. Líbero, Ano XX, n. 39, p. 16-35, Jan.-Ago. 2017.

RUBIN, Gayle. Pensando o sexo. In: _______. Políticas do sexo. São Paulo: Editora Ubu, 2018.

SEIDMAN, Steven. Queer theory/Sociology. Cambridge, MA: Blackwell, 1996.

SILVA, Sara Raquel de Andrade. Reação, mobilização e produção de sentidos na arte: um olhar sobre a trajetória da exposição Queermuseu. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2019.

STRÖMBÄCK, Jesper. Four phases of mediatization: an analysis of the mediatization of politics. International Journal of Press/Politics, v. 13, n. 3, p. 228-46, 2008. Disponível em: <http://dx.doi.org/ 10.1177/1940161208319097>.

» http://dx.doi.org/ 10.1177/1940161208319097

TAVARES, Márcio. Arte sob ataque: os usos e abusos da arte pelas redes reacionárias durante a censura da exposição Queermuseu. Modos: Revista de História da Arte, v. 6, n. 1, p. 18-49, Jan. 2022. Disponível em: <10.20396/modos.v6i1.8667547. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8667547>.

» https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8667547

VAN DIJCK, José. La cultura de la conectividad: una história crítica de las redes sociales. Buenos Airies: Siglo Veintiuno, 2016.

VAN DIJCK, José; POELL, Tomas; WAAL, Martijn de. The platform society: public values in a connective world. New York: Oxford University Press, 2018.