O DISCURSO COMO VITALIZADOR DA NECROPOLITICA À LUZ DE ACHILLE MBEMBE

Autores

Palavras-chave:

Necropolitica; Discurso; Achille Mbembe; Michel Foucalt; Covid-19

Resumo

Muito se tem discutido acerca da importância da intervenção estatal por meio de políticas públicas e qual a sua relevância no cenário desigual figurado em países neoliberais em momentos de crise. Escancarando disparidades, a pandemia do covid-19 apresenta-se como verdadeira face da ineficiência do sistema neoliberal, em que pese a subalternização de vidas em prol do capital financeiro. É fazendo uma análise à luz do filósofo Achille Mbembe e seus estudos sobre teorias foucaultianas que perpassamos sobre a influência da memória do discurso quando promovida por autoridades e suas influências na existência da necropolitica. Como objeto busca-se entender as raízes da necropolítica como sistema de gestão e o seu grau de influência, perquirindo o perfil dos reais atingidos, além de analisar de que modo a pandemia do covid-19 evidencia discursos embasados no conceito de Mbembe. O método de abordagem escolhido para a produção da pesquisa científica foi o dedutivo e o método de procedimento, histórico, com auxilio metodológico da análise política dos discursos. O artigo tem natureza aplicada, quanto ao seu nível de profundidade é explicativo, ancorada pela técnica de pesquisa bibliográfica no que se refere à fundamentação teórica. Concluiu-se que o discurso consiste em importante aparelho de legitimação de vontades do Estado fomentando assim a necropolítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Taís Haywanon Santos Maia, Universidade do Estado da Bahia, UNEB, Brasil.

Graduanda do Curso de Direito pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB E-mail: taishsmls@gmail.com

Gabriel Torres da Silva Torres, Universidade do Estado da Bahia, UNEB, Brasil.

Graduando do Curso de Direito pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB E-mail: gtstorres08@gmail.com

Daniella Miranda Santos , Universidade do Estado da Bahia, UNEB, Brasil.

Doutora em Memória, Linguagem e Sociedade pelo PPGMLS da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB E-mail: damiranda@uneb.br.

Referências

BERTOLINI, J. O conceito de biopoder em Foucault. Apontamentos bibliográficos. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, v. 18, n. 3, 18 dez. 2018.

BRASIL. Sistema Carcerário brasileiro: negros e pobres na prisão. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/noticias/sistema-carcerario-brasileiro-negros-e-pobres-na-prisao

BUTLER, Judith. Marcos de Guerra: las vidas lloradas. Buenos Aires: Paidós, 2015

CARVALHO, Julia. Disponível em https://www.cnnbrasil.com.br/saude/2020/06/05/negros-morrem-40-mais-que-brancos-por-coronavirus-no-brasil. Acesso em 17/09/2020

Dantas, S., Ferreira, L., & Veas, M. P. B. (2017). Um intérprete africano do Brasil: Kabenguele Munanga. Revista USP, (114), 31-44. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i114p31-44

DIWAN, Pietra. Raça Pura. Uma História da Eugenia no Brasil e no mundo. São Paulo: Contexto, 2007.

FANON, F. Os condenados da terra. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA ”“ FBSP. Anuário brasileiro de segurança pública. Ano 13. São Paulo, 2019.

Foucault, M. (2008a). Nascimento da biopolítica. São Paulo, SP: Martins Fontes.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 20. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2010.

FURTADO, Rafael. O conceito de biopoder no pensamento de Michel Foucault ”“ Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2359-07692016000300003. Acesso em 17/09/2020.

IBGE ”“ INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÃSTICA, 2017. Disponível em: 20https://www.saneamentobasico.com.br/pesquisa-ibge-mostra-relacao-saude-saneamento/. Acesso em 17/09/2020

M’BEMBE, Achille. Necropolitica. Rio de Janeiro: Cidades e Ensaios, 2016

Mbembe, A. (2014a). Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona.

Romano et al (2020). “Uma gripezinha”: A análise política do discurso negacionista. Disponível em: https://diplomatique.org.br/uma-gripezinha-a-analise-politica-do-discurso-negacionista/ Acesso em 17/09/2020/

VANNUCHI, Camilo. Disponível em https://noticias.uol.com.br/colunas/camilo-vannuchi/2020/04/30/a-pandemia-de-covid-19-segundo-bolsonaro-da-gripezinha-ao-e-dai.htm?cmpid=. Acesso em 17/09/2020/

WEBER, Max (1999). Sociologia da Dominação. In Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Volume 2. Tradução de Regis Barbosa e Karen Barbosa. Distrito Federal: Editora Universidade de Brasília.

Revista Direito.UnB | Janeiro - Abril, 2022, V. 06, N. 1

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

HAYWANON SANTOS MAIA, T.; TORRES DA SILVA TORRES, G. .; MIRANDA SANTOS , D. . O DISCURSO COMO VITALIZADOR DA NECROPOLITICA À LUZ DE ACHILLE MBEMBE. Direito.UnB - Revista de Direito da Universidade de Brasília, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 39–53, 2022. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistadedireitounb/article/view/36334. Acesso em: 13 ago. 2022.