Modelo INVAT.TUR

Indicadores relevantes para gestão de um destino turístico inteligente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i2.35322

Palavras-chave:

Turismo Inteligente; Destinos Turísticos Inteligentes; Tecnologias; INVAT.TUR.

Resumo

Os Destinos Turísticos Inteligentes (DTI) podem ser percebidos como locais que utilizam os recursos tecnológicos, ferramentas e técnicas disponíveis para permitir demanda e oferta para co-criar valor, prazer e experiências para o turista e riqueza, lucro e benefícios para as organizações e os destinos. A Espanha tem alcançado resultados significativos na atividade turística, e com intuito de manter o posicionamento no mercado, o país desenvolveu como estratégia competitiva um projeto de DTI. Este estudo analisou os indicadores do modelo espanhol do Instituto Valenciano de Tecnologias Turísticas (INVAT.TUR): Governança, Sustentabilidade, Conectividade, Sensorização, Sistema de Informação e Inovação. A presente pesquisa caracteriza-se como um ensaio teórico, de caráter exploratório com abordagem qualitativa, realizada através de revisão bibliográfica. Conclui-se que o Modelo INVAT.TUR dispõe de um planejamento pautado em estratégias para o desenvolvimento turístico, onde se destaca a gestão inovadora, infraestrutura tecnológica, desenvolvimento urbano baseado no crescimento da economia e desenvolvimento.

Palavras Chave: Turismo Inteligente; Destinos Turísticos Inteligentes; Tecnologias; INVAT.TUR.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sra Daene Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestra em Turismo pelo Programa de Pós-Graduação em Turismo (PPGTUR) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). E-mail: daenesmorais@hotmail.com

 

Sr Luiz Mendes Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor do Programa em Pós-Graduação em Turismo da UFRN, Natal, Brasil. Pós-Doutorado em Turismo (Bournemouth University, Inglaterra), e Doutor em Administração com ênfase em Turismo e Tecnologia (Auckland University of Technology, Nova Zelândia). Mestre em Engenharia de Produção (UFRN) e Bacharel em Ciências da Computação (UFRN).

Referências

Beni, M. C. (2017). Entendendo o novo turismo na economia colaborativa e compartilhada. A evolução tecnológica e os impactos na gestão estratégica e no marketing de Turismo: e-Tourism. São Paulo: ANPTUR.

Bernabeu, M. A. C et al. (2005). Projeto de Destinos Turísticos Inteligentes (DTI). Grupo de Pesquisa.

Boes, K.; Buhalis, D., & Inversini, A. (2015). Conceptualising smart tourism destination dimensions. In I. Tussyadiah and A. Inversini (eds.), Information and Communication Technologies in Tourism 2015. (pp. 391-403). Switzerland: Springer.

Buhalis, D., & Amaranggana, A. (2014). Smart Tourism Destinations. In: Xiang Z., Tussyadiah I. (eds) Information and Communication Technologies in Tourism 2014. Switzerland: Springer.

Cacho, A., Mendes-Filho, L., Estaregue, D., Moura, B., Cacho, N., Lopes, F., & Alves, C. (2016). Mobile tourist guide supporting a smart city initiative: a Brazilian case study. International Journal of Tourism Cities, 2(2), 164”“183

Castells, M. (2003). A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. (7a ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Cervo, A. L.; Bervian, P. A.; Silva, R. (2007). Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Cooper, C., Fletcher, J., Fyall, A., Gilbert, D., & Wanhill, S. (2007). Turismo: princípios e práticas. (3a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Framke, W. (2002). The Destination as a Concept: a Discussion of the businessr elated Perspective versus the Social - Cultural Approach in Tourism Theory. Scandinavian Journal of Hospitality and Tourism, 2(2), 92-108.

Freitas, H. B. B. de, & Mendes Filho, L. (2020). Iniciativas de destinos turísticos inteligentes na cidade de Natal-RN: Uma abordagem qualitativa. Rosa Dos Ventos - Turismo e Hospitalidade, 12(4), 997-1016.

Giffinger, R., Fertner, C., Kramar, H., Kalasek, R., Pichler-Milanovic, N., & Meijers, E. (2007). Smart Cities: Ranking of European Medium-Sized Cities. Vienna, Austria: Centre of Regional Science (SRF), Vienna University of Technology.

Gil, A. C. (2012). Metodologia do ensino superior. 4.ed. São Paulo: Atlas.

Gretzel, U. (2017). Keynote at Smart Tourism Destinations: New Horizons in Tourism Research and Management. Smart Destination Research. University of Alicante, Spain.

Gretzel, U., Sigala, M., Xiang, Z. e Koo, C. (2015). Smart tourism: foundations and developments. Electronic Markets, 25(3), 179-188.

Gretzel, U., Werthner, H., Koo, C., & Lamsfus, C. (2015). Conceptual foundations for understanding smart tourism ecosystems. Computers in Human Behavior, 50(1), 558-563.

Instituto Valenciano de Tecnologias Turísticas - INVAT.TUR (2015). Destino Turístico Inteligente: Manual Operativo para la configuración de destinos turísticos inteligentes. Universidad de Alicante: Instituto Universitario de Investigaciones Turísticas. Recuperado em 15 de fevereiro de 2019 de http://invattur.gva.es/estudio/manual-operativo-para-la-configuracion-de-destinos-turisticos-inteligentes/

Jurin, E. (2008). Smart Tourism Destinations: a framework for the elaboration of an implementation model. Acta Turistica Nova, 2(1), 123-143.

Koo, C., Mendes-Filho, L., & Buhalis, D. (2019). Smart tourism and competitive advantage for stakeholders. Tourism Review, 74, 1”“4.

Kotler, P. (1931). Marketing de A a Z: 80 conceitos que todo profissional precisa saber. Tradução de Serra, A. C. C. (2003). Rio de Janeiro: Campus.

Kotler, P., Bowen, J. T. & Makens, J. C. (2006). Marketing for hospitality and tourism. (4a ed.). Upper Saddle River: Prentice-Hall.

Mendes Filho, L., Silva, J. C. & Silva, D. S. (2019). Percepções e perspectivas de destino turístico inteligente: um estudo de caso com a secretaria municipal de turismo em Natal/RN. Turismo: Estudos & Práticas (RTEP/UERN). 8(1), 98-124.

Ministério do Turismo (2015). Turismo Acessível. Recuperado em: http://www.turismo.gov.br/assuntos/5054-turismo-acessivel.html. Muñoz, 2016.

Ministério do Turismo (2020). Número de turistas em viagem pelo Brasil cresce em 2019. http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/13305-n%C3%BAmero-de-turistas-em-viagem-pelo-brasil-cresce-em-2019.html.

Ministério do Turismo. (2014). Plano estratégico de marketing turístico do Brasil. Recuperado em: http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/DPROD/Contrato_BID_2229_UCP/Plano_de_Marketing/Plano_de_Marketing_Experiencias_do_Brasil.pdf

Ministério do Turismo. (2018). O futuro do setor está na inovação e sustentabilidade. Recuperado em: http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/11873-o-futuro-do-turismo-est%

Miskalo-Cruz, M., & Gândara, J. M. (2016). Indicadores para monitoramento e gestão de destinos turísticos inteligentes. CULTUR - Revista de Cultura e Turismo, 10(2), 3-22.

Montanari, M. G., & Giraldi, J. M. E. (2013). Competitividade no turismo: uma comparação entre Brasil e Suíça. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 7(1), 92-113.

O’Connor, P. (2001). Distribuição da Informação Eletrônica em turismo e hotelaria. Porto Alegre: Bookman. Pearce, 2014.

Porter, M. E. (1989). Vantagem competitiva. (15a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1999). Competição: estratégias competitivas essenciais. (6a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Ramos, A. S. M., Mendes Filho, L. A. M., & Lobianco, M. L. (2017). Sistemas e tecnologia da informação no turismo: um enfoque gerencial. Curitiba: Prismas.

Rezende, F. (2015). O modelo de cadeia de valor de Michael Porter. Recuperado em: http://www.gestaoporprocessos.com.br/o-modelo-de-cadeia-de-valor-de-michael-porter/

Santos-Júnior, A, Almeida-García, F., Morgado, P. & Mendes-Filho, L. (2020). Residents’ Quality of Life in Smart Tourism Destinations: A Theoretical Approach. Sustainability, 12, 1-24.

Santos, S. R., & Gândara, J. M. G. (2016). Destino turístico inteligente: construção de um modelo de avaliação com base em indicadores para planejamento, gestão e controle de destinos histórico-culturais patrimônio da humanidade, analisando o caso de São Luís (Maranhão, Brasil). CULTUR - Revista de Cultura e Turismo, 10(2), 69-79.

Santos, S. R., Souza Neto, V. R., Pereira, L. R. S., Gândara, J. M. G., & Silva, S. R. X. (2016). Destino Turístico Inteligente: Acessibilidade no Centro Histórico de São Luís ”“ Maranhão, um estudo sobre a reputação Online no TripAdvisor. Marketing & Tourism Review, 1(2), 1-27.

Saraniemi, S., & Mika, K. (2011). Problematizing the Concept of Tourism Destination: An Analysis of Different Theoretical Approaches. Journal of Travel Research, 50(2), 133-143.

Serviço Brasileiro de Apoio à s Micro e Pequenas Empresas ”“ SEBRAE. (2016). Destinos Turísticos Inteligentes. Tecnologias de informação e desenvolvimento sustentável.

Serviço Brasileiro de Apoio à s Micro e Pequenas Empresas ”“ SEBRAE. (2017). Destinos turísticos inteligentes: Saiba o que são os destinos turísticos inteligentes e conheça como o Sebrae atua no setor.

Serviço Brasileiro de Apoio à s Micro e Pequenas Empresas ”“ SEBRAE. (2017). Turistech: Atitude empreendedora.

Silva, E. L. & Menezes, E. M. (2001). Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. (3a ed). Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC.

Smart Tourism Research Center (2013). Recuperado em: http://strc.khu.ac.kr/ Urban Systems.

Sociedad Mercantil Estatal para la Gestión de la Innovación y las Tecnologías Turísticas - SEGITTUR. (2016). Norma UNE 178501 - Sistema de gestións de los destinos turísticos inteligentes. Recuperado em: https://www.destinosinteligentes.es/normas-une/

Sociedad Mercantil Estatal para la Gestión de la Innovación y las Tecnologías Turísticas. (2013). Recuperado em: http://www.segittur.es/es/DTI/

Vignati, F. (2012). Gestão de destinos turísticos: como atrair pessoas para polos, cidades e países. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio de Janeiro.

Weiss, M. C., Bernardes, R. C., & Consoni, F. L. (2015). Cidades inteligentes como nova prática para o gerenciamento dos serviços e infraestruturas urbanos: a experiência da cidade de Porto Alegre. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 7(3), 310-324.

Downloads

Publicado

2021-05-28

Como Citar

Lima, D., & Mendes Filho, L. . (2021). Modelo INVAT.TUR: Indicadores relevantes para gestão de um destino turístico inteligente. Cenário: Revista Interdisciplinar Em Turismo E Território, 9(2), 150–170. https://doi.org/10.26512/revistacenario.v9i2.35322

Edição

Seção

Artigos