Mulheres, curandeiras e enfermeiras na perspectiva de gênero e de raça

O que perde a enfermagem com a reedição de discursos discriminatórios?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.7877646

Palavras-chave:

Brasil, Enfermagem, Gênero, História da enfermagem, Medicina tradicional, Mulheres, Negros, Paramédicos

Resumo

O presente estudo tem como objetivo questionar a história oficial da enfermagem, analisando a perspectiva de gênero e raça na origem do cuidado atrelado às práticas das mulheres curandeiras. A pesquisa é um estudo teórico com revisão de literatura. Como resultado, elaborou-se um quadro referencial com questões norteadoras para análise da abordagem dos saberes ancestrais do cuidado em saúde na enfermagem, sob a perspectiva de gênero e raça. A revisão de literatura evidenciou a marginalização dos saberes das curandeiras ao longo da história da enfermagem no Brasil, desde a profissionalização da medicina, com a discriminação das artes de curar até a profissionalização da enfermagem, com a produção da “Enfermeira Padrão” – símbolo que reedita desigualdades de gênero, raça e classe na profissão, acriticamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Verônica Sousa Torres, Universidade de Brasília - UnB

Graduanda de enfermagem do Campus Darcy Ribeiro/UnB, atualmente bolsista de PIBIC vinculada ao CNPQ, participo do PET- Saúde Indígena no contexto do Ambulatório de Saúde Indígena (ASI) do Hospital Universitário de Brasília (HuB). Participei da Sala de Situação (SDS)- UnB, projeto de extensão com objetivo de apoiar no monitoramento, análise e definição de ações em saúde junto aos estudantes gestores em saúde. Fui membra do Comitê Estudantil da ABEn-DF, espaço de organização dos estudantes de enfermagem associados a Associação Brasileira de Enfermagem- Seção do Distrito Federal (ABEn-DF).

Maria Raquel Gomes Maia Pires, Universidade de Brasília - UnB

Com formação interdisciplinar, possui doutorado (2004) e mestrado (2001) em Política Social pela Universidade de Brasília (UnB), com estágios pós-doutorais nas áreas ciências sociais, migrações e gênero (2017, ISCTE/IUL, Lisboa-PT) e design de jogos na saúde (2011, UnB). Mestranda (UnB, ingresso 2022.2) e graduada em Filosofia (2019). Graduação em enfermagem (Universidade Estadual do Ceará, 1994) . Professora do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública (PPGP) e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas para a Infância e Juventude, UnB. Pesquisadora do grupo de pesquisa NESPROM - Núcleo de Estudos em Educação e Promoção da Saúde (NESPROM/Ceam/UnB), no qual coordena a linha Recriar-se (arte, lúdico, saúde e educação), voltada ao desenvolvimento de jogos ambientados nas políticas públicas para as mulheres e de saúde (https://recriarse.wordpress.com/). Integra o grupo de pesquisa Violes (pesquisa sobre tráfico de pessoas, violência e exploração sexual de mulheres, crianças e adolescentes), ambos cadastrados no diretório de grupos do Cnpq.

Referências

ANDRADE, João Tadeu; COSTA, Liduina Farias Almeida. Medicina Complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde Soc., São Paulo, v. 19, n. 3, p. 497-508, 2010.

AVILA, Liziani Iturriet et al. Implicações da visibilidade da enfermagem no exercício profissional. Rev. Gaúcha Enferm., v. 34, n. 3, p. 102-109, 2013.

ASANTE, Molefi Kete. Afrocentricidade: A teoria da mudança social. Rio de Janeiro: Afrocentricidade Internacional, 2014.

BARBOSA, Giselle Machado; PIMENTA, Tânia Salgado. O ofício de parteira no Rio de Janeiro imperial. Revista de História Regional, v. 21, n. 2, 2016. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/view/9183. Acesso em: 10 mar. 2022.

BRASIL. Decreto n. 847, de 11 de outubro de 1890. Promulga o Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/d847.htm. Acesso em: 25 mar. 2022.

CAMPOS, Ludimila Caliman; LORENZONI, Lara Ferreira; LIMA, Aline Magdalão da Fonseca. Curandeirismo no Brasil: uma abordagem histórico-jurídica na transição do final império e início da república. Revista Relegens Thréskeia, v. 9, n. 2, p. 225-241, 2020.

CAMPOS, Paulo Fernando de Souza; OGUISSO, Taka. A Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo e a reconfiguração da identidade profissional da Enfermagem Brasileira. Revista Brasileira de Enfermagem – REBEn, v. 61, n. 6, p. 892-898, 2008.

CLARINDO, Maximillian Ferreira; STRACHULSKI, Juliano; FLORIANI, Nicolas. Curandeiros parintintin e benzedeiras: reprodução do saber popular de cura. Hygeia – Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 15, n. 31, p. 105-124, 2019.

DIAS, Jaqueline Evangelista; LAUREANO, Lurdes Cardozo. Farmacopéia Popular do Cerrado. [s.l.]: Articulação Pacari (Associação Pacari), 2009. Disponível em: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/9946. Acesso em: 10 mar. 2022.

DONOSO, Miguir Terezinha Vieccelli. O gênero e suas possíveis repercussões na gerência de enfermagem. REME Rev. Min. Enferm., p. 67-69, 2000.

EHRENREICH, Barbara; ENGLISH, Deirdre. Witches, midwives, and nurses. New York: Feminist Press, 1973.

FARIAS, Erika. Piso salarial da Enfermagem: os entraves na garantia de direitos para a categoria. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 9 set. 2022. Disponível em: https://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/reportagem/piso-salarial-da-enfermagem-os-entraves-na-garantia-de-direitos-para-a-categoria. Acesso em: 24 out. 2022.

FERREIRA, Luiz Otávio. As guardiãs da saúde: representações e características socioculturais de enfermeiras domésticas do Rio de Janeiro, 1880-1910. Revista Mundos do Trabalho, v. 12, p. 1-17, 2020.

FERREIRA, Suiane Costa; JESUS, Luane Caetano; PINTO, Alisson Jones Cazumbá Cerqueira. A produção do saber-cuidar em enfermagem a partir das interseccionalidades étnico-raciais, de classe e de gênero no Brasil. Cenas Educacionais, v. 4, e11858, 2021. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/11858. Acesso em: 10 ago. 2022.

GONZALEZ, Leila. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984.

HEIDEMANN, Miriam; GOMES, Maria Luz Babosa; SANCHEZ, Maritza Consuelo Ortiz. O pensamento de Antônio Gramsci como referencial teórico na pesquisa em história da enfermagem. Rev. Eletr. Enf., p. 1159-1164, dez. 2008.

MACHADO, Maria Helena; OLIVEIRA, Eliane dos Santos de; LEMOS, Waldirlando Rosa; et al. Mercado de trabalho em enfermagem no âmbito do SUS: uma abordagem a partir da pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil. Divulg. Saúde Debate, p. 52-69, 2016.

MACHADO, Wiliam Alves. Reflexões sobre a Prática Profissional do Enfermeiro. In: GIOVANINI, Telma et al. (Org.). História da Enfermagem: Versões e Interpretações. 3. ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2010. p. 255-330.

MATIAS, Rafaela Barbosa Carvalho. Mulheres mágicas do Brasil Colônia: corpos perseguidos e dominados. 2019. 9f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas) – Instituto de Ciências Humanas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2019.

MENDES, Valdeci Silva; COSTA, Candida Soares da; RIBEIRO, Rosa Lúcia Rocha. Racismo biológico e suas implicações no ensinar-cuidar a saúde da população negra. Revista da ABPN, v. 7, n. 16, 2015.

MIASATO, Felipe Akira. Por Deus, pela pátria e pela família: violências interseccionais nas raízes da profissionalização da enfermagem brasileira. 2021. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rio de Janeiro, 2021.

MOORE, Carlos. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

MONTEIRO, Bernardo Assis. Diretrizes e bases da educação nacional e escolas de enfermagem na década de 1960: uma visão histórica. 2009. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7131/tde-20052009-110837/. Acesso em: 5 abr. 2022.

PADILHA, Maria Itayra Coelho de Souza. As representações da história da enfermagem na prática cotidiana atual. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 52, p. 443-454, 1999.

PIMENTA, Tânia Salgado. Barbeiros-sangradores e curandeiros no Brasil (1808-28). História, Ciências, Saúde, Manguinhos, v. 5, p. 349-374, 1998.

PIRES, Maria Raquel Maia Pires; FONSECA, Rosa Maria Godoy Serpa Da; PADILLA, Beatriz. A politicidade do cuidado na crítica aos estereótipos de gênero. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 69, n. 6, p. 1223–1230, 1 nov. 2016.

PIRES, Maria Raquel Gomes Maia. Politicidade do cuidado como referência emancipatória para a enfermagem: conhecer para cuidar melhor, cuidar para confrontar, cuidar para emancipar. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Cascavel/PR, v. 13, n. 5, p. 729-736, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n5/v13n5a18.pdf. Acesso em: 29 ago. 2022.

PUTTINI, Rodolfo Franco. Curandeirismo e o campo da saúde no Brasil. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 12, p. 87-106, 2008.

RODRIGUES, Rosa Maria. Enfermagem compreendida como vocação e sua relação com as atitudes dos enfermeiros frente às condições de trabalho. Revista Latino-Am. Enfermagem, Cascavel/PR, p. 76-82, nov./dez. 2001.

SANTO, Tiago Braga do Espírito. Enfermeiras francesas na capital do Brasil (1890-1895). 2007. 162 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7131/tde-20122007-100254/. Acesso em: 5 abr. 2022.

SPLENDOR, Vanessa Lidiane; ROMAN, Arlete Regina. A Mulher, a Enfermagem e o Cuidar na Perspectiva de Gênero. Revista Contexto Saúde, Editora Unijuí, ano 2, n. 4, jan.-jun. 2003.

Downloads

Publicado

2023-04-28

Como Citar

Torres, M. V. S., & Pires, M. R. G. M. (2023). Mulheres, curandeiras e enfermeiras na perspectiva de gênero e de raça: O que perde a enfermagem com a reedição de discursos discriminatórios? . Revista Do CEAM, 9, 1–12. https://doi.org/10.5281/zenodo.7877646